Reconhecimento de Línguas de Sinais: estudo comparado Brasil-Suécia

Aline Lucia Baggio Montes, Cristina Broglia Feitosa de Lacerda

Resumo


O presente artigo apresenta dados de pesquisa sobre o reconhecimento de línguas de sinais e educação de surdos no Brasil e na Suécia. A análise investigou, na perspectiva comparada, as leis que reconhecem as línguas de sinais em ambos países. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, do tipo documental, com dados de fontes primárias e tendo a análise de conteúdo como principal abordagem. Constatou-se que, na Suécia, o direito de aquisição e uso da língua sueca de sinais, como língua materna, está previsto na lei, e o país contribui efetivamente na criação de condições reais para a sua aquisição pela comunidade surda; as políticas linguísticas regem todo o processo de direito linguístico e de direito de aquisição de língua aos surdos. No Brasil, o direito à aquisição não é previsto em lei e, assim, não estão definidos os caminhos a serem percorridos pelas crianças surdas que almejam a aquisição de sua língua; os debates sobre a Libras sempre estiveram estritamente ligadas aos debates dos direitos da pessoa com deficiência, sendo evidente a dupla categorização dada aos surdos: pessoas com deficiência e membros de grupos minoritários. Após as análises dos textos das leis, pode-se concluir  que o reconhecimento da Libras não garantiu ao surdos brasileiros o direito à aquisição da língua de sinais; e, também, não promoveu a garantia de uma educação bilíngue. Na Suécia, diante do cenário estudado, a lei só reafirmou a prática executada durante longos anos: uma educação em língua de sinais durante toda a idade escolar.


Palavras-chave


Educação comparada; Reconhecimento de línguas de sinais; Brasil e Suécia.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ADAMSON, B. International comparative studies. Teaching and Teacher Education, v. 28, p. 641-648, 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2017.

BAGGA-GUPTA, S. Creating and (Re)negotiating Boundaries: Representations as Mediation in Visually Oriented Multilingual Swedish School Settings. Language, Culture and Curriculum. v. 23, p. 251–76, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

______. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, Diário Oficial da União, 23 dez. 2005.

______. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Lei da Acessibilidade. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 20 dez. 2000, Seção 1, Eletrônico, p. 2.

______. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Lei da Língua Brasileira de Sinais; Lei de Libras (Língua Brasileira de Sinais). Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 25 abr. 2002, Seção 1, p. 23.

______. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, Diário Oficial da União, 7 jul. 2015, Seção 1, p. 2.

DE MEULDER, M. The legal recognition of sign languages. Sign Language Studies. v. 15, n. 4, p. 498-506, 2015.

FERREIRA, A. G. O sentido da educação comparada: uma compreensão sobre a construção de uma identidade. Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 124-138, maio/ago. 2008. Disponível em: . Acesso em 06 nov 2017.

JULIÀ, F. F. La Educación Comparada Actual. Barcelona: Ariel, 2002.

LACERDA, C. B. F.; ALBRES, N. A.; DRAGO, S. L. S. Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. Educação & Pesquisa, São Paulo, v. 39, n.1, p. 65-80, jan./mar. 2013.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

NÓVOA, A. Modelos de análise de educação comparada: o campo e o mapa. In: SOUZA, D. B. de; MARTINEZ, S. A. (Orgs). Educação comparada: rotas de além-mar. SP: Xamã, 2009.

OLIVEIRA, G. M. Plurilinguismo no Brasil: repressão e resistência linguística. Synergies Brésil, n. 7, 2009, p. 19-26.

RODRIGUES, C. H.; QUADROS, R. M. Diferenças e linguagens: a visibilidade dos ganhos surdos na atualidade. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 16, n. 40, 2015.

RODRIGUES, F. S. C. Politicas linguísticas e educacionais envolvendo a Libras (Mesa redonda). COLÓQUIO LÍNGUA, DISCURSO E PODER: AS LÍNGUAS DE SINAIS NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM, 1. São Carlos, Universidade Federal de São Carlos/SP, 2015.

SANTANA, A. P. O. Reflexões neurolingüísticas sobre a surdez. 2003. 312 p. Tese (Doutorado) - Linguística – Instituito de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2003.

SKLIAR, C. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, C. (Orgs). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013. p. 7-32.

SUÉCIA. SFS 1994:1194. Grundskoleförordning. Svensk författningssamling. Utbildningsdepartementet.

______. SFS 1995:479. Nordisk konvention om socialt bistånd och sociala tjänster.

______. SFS 2009:600. Språklag. Svensk författningssamling. Kulturdepartementet.

______. SFS 2009:724. Nationella minoriteter och minoritetsspråk. Svensk författningssamling. Kulturdepartementet.

______. SFS 2010:800. Skollag. Svensk författningssamling. Utbildningsdepartementet.

______. SOU 2006:54. Teckenspråk och teckenspråkiga Översyn av teckenspråkets ställning. Till statsrådet och chefen för ocialdepartementet.

______. SOU 2008:26. Värna språken: förslag till språklag. Betänkande av Språklagsutredningen.

SVARTHOLM, K. 35 anos de Educação Bilíngue de surdos – e então? Educar em Revista, Curitiba, Edição Especial n.2, p. 33-50, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X37656

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________