Compostagem: a importância da reutilização dos resíduos orgânicos para a sustentabilidade de uma instituição de ensino superior

Cristina Maria Dacach Fernandez Marchi, Isadora de Oliveira Gonçalves

Resumo


O crescimento populacional, a urbanização, o desenvolvimento econômico e tecnológico ocasionaram mudanças no estilo de vida, alterando os modos de produção e consumo. Assim, resultaram em um aumento, tanto em quantidade como em diversidade, da geração dos resíduos sólidos. Consequentemente, surge a necessidade da promoção da disposição final adequada dos resíduos gerados. O presente estudo teve como objetivo propor diagnóstico de geração de resíduos orgânicos e recomendações para a melhoria do manejo desse tipo de resíduos em uma instituição de ensino superior da cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Como resultado, pode-se destacar o local onde funciona o restaurante universitário, que apresentou o maior percentual de resíduos orgânicos: 84% do total (142.240g). Foi constatado que não há uma destinação correta dos resíduos orgânicos gerados. A compostagem é uma forma viável para a destinação ambientalmente apropriada, pois aproveita os resíduos na agricultura urbana e rural como adubo. Importante destacar que a simples implantação de um sistema de compostagem não resolve os graves problemas da destinação incorreta, que polui e apresenta risco ambiental. Dessa forma, foi necessário elaborar e apresentar recomendações, baseadas nos resultados encontrados, para serem implementadas na Instituição investigada.

Palavras-chave


Resíduos orgânicos; Compostagem; Gerenciamento de resíduos sólidos; Politica Nacional de Resíduos Sólidos; Gestão Ambiental

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ABNT. Associação Brasileira de Normas e Técnicas. (2004). NBR 10.004: resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro.

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. (2016). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. São Paulo. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/panorama_apresentacao.cfm. Acesso em: 9 Jul. 2018.

ABREU, M. J. (2013). Gestão comunitária de resíduos orgânicos: o caso do Projeto Revolução dos Baldinhos (PRB), Capital Social e Agricultura Urbana. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. 182 p.

BRASIL (2010). Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Diário Oficial da União. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm. Acesso em: 19 set. 2017.

BRASIL (2001). Resolução CONAMA nº 275, de 25 de abril de 2001. Estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva. Brasília, DF, 2001.

BRASIL (2016). Ministério do Meio Ambiente. Brasília, DF. Disponível em: http://www.mma.gov.br/cidades-sustentáveis/residuos-solidos. Acesso em: 5 out. 2017.

BRASIL (2017). Ministério do Meio Ambiente. Compostagem doméstica, comunitária e institucional de resíduos orgânicos: manual de orientação. Brasília, DF, 68 p.

CEPAGRO (2013). Centro de Estudos e Promoção da Agricultura em Grupo. Agricultura urbana, hortas, e tratamento de resíduos orgânicos. Coleção saber na prática agricultura urbana, volume 3. Florianópolis, SC.

FIORI, M. G. S. et al. (2008). Análise da evolução tempo-eficiência de duas composições de resíduos agroindustriais no processo de compostagem aeróbia. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v. 5, n. 3, p. 178-191, set.-dez. 2008.

GOUVEIA, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência e Saúde Coletiva. Universidade de São Paulo. p. 1503-1510.

IBGE (2008). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico: 2008. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro, 2010. 219 p.

INÁCIO, C. T.; MILLER, P. R. M (2009). Compostagem: ciência e prática para a gestão de resíduos orgânicos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009. 156 p.

IPEA (2012). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Diagnóstico dos resíduos sólidos urbanos. Relatório de Pesquisa. Brasília, 2012. 82 p.

LIMA, L. M. Q. (2004). Lixo: tratamento e biorremediação. São Paulo: Editora Hemus.

LOUREIRO, Diego Campana et al (2007). Compostagem e vermicompostagem de resíduos domiciliares com esterco bovino para a produção de insumo orgânico. Pesq. agropec. bras., Brasília , v. 42, n. 7, p. 1043-1048, Julho 2007 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-204X2007000700018&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 ago. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2007000700018.

MASSUKADO, L. M. (2008) Desenvolvimento do processo de compostagem em unidade descentralizada e proposta de software livre para o gerenciamento municipal dos resíduos sólidos domiciliares. 182 p. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.

MMA. Ministério do Meio Ambiente (2010). Manual para implantação de compostagem e coleta seletiva no âmbito de consórcios públicos. Brasília, DF.

NORTH CAROLINA STATE UNIVERSITY. Vernicompost. Disponível em: https://carolinacompost.com/vermicomposting/. Acesso em: 12 ago. 2018.

NORTH CAROLINA STATE UNIVERSITY. NC State’s Vermiculture Conference. Disponível em: https://composting.ces.ncsu.edu/vermiculture-conference/. Acesso 12 ago. 2018.

PERUNCHIN, B. et al. (2013) Gestão de resíduos sólidos em restaurante escola. Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, 11 p.

PORTAL da horta biológica. Disponível em: https://www.hortabiologica.com/ vermicompostagem/. Acesso em: 15 mar. 2018.

PORTAL da Revista Ecológico. Disponível em: http://www.revistaecologico.com.br/ materia.php?id=67&secao=1027&mat=1094. Acesso em: 17 mar. 2018.

PORTAL da Revista Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade. Instituições apostam na compostagem. Disponível em: http://rmai.com.br/instituicoes-apostam-na-compostagem/. Acesso em: 17 mar. 2018.

PROSAB (1999). Manual Prático para a compostagem de biossólidos. Universidade Estadual de Londrina, 1999. 91 p. Disponível em: https://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/historico-de-programas/prosab/Livro_Compostagem.pdf. Acesso em: 9 out. 2017.

SCHALCH et al. (2002). Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Escola de Engenharia de São Carlos. Universidade de São Paulo.

SILVA JÚNIOR, J. V. et al. (2014). Aproveitamento de materiais alternativos na produção de mudas de tomateiro sob adubação foliar. Revista Ciência Agronômica. v. 45, n. 3, p. 528-536, jul.-set. 2014.

SOUZA, Ozair et al (2010). Biodegradação de resíduos lignocelulósicos gerados na bananicultura e sua valorização para a produção de biogás. Rev. bras. eng. agríc. ambient., Campina Grande , v. 14, n. 4, p. 438-443, abr. 2010 . Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-43662010000400014&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 ago. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662010000400014.

TAUCHEN, J. ; BRANDLI, L. (2006). A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Revista Gestão & Produção, v.13, n. 3, p. 503-515, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/gp/v13n3/11.pdf. Acesso em: 5 out. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130841718

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.