Regeneração natural avançada de espécies arbóreas nativas no sub-bosque de povoamentos de Eucalyptus saligna Smith., na zona da mata sul de Pernambuco

Antonia Lidiane de Alencar, Luiz Carlos Marangon, Ana Lícia Patriota Feliciano, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira, Lucineide de Jesus Teixeira

Resumo


A capacidade de regeneração natural de espécies nativas em situações de competição com árvores de plantios florestais pode ser considerado um fator de grande valor para a manutenção da diversidade. Diante disso, o presente estudo avaliou a regeneração natural de espécies nativas no sub-bosque de um povoamento de Eucalyptus saligna Smith., localizado na Reserva Biológica de Saltinho, PE. Para a análise da estimativa da regeneração natural das espécies arbóreas foram selecionados três talhões de Eucalyptus saligna Smith. Em cada um deles, foram implantadas parcelas de 1,0 x 50 m, sendo uma na extremidade do talhão e as outras distanciando 10 m de uma da outra, totalizando dez subunidades. As análises foram estabelecidas, com base no nível de inclusão das espécies arbóreas em regeneração natural com Circunferência do Caule a Altura de 30 cm do solo - (CAB0,30m) ≤ 15 cm, e as classes de alturas foram assim distribuídas: Classe 1 com indivíduos arbóreos com altura (H) 1,0 ≤ H ≤ 2,0, a Classe 2 com altura (H), 2 < H ≤ 3 e a Classe 3 com altura (H) >3,0 m. Para avaliar a diversidade florística a nível de espécie utilizou-se o índice de Shannon (H´). No total, foram amostrados 302 indíviduos vivos, pertencentes a 23 famílias botânicas, 31 gêneros e 39 espécies. Analisando-se os resultados obtidos pode-se concluir que o eucalipto possibilita a regeneração de espécies nativas no sub-bosque, contudo, a composição florística depende também de características edáficas e da proximidade de fontes de propágulos.


Palavras-chave


regeneração natural; Floresta Ombrófila Densa; <i>Eucalyptus saligna</i>

Texto completo:

PDF

Referências


AIDE, T. M. et al. Forest regeneration in a chronosequence of tropical abondonded pastures implications for restoration ecology. Restoration Ecology, Malden, v. 8,n. 4,p. 328-338, Dec. 2000.

AUBERT, E. et al. Análise multivariada da estrututa fitossociológica do sub-bosque de plantios experimentais de Eucalyptus sp. e Pinus sp., em Lavras, MG, Revista Árvore, Viçosa, v. 18, n.3, p. 194- 214. 1994.

CALEGÁRIO, N. Parâmetros florísticos e fitossociológicos da regeneração natural de espécies arbóreas nativas no subbosque de povoamentos de Eucalyptus, no município de Belo Oriente, MG. 1993. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1993.

CRONQUIST, A. The evolution and classification of flowering plants. New York: New York Botanical Garden, 1988. 555 p.

CIENTEC. Software Mata Nativa: manual do usuário. Viçosa: CIENTEC, 2001.131 p.

DIAS, A. C. Composição florística, fitossociologica e diversidade de espécies arbóreas e comparação de métodos de amostragem na Floresta Ombrófila Densa do Parque Estadual Carlos Botelho – SP, Brasil. 2005. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, São Paulo, 2005.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Brasília: Departamento de Engenharia Florestal da Universidade de Brasília - UnB, 2003. 68 p.

FINOL, U. H. Nuevos parâmetros a considerarse en el analisis estrutural de las selvas virgenes tropicalis. Revista Forestal Venezolana, Mérida, v. 18, n. 12, p. 29-42. 1971.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Resumo executivo do plano de manejo da Reserva Biológica de Saltinho, fase 2. Brasília: IBAMA, 2003. 25 p.

IWAKIRI, S. et al. Avaliação da influência de diferentes composições de lâminas em compensados estruturais de Pinus elliottii e Eucalyptus saligna. Cerne, Lavras, v. 6, n. 2, p. 19-24. 2000.

MARANGON, L. C. Florística e fitossociologia de área de floresta estacional semidecidual visando dinâmica de espécies florestais arbóreas no município de Viçosa – MG. 1999. 139 f. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 1999.

MOUCHIUTTI, S. et al. Fitossociologia dos estratos arbóreo e de regeneração natural em um povoamento de acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.) na região da Floresta Estacional Semidecidual do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 2, p. 207-222, abr./jun. 2008.

NERI, A. V. et al. Regeneração de espécies nativas lenhosas sob plantio de Eucalyptus em área de cerrado na Floresta Nacional de Paraopeba, MG, Brasil. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 369-376, Oct. 2005.

REZENDE, M. L. et al. Regeneração natural de espécies florestais nativas em sub-bosque de Eucalyptus grandis e mata secundária no município de Viçosa, Zona da Mata - MG, Brasil. In: SIMPÓSIO SUL - AMERICANO, 1., SIMPÓSIO NACIONAL DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 2., 1994, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu, PR. Curitiba: FUPEP, 1994. p. 409-418.

RODRIGUES, R. R.; MARTINS, S. V.; BARROS, L. C. Tropical rain forest regeneration in na area degraded by mining, in Mato Grosso State, Brazil. Forest Ecology and Management, London, v. 190, p. 323-333, Oct. 2004.

SARTORI, M. S. et al. Regeneração da vegetação arbórea nativa no sub-bosque de um povoamento de Eucalyptus saligna Smith. localizado no Estado de São Paulo. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 62, p. 86-103,dez. 2002.

SILVA, W. C. et. al. Estudo da Regeneração Natural de Espécies Arbóreas em Fragmento de Floresta Ombrófila Densa, Mata das Galinhas, no Município de Catende, Zona da Mata Sul de Pernambuco. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 4, p. 321-331, out./dez. 2007.

SILVA JÚNIOR, M. C.; et al. Regeneration of na Atlantic Forest formation in the understorey of a Eucalyptus grandis plantation in south-eastern Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 11, p. 147-152. 1995.

SCHUMACHER, M. V. et al. Retorno de nutrients via deposição de serapilheira em um povoamento de acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.) no Estado do Rio Grande do Sul. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 6, p.791-798, nov./dez. 2003.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A Regeneração de uma Floresta Tropical Montana após corte e queima (São Paulo-Brasil). Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, v. 59, n. 2, p. 239-250, jun. 1999.

TABARELLI, M. et al. Colonização de clareiras naturais na floresta Atlântica no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, v. 20, p. 57-66. 1997.

TUBINI, R. Comparação entre regeneração de espécies nativas em plantios abandonados de Eucalyptus saligna Smith. e em Fragmento de Floresta Ombrófila Densa em São Bernardo do Campo/SP. 2006. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Agroecossistemas)-Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, São Paulo, 2006.

UHL, C. et al. Abandoned pastures in Eastern Amazônia I. Patterns of plant sucession. The Journal of Ecology. Oxford, n, 76, p. 663-681. 2006.

VOLPATO, M. M. L. Regeneração natural em uma floresta secundária no domínio de Mata Atlântica: uma análise fitossociológica. 1994. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1994.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050983218

Licença Creative Commons