Germinação de sementes e crescimento inicial de plântulas de Tabebuia aurea (Silva Manso) Benth. & Hook f. ex S. Moore.

Mauro Vasconcelos Pacheco, Valderez Pontes Matos, Ana Lícia Patriota Feliciano, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira

Resumo


A Tabebuia aurea (craibeira) é uma espécie arbórea nativa que pode ser utilizada na recomposição de áreas degradadas, como planta ornamental e fornecedora de madeira de boa qualidade. O presente trabalho teve como objetivos avaliar o efeito de diferentes temperaturas e substratos sobre a germinação das sementes e o crescimento inicial de plântulas de Tabebuia aurea. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em arranjo fatorial 5 x 5 (cinco substratos: papel toalha, areia, vermiculita, pó de coco e Tropstrato®; cinco temperaturas: 25, 30, 35, 20-30 e 20-35ºC), com quatro repetições de 25 sementes cada. Foram avaliados os seguintes parâmetros: germinação, primeira contagem da germinação, índice de velocidade de germinação, tempo médio de germinação, comprimento e massa seca da parte aérea e do sistema radicial. As temperaturas e substratos influenciaram as características avaliadas, exceto a avaliação final da germinação, a qual variou entre 84 e 94%. As temperaturas ótimas de germinação foram 30 e 35ºC. Os substratos papel toalha e entre areia foram mais adequados para avaliação segura da qualidade fisiológica de sementes de Tabebuia aurea.


Palavras-chave


sementes florestais; temperatura; substrato; vigor.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. C. S.; LOUREIRO, M. B.; SOUZA, A. D. O.; RAMOS, F. N.; CRUZ, A. P. M. Reavaliação do efeito do substrato e da temperatura na germinação de sementes de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.). Revista Árvore, Viçosa, v. 23, n. 3, p. 279-283, 1999.

BARBOSA, J. G.; ALVARENGA, E. M.; DIAS, D. C. F. S.; VIEIRA, A. N. Efeito da escarificação ácida e de diferentes temperaturas na qualidade fisiológica de sementes de Strelitzia reginae. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 27, n. 1, p. 71-77, 2005.

BARBOSA, M. D. Efeito do armazenamento na germinação e vigor de sementes de craibeira – Tabebuia aurea (Manso) Benth. & Hook. 2004. 50f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2004.

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York: Plenum Press, 1994. 445p.

BEZERRA, A. M. E.; MOMENTÉ, V. G.; ARAÚJO, E. C.; FILHO, S. M. Germinação e desenvolvimento de plântulas de melão-de-são-caetano em diferentes ambientes e substratos. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 33, n. 1, p. 39-44, 2002.

BILIA, D. A. C.; BARBEDO, C. J.; MALUF, A. M. Germinação de diásporos de canela (Ocotea corymbosa (Meissn.) Mez - Lauraceae) em função da temperatura, do substrato e da dormência. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 20, n. 1, p. 189-194, 1998.

BORGES, E. E. L.; RENA, A. B. Germinação de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M. e FIGLIOLIA, M. B. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p.83-135.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 1992. 365p.

CABRAL, E. L.; BARBOSA, D. C. A.; SIMABUKURO, E. A. Armazenamento e germinação de sementes de Tabebuia aurea (Manso) Benth. & Hook. f. ex. S. Moore. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 609-617, 2003.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: EMBRAPA FLORESTAS (Informação Tecnológica), 2003. 1040p.

FERREIRA, A. G.; CASSOL, B.; ROSA, S. G. T.; SILVEIRA, T. S.; STIVAL, A. L.; SILVA, A. A. Germinação de sementes de Asteraceae nativas no Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 231-242, 2001.

FIGLIOLIA, M. B.; OLIVEIRA, E. C.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M. Análise de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p.137-174.

FREITAS, N. P. Análise do efeito da luz na germinação de sementes de Tibouchina pulchra Cogn. e Tibouchina sellowiana Cogn. (Melastomataceae). 1998. 88f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1998.

GODOI, S.; TAKAKI, M. Effects of light and temperature on seed germinatin in Cecropia hololeuca Miq. (Cecropiaceae). Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v.47, n.2, p.185-191, 2004.

ISTA (INTERNATIONAL SEED TESTING ASSOCIATION). Handbook of vigour test methods. Zurich: ISTA, 1995. 117p.

LOPES, J. C.; PEREIRA, M. D.; MARTINS-FILHO, S. Germinação de sementes de calabura (Mutingia calabura L.). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 24, n. 1, p. 59-66, 2002.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2.ed. Nova Odessa: Editora Plantarum, 1998. 352p.

MACHADO, C. F.; OLIVEIRA, J. A.; DAVIDE, A.C.; GUIMARÃES, R.M. Metodologia para a condução do teste de germinação em sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia (Vahl) Nicholson). Cerne, Lavras, v.8, n.2, p.17-25, 2002.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Testes de vigor: importância e utilização. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Eds.) Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p. 1.1-1.21.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq: 2005.495p.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Eds.) Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p. 2.1-2.24.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 5. ed. Brasília: AGIPLAN, 1985. 289p.

RAMOS, M. B. P.; VARELA, V. P.; MELO, M. F. F. Influência da temperatura e da água sobre a germinação de sementes de paricá (Schizolobium amazonicum Huber ex Ducke – Leguminosae-Caesalpinioidae). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.28, n.1, p.163-168, 2006.

ROBERT, R.J. The role of temperature in germination ecophysiology. In: FENNER, M. Seeds: the ecology of regeneration in plants communities. Wallingford: CABI, 1992. p.285-325.

ROSA, S. G. T.; FERREIRA, A. G. Germinação de sementes de plantas medicinais lenhosas. Acta Botânica Brasilica, São Paulo, v.15, n.2, p.147-154, 2001.

SANTOS, D. L.; SUGAHARA, V. Y.; TAKAKI, M. Efeitos da luz e da temperatura na germinação de sementes de Tabebuia serratifolia (Vahl) Nich., Tabebuia chrysotricha (Mart ex DC.) Standl. e Tabebuia roseo-alba (Ridl) Sand – Bignoniaceae. Ciência Florestal, Santa Maria, v.15, n.1, p.87-92, 2005.

SILVA, J. B.; NAKAGAWA, J. Estudos de fórmulas para cálculo de velocidade de germinação. Informativo ABRATES, Brasília, v. 5, n. 1, p. 62-73, 1995.

SILVA, L. M. M.; RODRIGUES, T. J. D.; AGUIAR, I. B. Efeito da luz e da temperatura na germinação de sementes de aroeira (Myracrodruon urundeuva Allemão). Revista Árvore, Viçosa, v.26, n.6, p.691-697, 2002.

TONETTI, O. A. O.; DAVIDE, A. C.; SILVA, E. A. A. Qualidade física e fisiológica de sementes de Eremanthus erythropappus (Dc.) Mac. Leish. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.28, n.1, p.114-121, 2006.

TOWNSEND, C. E.; MACGINNIES, W. J. Mechanical scarification of cicer milkvetch (Astragalus cicer L.). Seed and Crop Science, Madison, v.12, n.1, p.392-394, 1972.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098452

Licença Creative Commons