TENDÊNCIAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DOMINANTE DE DOIS CLONES DE Eucalyptus saligna Smith IMPLANTADOS EM DISTINTAS CONDIÇÕES DE SOLO

Lucas Zancan Pissinin, Paulo Renato Schneider

Resumo


Uma mesma espécie florestal pode, em distintas condições ambientais, apresentar variações na forma de seu crescimento e em consequência na sua produção final. A altura dominante (h100) é uma das variáveis mais importantes para a prognose da produção florestal, visto que praticamente todas as demais relações funcionais de produção se baseiam na descrição do crescimento desta variável através das funções de índice de sítio. Este trabalho objetivou detectar as possíveis diferenças no crescimento em altura dominante (h100) entre dois clones de uma mesma espécie (Eucalyptus saligna Smith) e entre diferentes classes de aptidão de solos, sobre os quais estão implantados estes materiais genéticos. Uma rede de parcelas permanentes com remedições anuais ou bianuais foi utilizada para ajustar diferentes modelos de altura dominante em função da idade. A partir da seleção do melhor modelo e do uso de análise de covariância, buscou-se definir a existência de diferentes tendências de crescimento em altura dominante. As análises de tendências de crescimento através da utilização da função de Backman demonstraram diferenças significativas entre os dois materiais genéticos e entre diferentes classes de aptidão de solos para o clone 2864. O clone 4039 não demonstrou tendências de crescimento suficientemente significativas que justificassem a separação em dois grupos de classes de solo. Como resultado final, tem-se que três grupos de crescimento deveriam ser formados para descrever o crescimento em altura dominante: Grupo I – Clone 2864 e classes de solo 1 e 2; Grupo II – Clone 2864 e classes de solo 3, 4 e 5 e Grupo III – Clone 4039 em todas as classes de solo.


Palavras-chave


índice de sítio; manejo florestal; crescimento e produção florestal; solos florestais.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, N. F. et al. Análise do crescimento de Eucalyptus saligna em solo de cerrado sob diferentes níveis de N. P. e K. no Vale do Jequitinhonha, MG. IPEF, Piracicaba, n. 26, p. 13-17, abr. 1984.

BELLOTE, A. F. J.; DEDECEK, R. A. Atributos Físicos e Químicos do Solo e suas Relações com o Crescimento e a produtividade do Pinus taeda. Boletim Pesquisa Florestal, Colombo, n. 53, p. 21-38, jul./dez. 2006.

CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 3.. ed. Viçosa: Ed. UFV, 2009. 548 p.

CARVALHO, A. P. et al. Efeitos de características do solo sobre a capacidade produtiva de Pinus taeda. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 39, p. 51-66, jul./dez. 1999.

CLUTTER, J. L.; FORTSON, J. C.; PIENAAR, L. V. Timber Management: a quantitative approach. New York: John Wiley & Sons, 1983. 329 p.

COSTA, A. M. et al. Unidades de manejo para o cultivo de eucalipto em quatro regiões fisiográficas do Rio Grande do Sul. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 37, n. 84, p. 465-473, dez. 2009.

FINGER, C. A. G. et al. Influência da camada de impedimento no solo sobre o crescimento de Eucalyptus grandis (hill) ex Maiden. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 6, n. 1, p. 137-145, 1996.

FREITAS, D. A. F. et al. Índices de qualidade do solo sob diferentes sistemas de uso e manejo florestal e cerrado nativo adjacente. Revista Ciência Agronômica, Ceará, v. 43, n. 3, p. 417-428, jul./set. 2012.

GONÇALVES, J. L. M. Interpretação de levantamentos de solos para fins Silviculturais. IPEF, Piracicaba, n. 39, p. 65-72, ago. 1988.

KOPPEN, W. Grundriss der Klimakunde. Berlin: Walter de Gruyter, 1931. 390 p.

LIBARDI, P. L. Água no solo. In: LIER, Quirijn de Jong van (Ed). Física do Solo. 1. ed. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2010. p. 103-152.

LOURENÇO, M. F. S. Características limitantes do solo no crescimento de Eucalyptus dunnii Maiden, em uma toposeqüência na região de três barras (SC). 1996. 140 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1996.

MELO FILHO, J. F.; SOUZA, A. L. V.; SOUZA, L. S.; Determinação do índice de qualidade subsuperficial em um latossolo amarelo coeso dos tabuleiros costeiros, sob floresta natural. Revista Brasileira de Ciência do Solo, n. 31, p. 1599-1608, 2007.

MENDES, I. C. et al. Cálculo de um índice de qualidade do solo para diferentes agroecossistemas do cerrado. In: SIMPÓSIO NACIONAL DO CERRADO, 9., 2008, Brasília, DF. Anais... 2008. p. 12-17.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 41 p.

ORTIZ, J. L. et al. Relações espaciais entre o potencial produtivo de um povoamento de eucalipto e atributos do solo e do relevo. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 72, p. 67-79, dez. 2006.

SCOLFORO, J. R. Curvas de índice de sítio para Pinus caribaea var.hondurensis. IPEF, Piracicaba, n. 45, p. 40-47, jan./dez. 1992.

SELLE, G. L. Guias de densidade e índices de sítio para Hovenia dulcis Thunberg na região central do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. 2009. 97 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2009.

SILVA, J. A. A.; BAILEY, R. L. Uso de transformações normalizadoras no ajuste de modelos volumétricos. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 15, n. 12, p. 199-206, 1991.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER/RS; UFRGS, 2008. 222 p.

TONINI, H. Crescimento e produção de clones de Eucalyptus saligna Smith, na depressão central e serra do sudeste, Rio Grande do Sul. 2003. 331 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2003.

TONINI, H. et al. Índice de sítio para Pinus elliottii Engelm, em três unidades de mapeamento de solo, nas regiões da serra do sudeste e litoral, no estado do Rio Grande do Sul, BRASIL. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 2, p. 61-73. 2002.

TONINI, H.; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Curvas de índice de sítio para povoamentos clonais de Eucalyptus saligna Smith para a depressão central e serra do sudeste, Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 27-43, 2006.

TRUGILHO, P. F. et al. Avaliação de Clones de Eucalyptus para produção de carvão vegetal. Revista Cerne, Lavras, v. 7, n. 2, p. 104-114, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826465

Licença Creative Commons