Influência da exploração florestal de impacto reduzido sobre as fases de desenvolvimento de uma floresta de terra firme, Pará, Brasil

Luciana Maria de Barros Francez, João Olegário Pereira de Carvalho, Fábio de Jesus Batista, Fernando Cristóvam da Silva Jardim, Edson Marcos Leal Soares Ramos

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812358

Avaliou-se a influência da exploração florestal de impacto reduzido nas fases de desenvolvimento de uma floresta de terra firme, submetida a duas intensidades de colheita de madeira na região de Paragominas, PA. Os dados foram coletados em 36 parcelas permanentes de 0,25 ha, distribuídas aleatoriamente entre os tratamentos (T1 - floresta explorada com colheita apenas do fuste comercial das árvores e T2 - floresta explorada com colheita do fuste e dos resíduos lenhosos) e testemunha (T0 - floresta não explorada). Foram consideradas três fases de desenvolvimento da floresta: madura (DAP > 40 cm); em construção (10 cm < DAP < 40 cm); e clareiras (ocorrência de uma abertura no dossel e pouca ou nenhuma árvore com DAP > 10 cm). Para verificar a homogeneidade de variâncias das subparcelas entre tratamentos, fases e anos, recorreu-se ao teste de Bonferroni, a partir das estatísticas de Bartlett e Levene. Foi aplicada uma análise de variância para o número de subparcelas por fases, anos e tratamentos, ao nível de significância de 5%. Foi realizado, também, o teste Tukey para contrastar as médias da interação entre as fases e ano. Antes da exploração, a floresta encontrava-se com 57,0% da área em estádio de construção, 38,9% em estádio de floresta madura e apenas 4,1% em fase de clareira. A exploração reduziu a área de floresta madura e em construção, ocasionando o aumento do número de clareiras, entretanto, esse aumento não apresentou diferença estatística. Um ano após a exploração foi observado o aumento da área de floresta madura (38,4%) e de construção (53,1%) e a redução das áreas de clareiras (8,4%). Três anos após a exploração os percentuais observados (Floresta madura: 37,1%; Floresta em construção: 57,9%; Clareira: 5,0%), foram semelhantes aos encontrados antes da exploração florestal. As fases de desenvolvimento da floresta não foram influenciadas pela exploração florestal, ao longo do período estudado, independente do tratamento empregado. A floresta em estudo demonstrou capacidade de se regenerar, proporcionando o fechamento do dossel, apesar do curto espaço de tempo.


Palavras-chave


dinâmica da floresta; monitoramento florestal; parcelas permanentes; clareiras

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, T. X. et. al. Efeito da remoção da floresta ombrófila sobre regime pluviométrico no município de Paragominas - PA. Boletim de Geografia Teorética, v. 23, n. 45 – 46, p. 85 – 92, 1993.

BASTOS, T. X. et al. Características agroclimáticas do município de Paragominas. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 2005. 21 p. (Documentos, 228).

BRASIL. Departamento Nacional de Produção Mineral. Levantamento de recursos minerais. Folha SA.23 – São Luís e parte da folha SA.24 – Fortaleza. Geologia, geomorfologia, solos, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, Ministério de Minas e Energia. 1973. v. 3.

BRASIL. Instrução Normativa n.º 5 de 11 de dezembro de 2006. Diário Oficial da União, nº. 238, Brasília, DF, 13 de dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2008.

CROME, F. H. J.; MOORE, L. A.; RICHARDS, G. C. A study of logging damage in unplanned rainforest in North Queensland. Forest Ecology and Management, v. 49, p. 1 – 29, 1992.

ENGEL, V.L. Silvigênese, dinâmica de fragmentos e a conservação de florestas tropicais. Botucatu: UNESP-FEPAF, 1993. 21 p. (UNESP-FEPAF. Série Técnica Florestal. v.1, n.1).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Sinopse preliminar do censo demográfico 1991. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 74p.

JARDIM, F. C. da S.; VOLPATO, M. M. L.; SOUZA, A. L. Dinâmica de sucessão natural em clareiras de florestas tropicais. Viçosa: SIF, 1993. 60 p. (Documentos SIF, 010).

JOHNS, J. S.; BARRETO, P.; UHL, C. Os danos da exploração de madeira com e sem planejamento na Amazônia Oriental. Série Amazônia, Belém: IMAZON, 1998. 42 p.

LEAL, G. L. R. Paragominas: A realidade do pioneirismo. Belém: Alves, 2000. 498 p.

MARTINI, A. M. Z. Métodos de amostragem de clareiras naturais em estudos fitossociológicos. In: FELFILI, J. M. et AL. Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de caso – volume I. Viçosa, MG: UFV, 2010. p. 324 – 338.

PINTO, A. C. M. et al. Análise de danos de colheita de madeira em floresta tropical úmida sob regime de manejo florestal sustentado na Amazônia ocidental. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 4, p. 459-466, 2002.

RABELO, F. G. et al. Diversidade, composição florística e distribuição diamétrica do povoamento com DAP > 5cm em região de estuário no Amapá. Revista de Ciências Agrárias, Belém, n. 37, p. 91 – 112, jan. / jun. 2002.

RICHARDS, P. W. The tropical rain forest: an ecological study. New York: Cambridge University Press, 1996. 575 p.

RODRIGUES, T. E. et al. Caracterização e classificação dos solos do município de Paragominas, Estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 51 p. 2003. (Documentos 162).

SILVA, J. N. M. et al. Growth and yield of a tropical rain forest in the Brazilian Amazon 13 years after logging. Forest Ecology and Management, v. 71, p. 267-274.1995.

SILVA, J. N. M. et al. Diretrizes para Instalação e Medição de Parcelas Permanentes em Florestas Naturais da Amazônia Brasileira. Belém: Embrapa/ITTO, 2005. 68 p.

SOUZA, D. R. de et al. Análise estrutural em floresta ombrófila densa de terra firme não explorada, Amazônia oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 1, p. 75-87, 2006.

TURNER, I. M. Tree seedlings growth and survival in a Malaysian Rain Forest. Biotropica, v. 22, n. 2, p. 145 – 154, 1990.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de recursos naturais e estudos ambientais, 1991. 124 p.

VIDAL, E.; VIANA, V.; BATISTA, J. L. F. Efeitos da exploração madeireira predatória e planejada sobre a diversidade de espécies na Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 22, n. 4, p. 503 – 520, 1998.

WATRIN, O. S.; ROCHA, A. M. A. Levantamento de vegetação natural e uso da terra no Município de Paragominas (PA) utilizando imagens TM/Landsat. Belém: EMBRAPA-CPATU (EMBRAPA-CPATU, 1992. 40 p. (Boletim de Pesquisa, 124).

WEBB, E. L. Canopy removal and residual stand damage during controlled selective logging in lowland swamp forest of northeast Costa Rica. Forest Ecology and Management, v. 95, p. 117 - 129, 1997.

WHITMORE, T. C. Tropical rainforest of the Far East. Oxford: Clarendon Press, 282p. 1975.

WHITMORE, T. C. On pattern and process in forests. In: NEWMAN, E. I. The plant community as a working mechanism. Oxford: Blackwell, 1982. p.45-59.

WHITMORE, T. C. An introduction to tropical rain forest. Oxford: Clarendon Press, 1990. 2.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812358

Licença Creative Commons