Investigação-ação com mães de pessoas com deficiência intelectual: a redução da sobrecarga como um projeto de vida

Sarah Cecílio Fonseca, Maria Nivalda de Carvalho-Freitas, Beatriz André Alves

Resumo


O artigo tem por objetivo relatar investigação-ação realizada com grupos de mães de pessoas com deficiência intelectual, visando contribuir para a melhoria na qualidade de vida e na ressignificação de seus projetos de vida. A investigação-ação foi realizada com dois grupos, sendo que em um deles realizou-se 24 encontros durante oito meses, e, no outro, foram realizados 12 encontros durante quatro meses. Foram registrados todos os encontros, através de observações sistemáticas, e realizada a análise de conteúdo e dos principais fenômenos grupais, além de avaliação da percepção de mudança após finalização da experiência. No início da pesquisa, observou-se resistência por parte das mães em relação ao tema projeto de vida como consequência de dificuldades pouco trabalhadas em relação à capacidade de seus filhos. Isto é, observou-se que as mães ofereciam poucas possibilidades de seus filhos desenvolverem autonomia e independência para atividades da vida diária, causando sobrecarga às mesmas, enquanto cuidadoras. Assim, o foco da investigação-ação foi discutir sobre atividades concretas que pudessem gerar autonomia, considerando os limites e as possibilidades dos filhos e questões relacionadas às vivências subjetivas das mães, tendo como disparador o Inventário de Habilidades de Vida Independente.  Verificou-se que a reflexão sobre atividades diárias dos filhos, sobre formas de estimulação para maior independência e sobre estratégias que poderiam ser utilizadas para o filho desenvolver determinado comportamento, além de reduzir a sobrecarga, constitui-se em um projeto de vida para as mães.


Palavras-chave


Deficiência intelectual; sobrecarga; projeto de vida.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AFONSO, Maria Lúcia Miranda. Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção psicossocial. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. p 171.

AMERICAN ASSOCIATION ON INTELLECTUAL AND DEVELOPMENTAL DISABILITIES / AAIDD. 2010. Disponível em http://www.aamr.org/content_104.cfm. Acesso em: 23 ago. 2019.

BANDEIRA, Marina. et al. Avaliação de serviços de saúde mental: adaptação transcultural de uma medida da percepção dos usuários sobre os resultados do tratamento. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, p. 107-14, 2009

BASTOS, Olga Maria; DESLANDES, Suely Ferreira. A experiência de ter um filho com deficiência mental: narrativas de mães. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 9, p. 2141-2150, set. 2008.

BATISTA, Sérgio Murilo; FRANÇA, Rodrigo Marcelino. Família de pessoas com deficiência: desafios e superação. Revista de divulgação técnico-científica do ICPG, Florianópolis, v. 3, n. 10, 117-121, jan./jun. 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994. p. 225.

BEMISTER, Taryn. et al. Predictors of caregiver depression and family functioning after perinatal stroke. BMC pediatrics, United Kingdom, v. 15, n. 1, p. 1-11. 2015.

BRESLAU, Erica. The continuum: somatic distress to medicalization in women with breast cancer: theoretical and empirical assessment. In: SEGAL, Marcia Texler; DEMOS, Vasilikie. (Orgs.). Gender perspectives on health and medicine: key themes. Toronto: Elsevier, 2003. p. 131-180.

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto - Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679-684, out./dez. 2006.

CARVALHO, Cláudia Lopes; ARDORE, Marilena; CASTRO, Leila Regina. Cuidadores Familiares e o Envelhecimento da Pessoa com DI: Implicações na prestação de cuidados. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 333-352, jul./set. 2015.

CARVALHO, Elenice Natália Soares; MACIEL, Diva Maria Moares de Albuquerque. Nova concepção de deficiência mental segundo a American Association on Mental Retardation - AAMR: sistema 2002. Temas em Psicologia da SBP, Ribeirão Preto, v. 11, n. 2, p. 147-156, 2003.

CAVALCANTE, Fátima. Família, subjetividade e linguagem: gramáticas da criança “anormal”. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 125-37, jan. 2001.

CAVALCANTE, Fátima Gonçalves. et al. Impactos de um documentário sobre o cotidiano de mães e filhos com deficiência: uma análise de cinedebates. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 10, p. 3071-3080, out. 2016.

CHACON, M. C. Deficiência mental e integração social: o papel mediador da mãe. Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, v. 3, n. 5, p. 87-96, set. 1999.

COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús. Desenvolvimento psicológico e educação: Transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 368 p.

COPPUS, Antonia. People with intellectual disability: What do we know about adulthood and life expectancy? Research in Developmental Disabilities, United States of America, v. 18, n.1, p. 6-16, 2013.

CORCORAN, Jacqueline; BERRY, Amber; HILL, Stephanie. The lived experience of US parents of children with autism spectrum disorders: a systematic review and meta-synthesis. Journal of Intellectual Disabilities, United Kingdom, v. 19, n. 4, p. 356-366, mar. 2015.

DOUMA, Jolanda; DEKKER, Marielle; KOOT, Hans. Supporting parents of youths with intellectual disabilities and psychopathology. Journal of Intellectual Disability Research, United Kingdom, v. 50, p. 570-581,ago. 2006.

FALKENBACH, Atos Prins; DREXSLER, Greice; WERLER, Veronica. A relação mãe/criança com deficiência: sentimentos e experiências. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 2065-73, nov. 2008.

FLEURY-TEIXEIRA, Paulo. et al. Autonomia como categoria central no conceito de promoção de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.13, 2115-22, nov. 2008.

GALLAGHER, Stephen. et al. Predictors of psychological morbidity in parents of children with intellectual disabilities. Journal of pediatric psychology, United Kingdom, v. 33, n. 10, p. 1129-1136, nov-dez. 2008.

GARRO, Linda; MATTINGLY, Cheryl. Narrative and the natural construction of illness and healing. Berkeley: University of California Press, 2000. 288 p.

GLAT, R. A sexualidade da pessoa com deficiência mental. Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, v. 1, n. 1, p. 65-74, 1992.

HALEY, William; PERKINS, Elizabeth. A. Current status and future directions in family caregiving and aging people with intellectual disability. Journal of Policy and Practice in Intellectual Disabilities, United States of America, v. 1. n. 1, p. 24-30, mar. 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA / IBGE. Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000009352506122012255229285110.pdf. Acesso em: 19 ago. 2019.

JERUSALINSKY, Alfredo. Psicanálise e desenvolvimento infantil. 4. ed. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2007. 318 p.

KAR, Snehendu; PASCUAL, Catherine; CHICKERING, Kirstin. Empowerment of women for health promotion: a meta-analysis. Social Science & Medicine, United States of America, v. 49, n. 11, p. 1431-60, 1999.

KIRMAYER, Laurence; GROLEAU, Danielle. Affective disorders in cultural context. Psychiatric Clinics of North America, United States o America, v. 24, n.3, p. 465-78, set. 2001.

KLAUS, Marshall; KENNELL John; KLAUS Phillys. Vínculo: construindo as bases para um apego seguro e para a independência. Porto Alegre: Editora Artmed, 2000. 187 p.

LIMA, Lúcia Abelha; BANDEIRA, Marina; GONÇALVES, Sylvia. Validação Transcultural do Inventário de Habilidades de Vida Independente (ILSS-BR) para pacientes psiquiátricos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 52, n. 2, p. 143-158, mar./abr. 2003.

LITTIG, Patrícia Mattos Caldeira Brant. et al. Sexualidade na deficiência intelectual: uma análise das percepções de mães de adolescentes especiais. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 3, p. 469-486, jul./set. 2012.

MANNONI, Maud. A Criança retardada e a mãe. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1999. 193 p.

MARRON, Elena, et al. Burden on caregivers of children with cerebral palsy: predictors and related factors. Universitas Psychologica, Catalunya, v. 12, n. 3, p. 767-777, maio 2013.

MARTENS Laurie; ADDINGTON, Jean. The psychological well-being of family members of individuals with schizophrenia. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, Calgary, v. 36, n. 3, p. 128-133, mar. 2001.

MATSUKURA, Thelma Simões. et al. Estresse e suporte social em mães de crianças com necessidades especiais. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 13, n. 3, p. 415-28, set./dez. 2007.

MISHLER, Elliot. Narrativa e identidade: a mão dupla do tempo. In: LOPES, Luis Paulo da Moita; BASTOS, Liliana Cabral. (Orgs.). Identidades recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Editora Mercado das Letras, 2002. p. 97-122.

NEUFELD, Carmem Beatriz. et al. Programa de Orientação de Pais em Grupo: Um estudo exploratório na abordagem Cognitivo-Comportamental. Psicologia em Pesquisa, Juiz de Fora, v. 12, n. 3, p. 1-11, set./dez. 2018.

NEVES, Eliane Tatsch; CABRAL, Ivone Evangelista. Empoderamento da mulher cuidadora de crianças com necessidades especiais de saúde. Texto & Contexto-Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 552-560, jul./set. 2008.

NOBRE, Maria Inês Rubo de Souza; MONTILHA, Rúbia de Cássia Ietto; TEMPORINI, Edméa Rita. Mães de crianças com deficiência visual: percepções, conduta e contribuição do atendimento em grupo. Revista brasileira de crescimento e desenvolvimento humano, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 46-52, 2008.

OMOTE, Sadao. A integração do deficiente: um pseudo-problema científico. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 55-62, ago. 1995.

PAIXÃO, Adriana Gomes. Representações sociais e a síndrome de Down: entre o sofrimento e a sua superação. Arquivos brasileiros de pediatria, Rio de Janeiro, v. 4, n. 5, p. 141-6, 1997.

PEREIRA-SILVA, Nara Liana; DESSEN, Maria Auxiliadora. O que significa ter uma criança com deficiência mental na família? Educar em Revista, Curitiba, n. 23, p. 161-183, 2004.

PICHÓN-RIVIÈRE, Enrique. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1988. 296 p.

RABELO, Miriam Cristina; ALVES, Paulo César; SOUZA Iara Maria. (Orgs.). Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1999. 264 p.

RAINA, Parminder. et al. Caregiving process and caregiver burden: Conceptual models to guide research and practice. BMC Pediatrics, United Kingdom, v. 4, n. 1, jan. 2004

RIBEIRO, Sandra Fogaça Rosa; YAMADA, Midori Otake; TAVANO, Liliam D’ Aquino. Vivência de mães de crianças com deficiência auditiva em sala de espera. Psicologia em revista, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, p. 91-106, jun. 2007.

SANTOS, Manoel Antonio; PEREIRA-MARTINS, Maria Laura de Paula Lopes. Estratégias de enfrentamento adotadas por pais de crianças com deficiência intelectual. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, p. 3233-3244, 2016.

SCHMIDT, Carlo; DELL’AGLIO, Débora Dalbosco; BOSA, Cleonice Alves. Estratégias de coping de mães de portadores de autismo: lidando com dificuldades e com a emoção. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 124-131, 2007.

SMEHA, Luciane Najar. et al. Cuidando de um filho com diagnóstico de paralisia cerebral: sentimentos e expectativas. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 22, n. 2, p. 231-242, jul. 2017.

SOLOMON, A. Longe da árvore: pais, filhos e a busca da identidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 1056 p.

TOMAZ, Rodrigo Victor Viana. et al. Políticas públicas de saúde para deficientes intelectuais no Brasil: uma revisão integrativa. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 155-172, jan. 2016.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. La colectividad como factor de desarrollo del niño deficiente. In: VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Obras Escogidas – Tomo V: Fundamentos de defectología. Madrid: Visor, 1931/1997.

WALDMAN, Barry; SWERDLOFF, Mark; PERLMAN, Steven. Children with mental retardation grow older. ASDC journal of dentistry for children, United States of America v. 66, n. 4, p. 266-72, jul.1999.

WARD, Cally; COOPER, Vivien. Prevention is better than cure…. Tizard Learning Disability Review, United Kingdom, v. 18, n. 4, p. 208-211, 2013.

YOONG, Amanda; KORITSAS, Stella. The impact of caring for adults with intellectual disability on the quality of life of parents. Journal of Intellectual Disability Research, United Kingdom, v. 56, n. 6, p. 609-619, jun. 2012.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X40373

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________