Intervenção precoce: práticas e representações

Rosa Martins, Patrícia Freitas, Olívia de Carvalho, João Pascoinho

Resumo


Com o objetivo de se conhecer as práticas dos profissionais de Intervenção Precoce (I.P.) e analisar em que medida essas práticas coincidem com as representações das famílias, realizou-se o presente estudo que contou com a participação de uma profissional de I.P. e a mãe de uma criança que beneficia dos serviços prestados por essa mesma profissional. Trata-se de um estudo qualitativo de cariz compreensivo e interpretativo. Foi utilizado como instrumento de colheita de dados a entrevista semiestruturada. Os principais resultados mostram que as práticas dos profissionais de intervenção precoce não se distanciam das representações das famílias sobre essas mesmas práticas, podendo dizer-se, a partir do discurso das práticas e representações, que estamos perante uma profissional de I.P. experiente, com formação adequada, que adota na sua prática o saber-saber, saber-fazer e saber-ser, que centra a sua ação na família. Os resultados são congruentes com uma prática profissional próxima do estipulado pelos normativos portugueses para a Intervenção Precoce. A comunicação entre o profissional e a família é preferencialmente informal e nos discursos do sujeitos não é notória a existência de momentos específicos para tarefas de monitorização e avaliação conjunta do Plano Individual de Intervenção Precoce.


Palavras-chave


Intervenção precoce; Práticas; Representações.

Texto completo:

PDF

Referências


BAILEY, D. et al. Familiy outcomes in early intervention: a framework for program evaluation and efficacy research. Exceptional Children, v. 64, n. 3, p.313-328, 1998.

CARVALHO, O. De pequenino se torce o destino: O valor da intervenção precoce. Porto: Legis Editora, 2011.

DEVANEY, C.l; MCGREGOR, C.; CASSIDY, A. Early Implementation of a Family-Centred Practice Model in Child Welfare: Findings from an Irish Case Study. Practice, Irep. 1-15, jun, 2017.

FERNANDES, D. Impacto da combinação de fatores de risco no desenvolvimento da criança: Estudos de caso em intervenção precoce. Porto: Universidade Portucalense, 2015. 116 p. Tese de mestrado – Mestrado em Educação Especial, área de especialização em Intervenção Precoce, Universidade Portucalense, Porto, 2015.

FERNANDES, P.; SERRANO, A..; BARBA, P. Diálogos sobre a intervenção precoce. Journal of Research in Special Educational Needs, agosto 2016, v.16, p. 373-377. Disponível em: Acesso em: 19 abr. 2017.

GRONITA, J et al. Intervenção precoce: O processo de construção de boas práticas. Sesimbra: Cooperativa TorreGuia, 2011.

MCWILLIAM, P.; WINTON, P.; CRAIS, E. Estratégias práticas para a intervenção centrada na família. Porto: Porto Editora, 2003.

PORTUGAL. Despacho Conjunto nº981/99, de 19 de outubro de 1999. Aprova as orientações reguladoras do apoio integrado a crianças com deficiências ou em risco de atraso grave de desenvolvimento e suas famílias, no âmbito da intervenção precoce constante do anexo ao presente diploma, que dele faz parte integrante. Diário da República. 2ª série, nº244, out. 1999.

PORTUGAL. Decreto-Lei nº281/2009, de 6 de outubro de 2009. Cria o Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância, designado por SNIPI. Diário da República, 1ª série, nº193, out. 2009.

RAFAEL, S.; PISCALHO, I.. A intervenção precoce na infância e o (s) percurso (s) para a inclusão: um estudo de caso. Interacções, Lisboa, v.12, n. 41, p. 51-72, 2016. Disponivel em: < http://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/10835>. Acesso em 13 mai 2017.

SERRANO, A.; PEREIRA, A. Parâmetros recomendados para a qualidade da avaliação em intervenção precoce. Revista Educação Especial, Santa Maria, v.24, n.40, p.163-180, mai/ago. 2011. Disponível em: Acesso em: 17 mai 2017.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X28819

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________