GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Chorisia glaziovii O. Kuntze SUBMETIDAS AO ESTRESSE HÍDRICO EM DIFERENTES TEMPERATURAS

Maria Lúcia Maurício da Silva, Edna Ursulino Alves, Riselane de Lucena Alcântara Bruno, Sueli da Silva Santos-Moura, Antônio Pereira dos Santos Neto

Resumo


Chorisia glaziovii O. Kuntze, da família Bombacaceae é uma florestal nativa do Nordeste brasileiro, conhecida popularmente como barriguda devido ao tronco bojudo, seus frutos são deiscentes e as sementes revestidas por uma estrutura fibrosa (lã) utilizada nas indústrias de estofados. Por isso objetivou-se avaliar o comportamento germinativo e o vigor das sementes de Chorisia glaziovii, submetidas ao estresse hídrico em diferentes temperaturas. Os tratamentos consistiram dos potenciais de -0,1; -0,2 e -0,3 MPa simulados com polietileno glicol (PEG 6000), além do nível zero (0,0) utilizando apenas água destilada, nas temperaturas constantes de 20, 25 e 30°C, em delineamento experimental inteiramente ao acaso. As variáveis analisadas foram: porcentagem, primeira contagem e índice de velocidade de germinação de sementes, além do comprimento de raízes e altura de parte aérea, e massa seca de raízes e parte aérea das plântulas. As maiores porcentagens de germinação das sementes de Chorisia glaziovii foram obtidas na ausência de estresse hídrico independentemente da temperatura, sendo a de 20°C prejudicial à germinação das sementes, com redução para 20% no potencial de -0,1MPa; nas temperaturas mais elevadas, as sementes foram mais tolerantes ao estresse hídrico, com uma porcentagem de 68% neste mesmo potencial. As sementes de Chorisia glaziovii são sensíveis ao estresse hídrico, com germinação totalmente inibida em todas as temperaturas no potencial de -0,3 MPa.


Palavras-chave


potencial fisiológico; planta ornamental; barriguda.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, C.G.C. et al. Germinação de sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. (catingueira) submetidas a deficiência hídrica. Revista Árvore, Viçosa, v.35, n.5, p.1007-1015, 2011.

ÁVILA, M.R. et al.Influência do estresse hídrico simulado com manitol na germinação de sementes e crescimento de plântulas de canola. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v.29, n.1, p.98-106, 2007.

BELLO, E.P.B.C.E.S. et al.Germinação de sementes de Amburana acreana (Ducke) A. C. Sm. submetidas a diferentes condições de temperatura e de estresse hídrico. Revista Brasileira de Sementes, Lavras, v.30, n.3, p.16-24, 2008.

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2.ed. New York: Plenum Press, 1994. 445p.

BORGHETTI, F.; FERREIRA, A.G. Interpretação de resultados de germinação. In: FERREIRA, A.G. BORGHETTI, F. (ed). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre. Artmed. 2004. P.209-222.

BOTELHO; B.A.; PEREZ, S.C.J.G.A. Estresse hídrico e reguladores de crescimento na germinação de sementes de canafístula. Scientia Agricola, Piracicaba, v.58, n.1, p.43-49, 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p.

CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590p.

CASTRO, R.D.; BRADFORD, K.J.; HILHORST, H.W.M. Embebição e reativação do metabolismo. In: FERREIRA, A.G.; BORGHETTI, F. (Org.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.149-162.

FANTI, S.C.; PEREZ, S.C.J.G.A. Efeitos do estresse hídrico, salino e térmico no processo germinativo de sementes de Adenanthera pavonina L. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.20, p.167-177, 1998.

FERRAZ-GRANDE, F.G.A.; TAKAKI, M. Efeitos da luz, temperatura e estresse de água na germinação de sementes de Caesalpinia peltophoroides Benth. (Caesalpinoideae). Bragantia, Campinas, v.65, n.1, p.37-42, 2006.

FONSECA, S.C.L.; PEREZ, S.C.J.G.A. Ação do polietileno glicol na germinação de sementes de Adenanthera pavonina L. e o uso de poliaminas na atenuação do estresse hídrico sob diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v.25, n.1, p.1-6, 2003.

FONSECA, S.C.L.; PEREZ, S.C.J.G.A. Efeito do estresse hídrico e interferência de diferentes profundidades de plantio na germinação de sementes de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. Revista Ceres, Viçosa, v.46, n, p.371-381, 1999.

GUEDES, R.S. et al. Estresse salino e temperaturas na germinação e vigor de sementes de Chorisia glaziovii O. Kuntze. Revista Brasileira de Sementes, Lavras, v.3, n.2, p.279-288, 2011.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima, 2000. 531p.

LIMA, J.D. et al. Efeito da temperatura e dos substratos na germinação de sementes de Caesalpinia ferrea Mart. ex. Tul. (Leguminosae). Revista Árvore, Viçosa, v.30, n.4, p.513-518, 2006.

LOPES, J.C.; MACEDO, C.M.P. Germinação de sementes de couve chinesa sob influência do teor de substrato e estresse salino. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v.30, n.3, p.79-85, 2008.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 4.ed. v.1, 2002. 351p.

LUCENA, R.F.P. et al. Local uses of native plants in area of caatinga vegetation Pernambuco - NE, Brazil. Ethnobotany Research and Applications, Manoa, v.6, p.3-13, 2008.

MAGUIRE, J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence vigor. Crop Science, Madson, v.2, n.2, p.176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495p.

MOURA, M.R. et al. Efeito do estresse hídrico e do cloreto de sódio na germinação de Mimosa caesalpiniifolia Benth. Revista Verde, Mossoró, v.6, n.2, p.230-235, 2011.

REGO, S.S. et al. Influência de potenciais osmóticos na germinação de sementes de Anadenanthera colubrina (Veloso) Brenan (angico-branco) - Mimosaceae. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v.5, supl. 2, p.549-551, 2007.

REGO, S.S. et al. Estresse hídrico e salino na germinação de sementes de Anadenanthera colubrina (Veloso) Brenan. Journal of Biotechnology and Biodiversity, Gurupi, v.2, n.4, p.37-42, 2011.

ROMAN, E.S.; MURPHY, S.D.; SWANTON, C. Simulation of Chenopodium album seedling emergence. Weed Science, Washington, v.48, n.2, p.217-224, 2000.

ROSA, L.S. et al. Avaliação da germinação sob diferentes potenciais osmóticos e caracterização morfológica da semente e plântula de Ateleia glazioviana Bail (Timbó). Revista Cerne, Lavras, v.11, n.3, p.306-314, 2005.

SANTOS, A.R.F.; SILVA-MANN, R.; FERREIRA, R.A. Restrição hídrica em sementes de jenipapo (Genipa americana L.). Revista Árvore, Viçosa, v.35, n.2, p.213-220, 2011.

SPADETO, C. et al. Estresse salino e hídrico na germinação de sementes de garapa (Apuleia Leiocarpa (Vogel.) J. F. Macbr.). Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v.8, n.14, p.539, 2012.

STEFANELLO, R. et al. Efeito da luz, temperatura e estresse hídrico no potencial fisiológico de sementes de funcho. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v.28, n.2, p.135-141, 2006.

STEFANELLO, R. et al. Efeito do estresse hídrico na germinação e no vigor de sementes de anis (Pimpinella anisum L.), funcho (Foeniculum vulgare Miller) e endro (Anethum graveolens L.) Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v.10, n.2, p.68-74, 2008.

VILLELA, F.A.; DONI FILHO, L.; SEQUEIRA, L.L. Tabela de potencial osmótico em função da concentração de polietilene glicol 6.000 e da temperatura. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.26, n.12, p.1957-1968, 1991.

VIRGENS, I.O. et al. Comportamento fisiológico de sementes de Myracrodruon urundeuva Fr. All. (Anacardiaceae) submetidas a fatores abióticos. Ciência Florestal, Santa Maria, v.22, n.4, p.681-692, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509824229

Licença Creative Commons