A visão dos acadêmicos de fisioterapia sobre os resíduos de serviços de saúde em uma instituição de ensino superior

Ana Paula Mendes Geitenes, Cristina Maria Dacach Fernandez Marchi

Resumo


Os profissionais da saúde devem preocupar-se com os resíduos gerados por suas atividades, e desenvolver competências e habilidades específicas desde a graduação, exigindo um posicionamento consciente e disponibilidade para colaborar na busca de soluções. O objetivo do estudo foi avaliar o conhecimento dos acadêmicos de fisioterapia acerca dos resíduos de serviços de saúde (RSS). Trata-se de um estudo exploratório transversal descritivo, quantitativo com acadêmicos de fisioterapia de uma Instituição de Ensino Superior, situada em Salvador na Bahia. Participaram 53 acadêmicos, os dados foram coletados por meio de um questionário estruturado, e analisados por meio do Software Epi Info 6.04 para descrição das frequências absolutas e percentuais. Como resultados encontrados: 62,3% desconhecem a classificação dos RSS; 52,8% conhecem sobre o seu potencial de risco e 62,3% não têm conhecimento sobre segregação. Conclui-se que ocorra desconhecimento de grande parte dos discentes de fisioterapia sobre os RSS, refletindo a necessidade de buscar meios de sensibilizar os futuros fisioterapeutas, para que desenvolvam uma compreensão ampliada das questões ambientais para isso é necessária a formação de profissionais qualificados e sensibilizados para a importância do manejo adequado desses resíduos, com responsabilidade e compromisso ético com a saúde da sociedade e do meio ambiente.

 


Palavras-chave


Resíduos de serviços de saúde; Fisioterapia; Etapas de manejo; Formação acadêmica

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ALMEIDA, I. M.; VILELA, R. A. G. Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes de Trabalho - M.A.P.A. Piracicaba: CEREST, 2010. 51p.

ALVES, S. B. et al. Manejo de resíduos gerados na assistência domiciliar pela estratégia saúde da família. Rev. Bras. Enferm, 2012. v. 65, n.1, p. 128-134. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672012000100019. Acesso em: 12/04/2018.

BHAGAWATI, G.; NANDWANI, S.; SINGHAL, S. Awareness and practices regarding bio-medical waste management among health care workers in a tertiary care hospital in Delhi. Indian J Med Microbiol. 2015, Oct-Dec; 33(4):580-2. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26470969. Acesso em: 20/07/2018.

BRASIL. Lei Federal nº12.305 de 12 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília: MMA, 2010. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/501911.pdf. Acesso em: 24/02/2017.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 222, de 28 de março de 2018. Brasília: ANVISA, 2018.

CAIXETA, R. B.; BARBOSA-BRANCO A. Acidente de trabalho com material biológico em profissionais de saúde de hospitais públicos do Distrito Federal, Brasil, 2002/2003. Rio de Janeiro: Cadernos de Saúde Pública, 2005. Maio/jun;21(3): 737-46. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n3/07.pdf. Acesso em: 12/04/2018.

DOI, K. M.; MOURA, G. M. S. S. Resíduos sólidos de serviços de saúde: uma fotografia do comprometimento da equipe de enfermagem. Porto Alegre (RS): Rev. Gaúcha Enf. 2011. v. 32, n. 2, p. 338-344. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/14802. Acesso em: 24/02/2017.

DROHOMERETSKI, E.; FERNANDES, N. Z.; RIBEIRO, L. DE O. Análise Comparativa da Aplicação da Logística Reversa de Resíduos em um Hospital Universitário e o Pro-Hospital: Um Estudo de Caso. Paraná: 2014, v. 11 n. 4. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/rahis/article/view/2177. Acesso em: 24/02/2017.

GARBIN, A. J. I. et al. A responsabilidade socioambiental na formação acadêmica. São Paulo: O Mundo da Saúde, 2015. 39(1): p. 119-125. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/mundo_saude_artigos/Responsabilidade_Socioambiental_.pdf. Acesso em: 24/02/2017

GESSNER, R. et al. O manejo dos resíduos dos serviços de saúde: um problema a ser enfrentado. Paraná: Cogitare Enferm. 2013;18(1): p.117-123. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/31316. Acesso em: 27/06/2018.

KUMAR, R. et al. Practices and challenges of infectious waste management: A qualitative descriptive study from tertiary care hospitals in Pakistan. Pak J Med Sci. 2015 Jul-Aug; 31 (4): p.795-8. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26430405. Acesso em: 27/06/2018.

MARCELINO FILHO, A.; ARAÚJO, T. M. Estresse ocupacional e saúde mental dos profissionais do centro de especialidades médicas de Aracaju. Rio de Janeiro: Trab. Educ. Saúde. 2015. v.13, supl.1 p.177-199. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S198177462015000400177&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 27/06/2018.

MORESCHI, C. et al. A importância dos resíduos de serviços de saúde para docentes, discentes e egressos da área da saúde. Rio Grande do Sul: Revista Gaúcha de Enfermagem. 2014 jun. v. 35, n. 2, p. 20-6. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/43998. Acesso em: 24/02/2017.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez Editora; Brasília, DF. 2011. 2 ed. 104p.

MULLER, A. M. et al. Um olhar exploratório sobre os resíduos de serviços de saúde para os cursos da área da saúde numa universidade comunitária do Sul do Brasil. Rio Grande do Sul: Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. 2013. v.17, n.17:p. 3327-3335. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/view/10659. Acesso em: 24/02/2017.

MUROFUSE, N. T.; MARZIALE, M. H. P.; GEMELLI, L. M. G. Acidente com material biológico em hospital universitário do oeste do Paraná. Porto Alegre (RS): Rev Gaúcha Enferm. 2005. v.26, n.2:p.168-79. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4550/2481. Acesso em: 24/02/2017.

OLIVEIRA, C. R. D. R. et al. Gestão de Resíduos de Serviço de Saúde: Avaliação dos Procedimentos Adotados no Hospital da Cidade de Guaporé-RS. Rio Grande do Norte: HOLOS, 2013. v.29, n.2: p. 251-260. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/886. Acesso em: 24/02/2017.

PEREIRA, S. S. Resíduos de serviço de saúde: definição, classificação e legislação. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande do Sul, XIV, n. 93, out 2011. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=10528&revista_caderno=5. Acesso em: 10/12/2017.

SOUZA, A. C. S. et al. Descarte de resíduos infectantes: informações demonstradas e ações praticadas por estudantes de enfermagem e medicina. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2015 jan. /mar;17(1):124-30. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v17i1.25181. Acesso em: 25/10/2017.

SOUZA, F. P. et al. Viabilidade da Aplicação da Logística Reversa no Gerenciamento dos Resíduos dos Serviços de Saúde: um Estudo de Caso no Hospital X. Perspectivas Online: Ciências Exatas e Engenharia, 2013, 3(6), 56-72. Disponível em: http://www.seer.perspectivasonline.com.br/index.php/exatas_e_engenharia/article/view/10. Acesso em: 27/06/2018.

ZAJAC, M. A. L. et al. Logística reversa de resíduos da classe d em ambiente hospitalar: monitoramento e avaliação da reciclagem no hospital infantil Cândido Fontoura. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, vol. 5, número 1, janeiro-abril, 2016, pp. 78- 93, Universidade Nove de Julho, São Paulo, Brasil. Disponível em: http://www.revistageas.org.br/ojs/index.php/geas/article/view/326. Acesso em: 27/06/2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130838442

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.