Morfologia do fruto, semente e plântula de Eschweilera ovata (Cambess.) Miers

Rute Gregório de Oliveira, Valderez Pontes Matos, Hian de Assis Monteiro, Anna Gorett de Figueiredo Almeida Sales, Lúcia Helena de Moura Sena

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985744

O estudo morfológico de sementes e plântulas, com o objetivo de obter um maior conhecimento de suas estruturas, além de fornecer informações sobre a germinação, viabilidade, armazenamento e métodos de semeadura, auxilia a análise do ciclo vegetativo das espécies, fornecendo informações relativas à identificação. O principal objetivo deste trabalho foi desenvolver metodologia de identificação morfológica de frutos, sementes e plântulas de imbiriba (Eschweilera ovata (Cambess.) Miers), por meio de descrições e ilustrações das características morfológicas externas e internas. Os frutos e as sementes foram colhidos no Parque Estadual de Dois Irmãos, no município de Recife-PE e conduzidos em sacos de polietileno para o Laboratório de Sementes do Departamento de Agronomia da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Foi realizada caracterização morfológica dos frutos, sementes e plântulas, sendo tomadas as medidas de comprimento e largura. A descrição foi feita com auxílio do microscópio estereoscópico binocular. As sementes foram desinfestadas com solução de hipoclorito de sódio a 5% durante cinco minutos e semeadas em substrato sobre vermiculita, esterilizado e umedecido com solução de nistatina a 0,2%. Constatou-se que os frutos constituem-se em um pixídio, fruto seco, em forma de sino. As sementes de imbiriba apresentam arilo funicular lateral e endosperma abundante, possuem germinação hipógea, sendo a plântula classificada como criptocotiledonar, ocorrendo poliembrionia em torno de 4%.

Palavras-chave


imbiriba; espécie florestal nativa; desenvolvimento pós-seminal

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/198050985744

Licença Creative Commons