Crescimento de espécies nativas de uma Floresta Estacional Decidual/Ombrófila Mista do Rio Grande do Sul.

Peter Spathelf, Rute Berger, Sandro Vaccaro, Helio Tonini, Geedre Adriano Borsoi

Resumo


Com uma abordagem retrospectiva, foi estudado o crescimento da caúna-da-serra (Ilex brevicuspis Reissek.), cocão (Erythroxilum deciduum), tarumã-de-espinho (Cytharexylum montevidense Sprenger) e capororoca (Rapanea ferruginea (Ruiz & Pavon) Mez), nativas da Floresta Estacional Decidual/Floresta Ombrófila Mista de Santa Maria - RS. Foi feita a análise de tronco e a medição de anéis anuais de cada espécie estudada. Com esses dados foi avaliada a tendência de crescimento em volume comercial, o incremento do volume comercial em porcentagem e o fator de forma comercial em função do diâmetro à altura de 1,3 m (DAP). Para o ajuste dos dados obtidos, foram testados cinco modelos diferentes. Revelou-se que, com todas espécies, um polinômio de segundo grau mostrou o melhor ajuste no caso do volume comercial e do fator de forma comercial. O incremento em volume comercial anual percentual foi melhor ajustado por um modelo exponencial, também para cada espécie analisada. Observou-se uma acumulação significativamente diferente do volume sobre o diâmetro das espécies. O tarumã e o cocão mostram uma acumulação rápida em volume, enquanto que a caúna e a capororoca crescem menos rapidamente. Isso é correlacionado com os fatores de forma, nos troncos mais cilíndricos, no caso do tarumã e do cocão. O incremento em volume comercial anual percentual varia entre a faixa de mais de 100% no início do processo de crescimento e abaixo de 10% no final do crescimento estudado.

Palavras-chave


Análise de tronco; espécies nativas; Rio Grande do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL JUNIOR, A. Flora ilustrada catarinense: Eritroxiláceas. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1980. 64 p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras, recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasilia: Embrapa/CNPF, 1994. 640 p.

EDWIN, G., REITZ, R. Flora ilustrada catarinense: aquifoliáceas. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1967.

FINGER, C.A.G. Fundamentos da biometria florestal. Santa Maria: UFSM/CEPEF/FATEC, 1992. 269 p.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos. Eschbom: GTZ, 1990, 343p.

LONGHI, S.J.; VACCARO, S.; BUENO COELHO, M.C. et al. Análise fitosociológica de um remanescente de floresta ombrófila mista em Itaára, Santa Maria – RS: SIMPÓSIO SOBRE ECOSSISTEMAS NATURAIS DO MERCOSUL, 1., 1996, Santa Maria. Anais... Santa Maria, 1996. p. 79-89.

MAIXNER, A.E., FERREIRA, L.A.B. Contribuição ao estudo das essências florestais e frutíferas nativas no Rio Grande do Sul. Trigo e Soja, v. 28, p. 2-27, 1978.

MITSCHERLICH, G. Der Fichten-Tannen-(Buchen)-Plenterwald. Schriftenr. Bad. Forstl. Versuchsanstalt, Freiburg i. Br., v. 8, p. 3-42, 1952.

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura-RS, 1961.

p.

REITZ, R.; KLEIN, R.M.; REIS, A. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CORAG, 1988. 525 p.

SANCHOTENE, M. Frutíferas nativas úteis à fauna na arborização urbana. Porto Alegre: FEPLAM, 1985. 311 p.

SCHULZ, O.E. Erythroxylaceae. In: Engler. Das Pflanzenreich, 1907. p. 1-176.

SOBRAL, M. Erythroxylum no Rio Grande do Sul, Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 1990.

p.

VACCARO, S.; LONGHI, S.J. Análise fitossociológica de algumas áreas remanescentes da floresta do Alto Uruguay, entre os rios de Ijuí e Turvo, no Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v. 5, p. 33-54, 1995.

ZEIDE, B. Analysis of growth equations. Forest Science, v. 39, n. 3, p. 594-616, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981659

Licença Creative Commons