Banco de sementes do solo após 25 anos do plantio de leguminosas arbóreas em área de empréstimo – Seropédica, RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509847031

Palavras-chave:

Revegetação, Recuperação de áreas degradadas, Sucessão ecológica

Resumo

Em áreas degradadas pela remoção de horizontes superficiais do solo, como as áreas de empréstimo, poucas são as espécies vegetais capazes de se desenvolver sem a aplicação de elevadas doses de fertilizantes. As plantas da família Leguminosae, fixadoras de nitrogênio, estão entre essas poucas, visto que possibilitam rápida cobertura do solo e a estruturação do ambiente para um avanço sucessional. Em 1989, no campo experimental da Embrapa Agrobiologia, Seropédica – RJ, realizou-se a revegetação de uma área de empréstimo de argila, com espécies dessa família, noduladas e micorrizadas. Após 25 anos do plantio, avaliaram-se a fertilidade, o estoque de serrapilheira e o banco de sementes do solo, com ênfase nas espécies não arbóreas. O uso de leguminosas arbóreas mostrou-se eficaz, depositando elevada quantidade de serrapilheira e assim melhorando a fertilidade do solo, o que acarretou a ativação dos mecanismos de sucessão natural. Foram identificados no banco de sementes do solo 37 espécies/morfotipos de 16 famílias. Desse total, 25 eram não arbóreas, sendo 16 nativas e 9 naturalizadas. O estudo leva a uma reflexão sobre a necessidade de se dar mais importância a outras guildas da floresta, em projetos de restauração, mesmo considerando o sucesso das leguminosas arbóreas na catálise do processo de sucessão ecológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Estefânia Maria Justo Arêas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Estudante do Curso de Ciências Biológicas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rua São Francisco Xavier, 524, 1 – Bloco F – Sala 1096, CEP 20550-900, Maracanã, Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Pedro Miguel Justo Arêas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ

Agrônomo, mestrando do curso de Agronomia - Fitotecnia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, BR 465, Km 7, CEP 23890-000, Seropédica (RJ), Brasil.

Eduardo Francia Carneiro Campello, Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia, Seropédica, RJ

Engenheiro Florestal, Dr., Pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia, BR 465, Km 7, CEP 23890-000, Seropédica (RJ), Brasil.

Alexander Silva de Resende, Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia, Seropédica, RJ

Engenheiro Florestal, Dr., Pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia, BR 465, Km 7, CEP 23890-000, Seropédica (RJ), Brasil.

Referências

ALMEIDA, D. S. Alguns princípios de sucessão natural aplicados ao processo de recuperação. In: ALMEIDA, D. S. Recuperação ambiental da Mata Atlântica. 3. ed. Ilhéus, BA: Editus, 2016. 200 p.

AMARAL, L. de P. et al. Variabilidade espacial do índice de diversidade de Shannon – Wiener em Floresta Ombrófila Mista. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 41, n. 97, p. 83-93, mar. 2013.

BATISTA NETO, J. P. et al. Banco de sementes do solo de uma Floresta Estacional Semidecidual, em Viçosa, Minas Gerais. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 4, p. 311-320, 2007.

CIELO-FILHO, R.; SOUZA, J. A. D. de. Assessing passive restoration of an Atlantic Forest site following a Cupressus lusitanica Mill. plantation clearcutting. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 2, p. 475-488, 2016.

CORREIA, G. G. S.; MARTINS, S. V. Banco de Sementes do Solo de Floresta Restaurada, Reserva Natural Vale, ES. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 22, p. 79-87, 2015.

COSTA, C. C. A.; MACEDO, I. D.; SILVA, P. C. M. Análise comparativa da produção de serrapilheira em fragmentos arbóreos e arbustivos em área de Caatinga na Flona de Açu – RN. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 2, p. 259-265, 2010.

COSTA, G. S. et al. Aporte de nutrientes pela serapilheira em uma área degradada e revegetada com leguminosas arbóreas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 28, p. 919-927, 2004.

EMBRAPA. Manual de métodos de análises de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura e do Abastecimento, 1997. 212 p.

FERNANDES, M. M. et al. Aporte de serrapilheira em reflorestamento misto. Acta Biológica Catarinense, Joinville, v. 5, p. 90-97, 2018.

GASPARINO, D. et al. Quantificação do banco de sementes sob diferentes usos do solo em área de domínio ciliar. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 30, n. 1, p. 1-9, 2006.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Flora do Brasil 2020. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 22 mar. 2021.

LORENZI, H. Ervas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2000. 608 p.

LORENZI, H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 1994. 299 p.

MACEDO, M. O. et al. Changes in soil C and N stocks and nutrient dynamics 13 years after recovery of degraded land using leguminous nitrogen-fixing trees. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 255, p. 1516-1524, 2008.

MACHADO, R. L. et al. Soil and nutrient losses in erosion gullies at different degrees of restoration. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 34, n. 3, p. 945-954, 2010.

MIRANDA, A. N. et al. Banco de Sementes em Mina de Bauxita Restaurada no Sudeste do Brasil. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 24, e00125414, 2017.

MIZOBATA, K. K. G. S.; CASSIOLATO, A. M. R.; MALTONI, K. L. Crescimento de mudas de Baru e Gonçalo-Alves em solo degradado, suplementado com resíduo, em Ilha Solteira - SP. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 2, p. 429-444, 2017.

OLIVEIRA JUNIOR, J. F. de et al. Análise da Precipitação e sua Relação com Sistemas Meteorológicos em Seropédica, Rio de Janeiro. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 21, n. 2, p. 140-149, 2014.

PARIZOTTO, A. et al. Florística e diversidade da regeneração natural em clareiras em Floresta Ombrófila Mista. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 39, n. 1, p. 1-9, 2019. DOI: 10.4336/2019.pfb.39e201801711.

RAMOS, D. P.; CASTRO, A. F.; CAMARGO, M. N. Levantamento detalhado de solos da área da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 8, p. 1-27, 1973.

RESENDE, A. S. de; LELES, P. S. dos S. (ed.). Controle de plantas daninhas em restauração florestal. Seropédica: Embrapa Agrobiologia; UFRRJ, 2017. 108 p.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: Guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado no APG II 2. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 704 p.

VILLA, E. B. et al. Aporte de Serapilheira e Nutrientes em Área de Restauração Florestal com Diferentes Espaçamentos de Plantio. Floresta e Ambiente, Seropédica, RJ, v. 23, n. 1, p. 90-99, 2016.

Downloads

Publicado

24-06-2022

Como Citar

Arêas, E. M. J., Arêas, P. M. J., Campello, E. F. C., & Resende, A. S. de. (2022). Banco de sementes do solo após 25 anos do plantio de leguminosas arbóreas em área de empréstimo – Seropédica, RJ. Ciência Florestal, 32(2), 698–714. https://doi.org/10.5902/1980509847031

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.