Dormência de sementes e produção de mudas de Dimorphandra mollis Benth.

Mauro Vasconcelos Pacheco, Vilmar Luciano Mattei, Valderez Pontes Matos, Lúcia Helena de Moura Sena, Anna Gorett de Figueiredo Almeida Sales

Resumo


Dimorphandra mollis Benth. é uma espécie florestal nativa, encontrada nos biomas Cerrado e Caatinga, de grande importância em função de sua utilidade econômica e ecológica, o que justifica a existência de programas de produção de mudas. Este trabalho teve por objetivo estudar metodologias eficientes para superação da dormência das sementes e avaliar, em viveiro florestal, os efeitos de diferentes substratos e da fertilização sobre o crescimento inicial das mudas. Foram realizados os seguintes tratamentos para superação de dormência: T1 - testemunha (sementes sem escarificação); T2 - escarificação manual com lixa no50; T3 - imersão em água a 80°C e (T4) a 100ºC até atingir a temperatura ambiente; T5 - fervura em água a 100ºC durante 10, (T6) 30 e (T7) 60 segundos; T8 - escarificação química com ácido sulfúrico durante 20, (T9) 30 e (T10) 40 minutos. Para a produção de mudas, o delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 4 x 2 (quatro substratos: Tropstrato® puro, e os demais: Tropstrato®, pó de coco e vermiculita com composto orgânico; sem e com fertilização). Os melhores resultados para a superação da dormência são obtidos com a escarificação manual com lixa para metal nº50 ou fervura em água durante 10 segundos. O pó de coco e a vermiculita, combinados com composto orgânico, são bons substratos para produção de mudas de Dimorphandra mollis.


Palavras-chave


sementes florestais; germinação; crescimento inicial; fertilização

Texto completo:

PDF

Referências


ADEODATO, S. De olho no Cerrado. Disponível em : <(http://epoca.globo.com/edic/19980810/)>. Acesso em: 16 de junho de 2008.

ALVES, E. U. et al. Ácido sulfúrico na superação da dormência de unidades de dispersão de juazeiro (Zizyphus joazeiro Mart.). Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 187-195, 2006.

ALVES, E. U. et al. Dormência e desenvolvimento de sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia Benth.). Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 5, p. 655-662, 2004.

ALVES, E. U. et al. Superação da dormência em sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, n. 3, p. 405-415, 2007.

ARTUR, A. G. et al. Esterco bovino e calagem para formação de mudas de guanandi. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 42, n. 6, p. 843-850, 2007.

BARBOSA, J. G. et al. Efeito da escarificação ácida e de diferentes temperaturas na qualidade fisiológica de sementes de Strelitzia reginae. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 27, n. 1, p. 71-77, 2005.

BONNEAU, X. et al. Nutrition minérale des cocotiers hybrides sur tourbe de la pépinière à l’entrée en production. Oléagineux, Paris, v. 48, p. 9-26, 1993.

BRASIL, Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para Análise de sementes. Brasília: SNDP/DNDV/CLAV, 2009, 395 p.

CARVALHO FILHO, J. L. S. et al. Produção de mudas de angelim (Andira fraxinifolia Benth.) em diferentes ambientes, recipientes e substratos. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 35, p. 61-67, 2004.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.

CHARLO, H. C. O. et al. Aspectos morfológicos, germinação e desenvolvimento inicial de plântulas de Archontophoenix alexandrae (F. Mueller) H. Wendl. E Drude (Arecaceae) em diferentes substratos. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 6, p. 933-940, 2006.

DAVIDE, A. C.; SILVA, E. A. A. Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: Ed. UFLA, 2008. 174 p.

DE BOOTH, M.; VERDONCK, O. Physical propreties of the substrates in horticulture. Acta Horticulturae, Wageningen, v. 26, p. 37-44, 1972.

FONSECA, C. E. L. et al. Recuperação da vegetação de matas de galeria: estudos de caso no Distrito Federal e entorno. In: RIBEIRO, J. F.; FONSECA, C. E. L.; SOUZA-SILVA, J. C. Caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina: Embrapa Cerrados. 2001. p. 815-870.

GOMES, J. M. et al. Crescimento de mudas de Eucalyptus grandis em diferentes tamanhos de tubetes e fertilização N-P-K. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 2, p. 113-127, 2003.

GONÇALVES, J. L. M. et al. Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. In: GONÇALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 309-350.

LACERDA, M. R. B. et al. Características físicas e químicas de substratos à base de pó de coco e resíduo de sisal para produção de mudas de sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia Benth.). Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 163-170, 2006.

LIMA, L. S. H. et al. Crescimento de mudas de Euterpe edulis Martius em resposta a diferentes doses de fósforo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 4, p. 461-470, 2008.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 384 p. v.1.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962.

MARQUES, V. B. et al. Efeito de fontes e doses de nitrogênio sobre o crescimento inicial e qualidade de mudas de jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. ex Benth. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 5, p.725-735, 2006.

MEDEIROS FILHO, S.; FRANÇA, E. A.; INNECCO, R. Germinação de sementes de Operculina macrocarpa (L.) Farwel e Operculina alata (Ham.) Urban. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 24, n. 2, p. 102-107, 2002.

MELO, R. R.; RODOLFO JÚNIOR, F. Superação de dormência em sementes e desenvolvimento inicial de canafístula (Cassia grandis L. f.). Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, Garça, v. 4, n. 7, 2006.

MINER, J.A. Substratos: propriedades y caracterizacion. Madri: Mundi Prensa, 1994. 172 p.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p. 2.1-2.24.

NEVES, C. S. V. J. et al. Efeitos de substratos e recipientes utilizados na produção das mudas sobre a arquitetura do sistema radicular de árvores de acácia-negra. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 6, p. 897-905, 2005.

PACHECO, M. V. et al. Germination and vigor of Dimorphandra mollis Benth. seeds under different temperatures and substrates. Revista Árvore, v. 34, n. 2, p. 205-213, 2010.

RODRIGUES, C. A. G. et al. Arborização urbana e produção de mudas de essências florestais nativas em Corumbá, MS. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2002. 26 p.

ROLSTON, M. P. Water impermeable seed dormancy. The Botanical Review, New York, v. 44, n. 3, p. 365-396, 1978.

SANTARELLI, E. G. Produção de mudas de espécies nativas. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FILHO, H.F. Matas ciliares: conservação e recuperação. 3. ed. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2004. p. 313-318.

ZAIDAN, L. B. P.; BARBEDO, C. J. Quebra de dormência em sementes. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 135-146.

ZPEVAK, F. A. Efeitos do ácido abscísico, potencial hídrico, temperatura e tratamentos para quebra de dormência na germinação de sementes de Dimorphandra mollis Benth. 1994. 96 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais)–Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 1994.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050984513

Licença Creative Commons