Análise social de um programa de coleta seletiva de resíduos sólidos domiciliares

Autores

  • Luciara Bilhalva Corrêa Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS https://orcid.org/0000-0002-1686-5282
  • Juliana Carriconde Hernandes Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS
  • Cibele Velleda Santos Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS
  • Weslei Martins Santos Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS
  • Gustavo Stolzenberg Colares Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS
  • Érico Kunde Corrêa Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236130818876

Palavras-chave:

Resíduos sólidos, Reciclagem, Participação, Sustentabilidade

Resumo

A Política Nacional dos Resíduos Sólidos – PNRS define que os municípios devem implantar um Programa de Coleta Seletiva (PCS), que visa o recolhimento de resíduos sólidos gerados pela população, previamente segregados conforme constituição ou composição. O objetivo do presente estudo foi identificar a participação da população residente no bairro central no PCS do Município de Pelotas-RS. A pesquisa foi realizada através de questionário à população residente na área central do município, perfazendo um total de 177 residências amostradas. Foi constatado que 94,4% dos entrevistados demonstraram ter conhecimento sobre a diferenciação dos resíduos orgânico e reciclável. Do total entrevistado, 85,3% segregam os resíduos em suas residências e 78,53% conhecem o PCS e realizam a segregação e disponibilização dos resíduos para a coleta seletiva. O estudo permitiu afirmar, que a maioria da população residente na área central participa ativamente do PCS na cidade, porém 40% do material que chega às cooperativas de triagem é considerado rejeito, sendo essa uma das fragilidades do PCS municipal. Considera-se pertinente estudar as populações residentes nos demais bairros da cidade, a fim de compreender o baixo índice de resíduos recicláveis recolhidos pelo PCS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciara Bilhalva Corrêa, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Núcleo de Educação, Pesquisa e Extensão em Resíduos Sólidos e Sustentabilidade. Centro de Engenharias.

Juliana Carriconde Hernandes, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Núcleo de Educação, Pesquisa e Extensão em Resíduos Sólidos e Sustentabilidade. Centro de Engenharias.

Cibele Velleda Santos, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Programa de pós graduação em Parasitologia. Instituto de Biologia.

Weslei Martins Santos, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Núcleo de Educação, Pesquisa e Extensão em Resíduos Sólidos e Sustentabilidade. Centro de Engenharias.

Gustavo Stolzenberg Colares, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Núcleo de Educação, Pesquisa e Extensão em Resíduos Sólidos e Sustentabilidade. Centro de Engenharias.

Érico Kunde Corrêa, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Núcleo de Educação, Pesquisa e Extensão em Resíduos Sólidos e Sustentabilidade. Centro de Engenharias.

Referências

Abrelpe, Brazilian Association of Public Cleaning Companies and Special Waste. Report of solid waste in Brazil. São Paulo. 2013. 116p.

Albertin RM, Moraes E, Silva FF, Corveloni EPM, Angelis Neto G, Angelis Neto BD. Proposed expansion of a selective collection program for the São Jorge of Ivaí city, Paraná, Brazil. Revista Agro@mbiente. 2011;5(1):75-81.

Brasil - ABNT, Associação Brasileira de Normas de Técnicas. NBR 8419/92. Apresentação de projetos de aterro sanitário de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro. 1992. 7 p.

Brasil - ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 13896/97. Aterros de resíduos não perigosos - Critérios para projeto, implantação e operação. Rio de Janeiro. 1997. 12 p.

Brasil - IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [cited 2015 mar 27]. Available from: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=431440&search=rio-grande-dosul|pelotas.

Brasil – PNRS. Política Nacional dos Resíduos Sólidos. Lei nº 12.305, 2010.

Brasil - SNIS, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. [cited 2015 mar 01]. Available from: http://www.snis.gov.br, acesso em 2013.

Bringhenti MR, Günter WMR. Participação social em programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos. Eng. Sanit. Ambient. 2011;16(4):421-430.

Cdc – Centers for Disease Control and Prevention. Epi Info versão 3.5.4. 2008.

Clarke MJ, Maantay JA. Optimizing recycling in all of New York City’s neighborhoods: using GIS to develop the REAP index for improved recycling education, awareness, and participation. Resour Conserv Recy. 2006;46(2):128–148.

Colares GS. Avaliação do Programa de Coleta Seletiva de resíduos sólidos urbanos do município de Pelotas/RS.[monography]. Pelotas: Centro de Engenharias/UFPel, 2015.

Junquera B, Brío DAJ, Muníz M. Citizens’ attitude to reuse of municipal solid waste: a practical application. Resour Conserv Recy. 2001;33:51-60.

Lanza VCV, Carvalho AL. Orientações básicas para operação de aterro sanitário. Fundação Estadual do Meio Ambiente-FEAM. Belo Horizonte, 36p. 2006.

Lavee, D. Is Municipal Solid Waste Recycling Economically Efficient? Environ Manage. 2007;40:926-943.

Pereira MCG, Teixeira MAC. A inclusão de catadores em programas de coleta seletiva: da agenda local à nacional. Cad. EBAPE.BR[online]. 2011;9(3):895-913.

Sanep – PMGIRS – Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – Município de Pelotas, 2014. [cited 2015 jun 01]. Avaiable from: http://www.pelotas.com.br/sanep/plano-deresiduos/arquivos/PMGIRS-Pelotas-08-2014.pdf.

Seng B, Hirayama K, Katayama-Hirayama K, Ochiai S, Kaneko H. Scenario analysis of the benefit of municipal organic-waste composting over landfill, Cambodia. J Environ Manage. 2013;114:216-224.

Sidique SF, Lupi F, Joshi SV. The effects of behavior and attitudes on drop-off recycling activities. Resour Conserv Recy. 2010;54:163–170.

Singhirunnusorn W, Donlakorn K, Kaewhanin W. Contextual Factors Influencing Household Recycling Behaviours: A Case of Waste Bank Project in Mahasarakham Municipality. Procedia Soc. Behav. Sci. 2012;36:688 – 697.

Simonetto EO, Borenstein D. Gestão operacional da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanosabordagem utilizando um sistema de apoio à decisão. Gest. Prod. 2006;13(3):449-461.

Vilhena A. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. 3.ed. IPT CEMPRE, 2010.

Downloads

Publicado

2015-09-21

Como Citar

Corrêa, L. B., Hernandes, J. C., Santos, C. V., Santos, W. M., Colares, G. S., & Corrêa, Érico K. (2015). Análise social de um programa de coleta seletiva de resíduos sólidos domiciliares. Revista Monografias Ambientais, 14(2), 193–201. https://doi.org/10.5902/2236130818876

Edição

Seção

PRÁTICAS EDUCATIVAS AMBIENTAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.