INFLUÊNCIA DA FORMA E POSIÇÃO DA ENCOSTA NAS CARACTERÍSTICAS DO SOLO E NA REGENERAÇÃO NATURAL EM ÁREAS DE PASTAGEM ABANDONADAS

Alessandro de Paula Silva, Alexander Silva de Resende, Guilherme Montandon Chaer, Fernando Lima Aires Gonçalves, Francia Carneiro Campello

Resumo


O objetivo desse trabalho foi avaliar a influência do relevo nas características químicas e físico-hídricas do solo e na regeneração natural, em áreas de pastagens abandonadas. Para o estudo foram consideradas oito áreas de relevo movimentado no município de Itaboraí-RJ, em cada uma das áreas foram selecionadas duas topossequências divididas em terços superior, médio e inferior, contemplando as pedoformas côncavas e convexas. Foram instaladas duas parcelas (20 m x10 m) em cada terço, uma para cada pedoforma, nas quais se avaliaram os atributos físico-hídricos e químicos do solo, a regeneração natural e a biomassa aérea da pastagem (biomassa estocada e taxa de rebrota). O terço superior apresentou os menores teores de argila e as características químicas não foram influenciadas pela posição na encosta. Na pedoforma côncava, nas áreas de textura argilosa, obtiveram-se menores valores de soma de bases trocáveis e de carbono, quando comparada à pedoforma convexa, de mesma classe textural. Essa tendência se repetiu, porém, de forma não significativa, nas áreas com textura média. As características físico-hídricas estiveram mais associadas à granulometria do solo que à posição na paisagem. A regeneração natural apresentou poucas espécies e não foram observadas diferenças tanto para a posição na encosta como para a pedoforma. No entanto, a espécie de Poaceae existente na pastagem de cada área foi um indicador mais sensível do potencial de desenvolvimento da regeneração natural do que as características edáficas, com destaque negativo para a paisagem dominada por Urochloa humidicola (Rendle) Morrone e Zuloaga, na qual se encontraram os menores valores de regeneração natural.


Palavras-chave


topossequência; pedoforma; dinâmica sucessional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, V. H. et al. Interpretação dos resultados das análises de solos. In: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ, V. H. (Ed.). Recomendação para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5. Aproximação. Viçosa, MG: CFSEMG; Imprensa Universitária UFV, 1999. p. 25-32.

CHEUNG, K. C.; MARQUES, M. C. M.; LIEBSCH, D. Relação entre a presença de vegetação herbácea e a regeneração natural de espécies lenhosas em pastagens abandonadas na Floresta Ombrófila Densa do Sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 23, n. 4, p. 1048-1056, 2009.

COLLARES, G. L. et al. Qualidade física do solo na produtividade da cultura do feijoeiro num Argissolo. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 41, n. 11, p. 1663-1674, 2006.

CURCIO, G. R. et al. Compartimentação topossequencial e caracterização fitossociológica de um capão de Floresta Ombrófila Mista. Floresta, Curitiba, v. 36, n. 3, p. 361-369, 2006.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa em Solos. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 1997. 212 p.

FERREIRA, W. C. et al. Avaliação do crescimento do estrato arbóreo de área degradada revegetada à margem do Rio Grande, na Usina Hidrelétrica de Camargos, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 31, n. 1, p. 177-185, 2007.

GOMES, J. B. V. et al. Atributos químicos e mineralógicos dos solos. In.: PRADO, R. B.; FIDALGO, E. C. C.; BONNET, A. (Ed.). Monitoramento da revegetação do COMPERJ: etapa inicial. 1. ed. Brasília: Embrapa, 2014. p. 103-118.

KAISER, D. R. et al. Intervalo hídrico ótimo no perfil explorado pelas raízes de feijoeiro em um Latossolo sob diferentes níveis de compactação. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 33, p. 845-855, 2009.

MANTOANI, M. C.; TOREZAN, J. M. D. Regeneration response of Brazilian Atlantic Forest woody species to four years of Megathyrsus maximus removal. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 359, n. 1, p. 141-146, 2016.

MARQUES, J. D. O. et al. Avaliação da condutividade hidráulica do solo saturada utilizando dois métodos de laboratório numa topossequência com diferentes coberturas vegetais no Baixo Amazonas. Acta Amozonica, Manaus, v. 38, n. 2, p. 193-206, 2008.

PELLIZZARO, K. F. et al. “Cerrado” restoration by direct seeding: field establishment and initial growth of 75 trees, shrubs and grass species. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, p. 1-13, 2017.

REDIN, M. et al. Impactos da queima sobre atributos químicos, físicos e biológicos do solo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 381-392, 2011.

RIBEIRO, J. C.; SALOMÃO, F. X. Abordagem morfopedológica aplicada ao diagnóstico e prevenção de processos erosivos na Bacia Hidrográfica do Alto Rio da Casca, MT. Geociências, Rio Claro, v. 22, n. 1, p. 83-95, 2003.

RUIZ, H. A. Incremento da exatidão da análise granulométrica do solo por meio da coleta da suspensão (silte + argila). Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 29, n. 2, p. 297-300, 2005.

SANTOS, G. L. et al. Landform curvature and its effect on the spatial variability of soil attributes, Pinheiral-RJ/BR. Cerne, Lavras, v. 22, n. 4, p. 431-438, 2016.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 5. ed. Viçosa, MG: Folha de Viçosa, 2005. 100 p.

SANTOS JUNIOR, N. A. et al. Colonização natural por espécies nativas e exóticas das encostas degradadas da Serra do Mar. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, p. 267-276, 2010.

SOUZA, P. B. Diversidade Florística e atributos pedológicos ao longo de uma encosta com floresta estacional semidecidual submontana, zona de amortecimento do Parque Estadual do Rio Doce, MG. 2008. 138 f. Tese (Doutorado em Botânica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2008.

VIEIRA, C. M.; PESSOA, S. V. A. Estrutura e composição florística do estrato herbáceo-arbustivo de um pasto abandonado na Reserva Biológica de Poço das Antas, município de Silva Jardim, RJ. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 52, n. 80, p. 17-30. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509833366

Licença Creative Commons