FENOLOGIA DE Poincianella pyramidalis (TUL.) L. P. QUEIROZ E SUA RELAÇÃO COM A DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Cosmo Rufino de Lima, Riselane de Lucena Alcântara Bruno, Alberício Pereira de Andrade, Mauro Vasconcelos Pacheco, Zelma Glebya Maciel Quirino, Katiane da Rosa Gomes da Silva, Karialane da Silva Belarmino

Resumo


A região Semiárida brasileira tem como característica marcante a alta irregularidade da distribuição da precipitação pluvial no espaço e no tempo, com duas estações marcantes, a estação chuvosa, correspondente a um período curto com precipitações pluviais, erráticas e de intensidade muito variável, e a estação seca, período crítico, em geral, de prolongada estiagem, quando as espécies da Caatinga expressam sua fisionomia mais marcante, a caducifolia. As espécies vegetais, nestas condições, apresentam dinâmica de crescimento e desenvolvimento em consonância com os eventos de chuvas. Assim, o objetivo deste estudo foi caracterizar as fenofases de Poincianella pyramidalis e sua relação com a distribuição temporal da precipitação pluvial, que se dá em forma de pulsos. Para o acompanhamento fenológico, 32 indivíduos arbóreos foram selecionados, marcados e monitorados quinzenalmente, na Fazenda Açude, município de Soledade-PB. Para quantificar os eventos fenológicos, foram usados o percentual de intensidade de Fournier e o índice de atividade, registrando-se a presença e ausência das fenofases: brotamento, botão floral, floração (antese), frutificação e senescência, cujos dados foram relacionados com os pulsos e interpulsos de precipitação. Constata-se que as fenofases, brotamento, botões florais e floração em Poincianella pyramidalis se dão em sincronia com a distribuição temporal dos pulsos de precipitação pluvial na área de sua ocorrência. A intensidade e duração das fenofases do desenvolvimento em Poincianella pyramidalis dependem da amplitude e frequência dos pulsos de precipitação ao longo da estação chuvosa. A senescência total das folhas em Poincianella pyramidalisacontece quando os interpulsos de precipitação pluvial se intensificam à medida que avança a estação seca, caracterizando a caducifolia.

 


Palavras-chave


catingueira; estádio de desenvolvimento; sazonalidade; semiárido.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


AMORIM, I. L.; SAMPAIO, E. V. S. B.; ARAÚJO, E. L. Fenologia de espécies lenhosas da Caatinga do Seridó, RN. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 3, p. 491-499, 2009.

ANDRADE, A. P. et al. A Caatinga no Contexto da Variabilidade Sazonal da Disponibilidade de Forragem. In: ALENCAR, G. S. S.; GUERRA, I. (Org.). Diversidade do saber científico: reflexões sobre ciência, saúde e esporte. 1. ed. Juazeiro do Norte: IFCE, 2013. p. 17-46.

ANDRADE, A. P. et al. Produção animal no bioma caatinga: paradigmas dos pulsos de precipitação. In: REUNIÃO ANUAL DA SBZ, 43., 2006, João Pessoa. Anais... João Pessoa: SBZ; UFPB, 2006. p. 138-155.

ARAÚJO, V. C. Fenologia de essências florestais amazônicas I. Boletim do Instituto de Pesquisas da Amazônia, Manaus, v. 4, p. 1-25, 1970.

BARBOSA, D. C. A.; BARBOSA, M. C. A.; LIMA, L. C. M. Fenologia de espécies lenhosas da Caatinga. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: UFRPE, 2003. 822 p.

BORCHERT, R. Soil and stem water storage determine phenology and distribution of tropical dry forest trees. Ecology, New York, v. 75, p. 1437-1449, 1994.

BORCHERT, R.; RIVERA, G. Photoperiodic control of seasonal development and dormancy in tropical stem-succulent trees. Tree Physiology, Canada, v. 21, n. 4, p. 213-221, 2001.

BORCHERT, R.; RIVERA, G.; HAGNAUER, W. Modification of vegetative phenology in a tropical semi-deciduous forest by abnormal drought and rain. Biotropica, Lawrence, v. 34, n. 1, p. 27-39, 2002.

CHAVES, L. H. G. et al. Salinidade das águas superficiais e suas relações com a natureza dos solos na Bacia Escola do Açude Namorado e diagnóstico do uso e degradação das terras. Relatório Técnico. Campina Grande: [s. n.], 2002.

DRUMOND, M. A. Caatinga: bioma rico em diversidade. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, n. 389, p. 13-17, 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2013.

ÉDER-SILVA, E. Fitossociologia, regeneração e qualidade de sementes em áreas de caatinga. 2009. 237 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2009.

FOURNIER, L. A. Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas en árboles. Turrialba, Turrialba v. 24, p. 422-423, 1974.

FOURNIER, L. A.; SALAS, S. Algumas observaciones sobre la dinamica de la floracion en el bosque humedo de Villa Collon. Revista de Biología Tropical, Costa Rica, v. 14, n. 1, p. 75-85, 1966.

GRIZ, L. M. S.; MACHADO, I. C. S. Fruiting phenology and seed dispersal syndromes in caatinga, a tropical dry forest in the northeast of Brazil. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 17, n. 2, p. 303-321, 2001.

JANZEN, D. H. Synchronization of sexual reproduction of trees within the dry season in Central America. Evolution, Boulder, v. 21, n. 3, p. 620-637, 1967.

JOLLY, W. M.; RUNNING, S. W. Effects of precipitation and soil water potential on drought deciduous phenology in the Kalahari. Global Change Biology, Oxford, v. 10, n. 3, p. 303-308, 2004.

JUSTINIANO, M. J.; FREDERICKSEN, T. S. Phenology of tree species in Bolivian dry forests. Biotropica, Washington, v. 32, n. 2, p. 276-281, 2000.

LEAL, I. R.; PERINI, M. A.; CASTRO, C. C. Estudo Fenológico de Espécies de Euphorbiaceae em uma Área de Caatinga. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 8., Caxambu. Anais... [s. l.: s. n.], 2007.

LEITE, A. V. L.; MACHADO, I. C. Biologia reprodutiva da "catingueira" (Caesalpinia pyramidalis Tul., Leguminosae-Caesalpinioideae), uma espécie endêmica da Caatinga. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 79-88, 2009.

LEITE, A. V. L.; MACHADO, I. C. Reproductive biology of woody species in Caatinga, a dry forest of northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, Devon, v. 74, p. 1374-1380, 2010.

LESICA, P.; KITTELSON, P. M. Precipitation and temperature are associated with advanced flowering phenology in a semi-arid grassland. Journal of Arid Environments, Devon, v. 74, n. 9, p. 1013-1017, 2010.

LIEBERMAN, D.; LIEBERMAN, M. The causes and consequences of synchronous flushing in a dry tropical forest. Biotropica, Washington, v. 16, p. 193-201, 1982.

LIMA, A. L. A.; RODAL, M. J. N. Phenology and Wood density of plants growing in the semi-arid region of northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, Devon, v. 74, p. 1363-1373, 2010.

LOIK, M. E. et al. A multi-scale perspective of water pulses in dryland ecosystems: climatology and ecohydrology of the western USA. Oecologia, New York, v. 141, n. 2, p. 269-281, 2004.

MACHADO, I. C. S.; BARROS, L. M.; SAMPAIO, E. V. S. B. Phenology of Caatinga Species at Serra Talhada, PE, Northeastern Brazil. Biotropica, Washington, v. 29, n. 1, p. 57-68, 1997.

MAIA, G. N. Catingueira. In: MAIA, G. N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: Leitura e Arte, 2004. p. 159-169.

MANTOVANI, W.; MARTINS, F. R. Variações fenológicas das espécies do cerrado da Reserva Biológica de Moji Guaçu, estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 11, p. 101-112, 1988.

MARKESTEIJN, L.; POORTER, L. Seedling root morphology and biomass allocation of 62 tropical tree species in relation to drought- and shade-tolerance. Journal of Ecology, Oxford, v. 97, n. 2, p. 311-325, 2009.

MENEZES, R. S. C.; GARRIDO, M. S.; PEREZ, M. A. M. Fertilidade dos solos no semi-árido. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 30., 2005, Recife. Anais... Recife: SBCS, 2005. CD-ROM.

MORELLATO, L. P. C. et al. Estratégias fenológicas de espécies arbóreas em floresta de altitude na Serra do Japi, Jundiaí, São Paulo. Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, v. 50, n. 1, p. 149-62, 1990.

NEVES, E. L.; FUNCH, L. S.; VIANA, B. F. Comportamento fenológico de três espécies de Jatropha (Euphorbiaceae) da Caatinga, semi-árido do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 155-166, 2010.

NOGUEIRA, F. C. B. et al. Fenologia de Dalbergia cearensis Ducke (fabaceae) em um fragmento de floresta estacional, no Semiárido do nordeste, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 4, p. 657-667, 2013.

NOY-MEIR. Desert Ecosystems: Environment and Producers. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 4, p. 25-51, 1973.

OLIVEIRA, M. I. B.; SIGRIST, M. R. Fenologia reprodutiva, polinização e reprodução de Dipteryx alata Vogel (Leguminosae-Papilionoideae) em Mato Grosso do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 195-207, 2008.

PARENTE, H. N. et al. Influência do pastejo e da precipitação sobre a fenologia de quatro espécies em área de Caatinga. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 3, p. 411-421, 2012.

PEDRONI, F.; MARYLAND, S.; SANTOS, F. A. M. Fenologia da copaíba (Copaifera langsdorffii Desf. - Leguminosae, Caesalpinioideae) em uma floresta semidecídua no sudoeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 183-194, 2002.

QUIRINO, Z. G. M. Fenologia, síndromes de polinização e dispersão e recursos florais de uma comunidade de caatinga no Cariri paraibano. 117 f. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

RAMIREZ, N. Reproductive phenology, life-forms, and habitats of the Venezuelan Central Plain. American Journal of Botany, Columbus, v. 89, p. 836-842, 2002.

REICH, P. B.; BORCHERT, R. Water stress and tree phenology in a tropical dry forest in the lowlands of Costa Rica. Journal of Ecology, Oxford, v. 72, n. 1, p. 61-74, 1984.

RIVERA, G. et al. Increasing day-length induces spring flushing of tropical dry forest trees in the absence of rain. Trees - Structure and Function, Berlin, v. 16, n. 7, p. 445-456, 2002.

RUBIM, P.; NASCIMENTO, H. E. M.; MORELLATO, L. P. C. Variações interanuais na fenologia de uma comunidade arbórea de floresta semidecídua no sudeste do Brasil. Acta Botânica Brasílica, Feira de Santana, v. 24, n. 3, p. 756-764, 2010.

SALVAT, A. et al. Antimicrobial activity in methanolic extracts of several plant species from northern Argentina. Phytomedicine, Jena, v. 11, p. 230-234, 2004.

SANTOS, M. J.; MACHADO, I. C.; LOPES, A. V. Biologia reprodutiva de duas espécies de Jatropha L. (Euphorbiaceae) em Caatinga, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, p. 361-373, 2005.

SILVA, L. B. et al. Anatomia e densidade básica da madeira de Caesalpinia pyramidalis Tul. (Fabaceae), espécie endêmica da caatinga do Nordeste do Brasil. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 436-445, 2009.

SINGH, K. P.; KUSHWAHA, C. P. Emerging paradigms of tree phenology in dry tropics. Current Science, India, v. 89, n. 6, p. 964-975, 2005.

SOUSA, D. M. M. Fenologia, avaliação do tubo polínico e maturação de frutos e sementes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz. 2011. 123 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2011.

TELES, M. M. F. Cobertura vegetal do município de São João do Cariri- PB: distribuição espacial da caatinga: uso de lenha como fonte de energia. 2005. 62 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2005.

VAN SHAICK, C. P.; TERBORGH, J. W.; WRIGHT, S. J. The phenology of tropical forest: adaptive significance and consequences for primary consumers. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 24, p. 353-377, 1993.

WILLIAMS, R. J. et al. Reproductive phenology of woody species in a North Australian Tropical Savanna. Biotropica, Lawrence, v. 31, n. 4, p. 626-636, 1999.

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. Prentice-Hall: New Jersey, 1996. 662 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509833387

Licença Creative Commons