Apropriação do Termo “Pessoas com Deficiência”

Maristela Ferro Nepomuceno, Raquel Martins de Assis, Maria Nivalda de Carvalho-Freitas

Resumo


As pessoas com deficiência são historicamente discriminadas e, entre as várias ações para reduzir a discriminação, encontra-se a investigação da terminologia que as caracterizam. Pesquisas mostram que a linguagem e os conceitos que as pessoas utilizam influenciam os aspectos sociais, tal como termos pejorativos. Com base nesses aspectos, este estudo tem como objetivo analisar a apropriação e a circulação do termo “pessoa com deficiência” na comunidade científica brasileira e discutir a natureza social das terminologias e suas implicações. Para a investigação das terminologias relacionadas a quem possui o impairment, essa pesquisa analisou a apropriação do termo definido pela Convenção sobre o Direito das Pessoas com Deficiência utilizado no Brasil com base no referencial teórico dos conceitos de apropriação, de Roger Chartier (1988), tradução e negociação, de Zoia Prestes (2010), e circulação, de Pierre Bourdieu (2002). Pode-se constatar a importância da tradução e da distinção dos termos disability e impairment. A alteração na tradução do impairment como impedimento em vez de lesão resulta na concepção da deficiência como tragédia pessoal, um problema para a própria pessoa, devido ao impedimento. Da mesma forma, se a tradução de impairment for deficiência, implica não considerar os problemas físicos e de saúde que podem acontecer. Verificou-se que tanto a apropriação quanto a tradução de um termo devem estar inseridos dentro de uma cultura de origem e de destino. Embora o termo utilizado e apropriado no Brasil seja “pessoa com deficiência”, não há um consenso na literatura. Espera-se que este estudo contribua para uma reflexão crítica desse termo utilizado.


Palavras-chave


Pessoa com deficiência; terminologia; apropriação.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ASSIS, R. M.; OLIVEIRA, C.R.; LOURENCO, E. A criança anormal e as propostas de educação escolar na imprensa mineira (1930-1940). Revista Brasileira de Educação, v. 25, p. 1-23, 2020.

AMIRALIAN, M. L. et al. Conceituando deficiência. Revista de Saúde Publica, v. 34, n. 1, p. 97–103, 2000.

BARBOSA JÚNIOR, O. F. O emprego apoiado na inclusão da pessoa com deficiência: Um estudo em organizações sociais no Brasil. 2018. PUC Minas, Tese (Doutorado em Administração), Belo Horizonte, 2018.

BARNES, C. Understanding disability and the importance of design for all. Journal of Accessibility and Design for All, v. 1, n. 1, p. 55–80, 2011.

BARNES, C.; MERCER, G.; SHAKESPEARE, T. Exploring Disability: A sociological Introduction. Cambridge, UK Malden, MA: Polity Press, 1999.

BARNES, C.; OLIVER, M.; BARTON, L. Disability Studies Today. Cambridge: Polity Press, 2002, p. 280.

BARTON, L. The politics of Special Education Needs. In: BARTON, L.; OLIVER, M. (Ed.). Disability studies : past, present and future. Leeds: The Disability Press, 1997. p. 139–159.

BARTON, L.; ARMSTRONG, F. Handbook of Disability Studies: Disability, Education, and Inclusion: Cross-Cultural Issues and Dilemmas. Sage, v. 15, n. 1, p. 864, 2001.

BOURDIEU, P. As condições sociais da circulação internacional das idéias. Enfoques, v. 1, n. 1, p. 4–15, 2002.

BRANCATTI, P. R. Um Estudo sobre Barreiras Arquitetônicas na Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 7, n. 1, p. 91–100, 2001.

BRASIL. A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência comentada. Brasília: MEC: Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração de Pessoa Portadora de Deficiência. Coordenação de Ana Paula Crosara Resende e Flávia Maria de Paiva Vital, 2008.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organisational Analysis. England: Ashgate Publishing Limited, 2005.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

CANTARONI, J. R. H. et al. A Dimensão da Deficiência e o Olhar a Respeito das Pessoas com Deficiência a Partir dos Recenseamentos no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 1, p. 159–176, mar. 2015.

CARVALHO-FREITAS, M. N .; NEPOMUCENO, M. F. Análise Grupal sobre a Experiência do Primeiro Ano de Trabalho de Pessoas com Deficiência. In: XV ENABRAPSO, Maceió. Anais [...]. Maceió: 2009. p. 1–10

CARVALHO-FREITAS, M. N. de. A Inserção de pessoas com deficiência em empresas brasileiras - Um estudo sobre as relações entre concepções de deficiência, condições de trabalho e qualidade de vida no trabalho. 2007. Tese (Doutorado em Administração), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil., Belo Horizonte, 2007.

CARVALHO-FREITAS, M. N. de et al. Socialização organizacional de pessoas com deficiência. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 264–275, set. 2010.

CARVALHO-FREITAS, M. N. et al. Diversidade em Contexto de Trabalho: Pluralismo teórico e questões conceituais. Revista Economia & Gestão, v. 17, n. 48, p. 174–191, 22 mar. 2018.

CARVALHO-FREITAS, M. N.; MARQUES, A. L. Formas de ver as pessoas com deficiência: um estudo empírico do construto de concepções de deficiência em situações de trabalho. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n. 3, p. 100–129, jun. 2010.

CHAGAS, A. M. de R. Avanços e impedimentos para a construção de uma política social para as pessoas com deficiência. 2006. Dissertação (Mestrado em Política Social), Universidade de Brasília, 2006.

CHAPPELL, A. L.; GOODLEY, D.; LAWTHOM, R. Making connections: the relevance of the social model of disability for people with learning difficulties. British Journal of Learning Disabilities, v. 29, p. 45–50, 2001.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difusão Editora, 1988.

CHAUVIÈRE, M.; PLAISANCE, É. L’école face aux handicaps. Education spéciale ou éducation intégrative? Paris: Presses Universitaires de France, 2000.

CLARK, L.; MARSH, S. Patriarchy in the UK: The Language of Disability. Leeds: Disability Press, 2002. Disponível em: https://disability-studies.leeds.ac.uk/wp-content/uploads/sites/40/library/Clark-Laurence-language.pdf.

DIAS DE FARIA, M.; FELÍCIO, J. L.; DE CARVALHO, S. Diretrizes para pesquisas com foco em pessoas com deficiência: um estudo bibliométrico em administração Guidelines for research with focus on people with disabilities: a bibliometric study in management. Revista Ciências Administrativas, v. 19, n. 1, p. 35–68, 2013.

DIAS, S. de S.; OLIVEIRA, M. C. S. L. de. Deficiência intelectual na perspectiva histórico-cultural: contribuições ao estudo do desenvolvimento adulto. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 19, n. 2, p. 169–182, jun. 2013.

DINIZ, D. O que é deficiência. São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.

DINIZ, D. Deficiência e Políticas Sociais – Entrevista com Colin Barnes. Revista SER Social, v. 15, n. 32, p. 237–251, 2013.

DINIZ, D.; BARBOSA, L.; SANTOS, W. R. dos. Deficiência, direitos humanos e justiça. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 6, n. 11, p. 64–77, dez. 2009.

DINIZ, D.; MEDEIROS, M.; SQUINCA, F. Reflexões sobre a versão em Português da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 10, p. 2507–2510, out. 2007.

DOSSE, F. História e ciências sociais. Bauru: EDUSC, 2004.

EAYRS, C. .; ELLIS, N.; JONES, R. S. P. Which Label? An Investigation into the Effects of Terminology on Public Perceptions of and Attitudes towards People with Learning Difficulties. Disability, Handicap & Society, v. 8, n. 2, p. 111–127, 23 jan. 1993.

ECO, U. Quase a mesma coisa: experiências de tradução. São Paulo: Editora Record, 2007.

FARIA, M. D. de; CARVALHO, J. L. F. Pessoas com Deficiências como Clientes Internos e Externos: Investigando a Inclusão como Potencial Atrativo para Jovens Talentos. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 6, n. 1, p. 102–115, 2011.

FIORATI, R. C.; ELUI, V. M. C. Social determinants of health, inequality and social inclusion among people with disabilities. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 23, n. 2, p. 329–336, abr. 2015.

GALVÃO, L. F. Que(m) nomeia a deficiência? 2011. Tese (Doutorado em Psicologia), Universidade de São Paulo - USP, Brasil, São Paulo, 2011.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. A escolarização de alunos com deficiência intelectual: uma análise da aplicação do Plano de Desenvolvimento Educacional Individualizado. Linhas Críticas, v. 8, n. 35, p. 193–208, 2012.

GOODLEY, D. “Learning Difficulties”, the Social Model of Disability and Impairment: Challenging epistemologies. Disability & Society, v. 16, n. 2, p. 207–231, mar. 2001.

GOODLEY, D.; LAWTHOM, R. Disability & Psychology Critical introductions & Reflections. Londres: Palgrave Macmillan, 2007.

GRYNSZPAN, M. Por uma Sociologia Histórica da Circulação e da Recepção de Textos. Revista de Sociologia e Política, v. 20, n. 44, p. 11–30, nov. 2012.

GUEDES, D. M. A Importância da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência como Norma em nossa Carta Magna. LEOPOLDIANUM: Revista de Estudos e Comunicações da Universidade Católica de Santos, v. 38, p. 85–98, 2012.

HARPUR, P. From disability to ability: changing the phrasing of the debate. Disability & Society, v. 27, n. 3, p. 325–337, maio 2012.

KUHNEN, R. T. A CONCEPÇÃO DE DEFICIÊNCIA NA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA (1973-2014). 2016. Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.

LIMA, S. R.; MENDES, E. G. Escolarização da pessoa com deficiência intelectual: terminalidade específica e expectativas familiares. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 17, n. 2, p. 195–208, 2011.

LOURENÇO, É. Educação Inclusiva : Educação Inclusiva: Uma Contribuição da História da Psicologia. Psicologia Ciência e Profissão, v. 20, n. 1, p. 24–29, 2000.

MADYANINGRUM, M. E. Disability Organisations as Empowering Settings : The case of a local disability organisation in Yogyakarta Province , Indonesia. 2017. Thesis, College of Health and Biomedicine, Victoria University, Indonesia, 2017.

MAIA, L. M.; CAMINO, C.; CAMINO, L. Pessoas com deficiência no mercado de trabalho: uma análise do preconceito a partir das concepções de profissionais de recursos humanos. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 6, n. 1, p. 78–91, 2011.

MAMUS, P. T. Dicionário terminológico da inclusão das pessoas com deficiência. 2017. Tese (Doutorado em Letras), Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, 2017.

MATTOS, L. K. de; NUERNBERG, A. H. Reflexões sobre a inclusão escolar de uma criança com diagnóstico de autismo na educação infantil. Rev. Educ. Espec., v. 24, n. 39, p. 129–142, 2011.

MELO, F. R. L. V. de; MARTINS, L. de A. R. Acolhendo e atuando com alunos que apresentam paralisia cerebral na classe regular: a organização da escola. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 13, n. 1, p. 111–130, abr. 2007.

MORGADO, F. F. da R. et al. Representações Sociais sobre a Deficiência: Perspectivas de Alunos de Educação Física Escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 23, n. 2, p. 245–260, jun. 2017.

MORRIS, J. Impairment and Disability: Constructing an Ethics of Care That Promotes Human Rights. Hypatia: A Journal of Feminist Philosophy, v. 16, n. 4, p. 1–16, out. 2001.

NEVES-SILVA, P.; PRAIS, F. G.; SILVEIRA, A. M. Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho em Belo Horizonte, Brasil: cenário e perspectiva. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 8, p. 2549–2558, ago. 2015.

NOG. Defining Impairment and Disability. Northern Officer Group (UK), 2010.

NUBILA, H. B. V. Di et al. O papel das Classificações da OMS - CID e CIF nas definições de deficiência e incapacidade. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 11, n. 2, p. 324–335, 2008.

NUERNBERG, A. H. Os estudos sobre deficiência na educação. Educação & Sociedade, v. 36, n. 131, p. 555–558, 2015.

OLIVEIRA, M. A. De; GOULART JÚNIOR, E.; FERNANDES, J. M. Pessoas com deficiência no mercado de trabalho: considerações sobre políticas públicas nos Estados Unidos, União Europeia e Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 15, n. 2, p. 219–232, ago. 2009.

OLIVEIRA, J. M.; ARAÚJO, J. N. G.; ROMAGNOLI, R. C. Dificuldades relativas à inclusão social das pessoas com deficiência no mercado do trabalho. Latin-American Journal of Fundamental Psychopathology on Line, p. 77–89, 2006.

OLIVER, M. The Individual and Social Models of Disability. In: JOINT WORKSHOP OF THE LIVING OPTIONS GROUP AND THE RESEARCH UNIT OF THE ROYAL COLLEGE OF PHYSICIANS, July 23, London. Anais [...]. London: 1990.a. p. 1–7

OLIVER, M. The politics of disablement. London: The Macmillan Press Ltd, 1990.b.

OLIVER, M. Defining impariment and disability: Issues at stake. In: BARNES, C. (Ed.). Exploring the divide. Leeds: The Disability Press, 1996.a.p. 29–54.

OLIVER, M. Understanding Disability - From the theory to practice. London: Palgrave Macmillan, 1996.b.v. 23

OLIVER, M.; BARNES, C. Disability studies, disabled people and the struggle for inclusion. British Journal of Sociology of Education, v. 31, n. 5, p. 547–560, set. 2010.

OLIVER, M.; BARNES, C. The new politics of disablement. London: Palgrave Macmillan, 2012.a.

OLIVER, M.; BARNES, C. Back to the future: the World Report on Disability. Disability & Society, v. 27, n. 4, p. 575–579, jun. 2012.b.

PEREIRA, A. Pode existir inclusão social de pessoas deficientes no mundo do trabalho e da educação capitalista. Revista Educação Especial, n. 32, p. 189–200, 2008.

PEREIRA, R. Diversidade funcional : a diferença e o histórico modelo de homem-padrão. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 16, n. 3, p. 715–728, 2009.

PLAISANCE, E. Da educação especial à educação inclusiva: esclarecendo as palavras para definir as práticas. Educação, v. 38, n. 2, p. 230, 10 nov. 2015.

PONTEROTTO, J. G. Qualitative research in counseling psychology: A primer on research paradigms and philosophy of science. Journal of Counseling Psychology, v. 52, n. 2, p. 126–136, abr. 2005.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa. Análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil Repercussões no campo educacional. 2010. Faculdade de Educação, Universidade de Brasília (Tese de Doutorado), Brasília, 2010.

RIBEIRO, M. A.; CARNEIRO, R. A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 50, p. 545–564, 2009.

SARAIVA, L. L. O.; MELO, F. R. L. V. De. Avaliação e Participação do Fisioterapeuta na Prescrição do Mobiliário Escolar Utilizado por Alunos com Paralisia Cerebral em Escolas Estaduais Públicas da Rede Regular de Ensino. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 17, n. 2, p. 245–262, 2011.

SASSAKI, R. K. Terminologia Sobre Deficiência na era da Inclusão. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), v. 5, n. 24, p. 6–9, 2002.

SASSAKI, R. K. Como chamar as pessoas que têm deficiência? São Paulo: RNR, 2003.

SHAKESPEARE, T. Cultural Representation of Disabled People: Dustbins for disavowal? Disability & Society, v. 9, n. 3, p. 283–299, 1994.

SHAKESPEARE, T. Shakespeare , Tom . “ The Social Model of Disability .” The Disability Studies Reader . In: The Disability Studies Reader. [s.l: s.n.]p. 266–73.

SILVA, J. S. S. da; FERREIRA, W. B. Sombreando a Pessoa com Deficiência: Aplicabilidade da Técnica de Sombreamento na Coleta de Dados em Pesquisa Qualitativa. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 23, n. 2, p. 185–200, jun. 2017.

SIMONELLI, A. P. Contribuições da análise da atividade e do modelo social para a inclusão no trabalho de pessoas com deficiência. 2009. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Engenharia de Produção), São Carlos : UFSCar, São Carlos : UFSCar, 2009.

SUZANO, J. C. C. et al. Análise da produção acadêmica nacional dos últimos 20 anos sobre a inserção da inserção da pessoa portadora de deficiência no mercado de trabalho. In: CARVALHO-FREITAS, M. N.; MARQUES, A. L. (Ed.). Trabalho e pessoas com deficiciência: pesquisas, práticas e instrumentos de diagnóstico. Curitiba: Juruá Psicologia, 2008.2p. 23–41.

TAYLOR, S. J.; BOGDAN, R. On Accepting Relationships between People with Mental Retardation and Non-disabled People : towards an understanding of acceptance. Disability & Society, v. 4, n. 1, p. 37–41, 1989.

UK. Inclusive language: words to use and avoid when writing about disability. UK: Office for Disability Issues Guidance, 2018. Disponível em: https://is.gd/4bja7a.

UN. Convention on the Rights of Persons with Disabilities. 61st Session of the General Assembly: see GA Res. 61/611, 2006.

UNESCO. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Política e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Espanha - Salamanca: Organização das Nações Unidas, nov. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf.

UPIAS. Fundamental Principles of Disability. London: The Disability Alliance, 1976.

VALLE, J. V.; CONNOR, D. J. Ressignificando a deficiência: da abordagem social às práticas inclusivas na escola. Porto Alegre: AMGH Editora Ltda., 2014.

WOLFENSBERGER, W. P. The Principle of Normalization In Human Services. 1972.

YEARWOOD, E. L.; HINES-MARTIN, V. P. Social determinants of mental health. In: Routledge Handbook of Global Mental Health Nursing. London: Routledge, 2016.p. 68–76.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X43112

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________