ESTRUTURA POPULACIONAL E REGENERAÇÃO DE ESPÉCIES ARBÓREAS NA FLORESTA NACIONAL DE SÃO FRANCISCO DE PAULA, RIO GRANDE DO SUL

Angela Luciana de Avila, Maristela Machado Araujo, Solon Jonas Longhi, Paulo Renato Schneider, João Olegário Pereira de Carvalho

Resumo


Este estudo teve como objetivo caracterizar a estrutura populacional e os aspectos da regeneração de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze, Blepharocalyx salicifolius (Kunth) O. Berg e Ilex paraguariensis A. St.-Hil em diferentes condições ambientais e histórico de perturbação na Floresta Nacional de São Francisco de Paula - RS. Foram utilizados seis conglomerados de um hectare, com 16 parcelas (20 x 20 m) cada, nos quais foram amostradas as espécies em três classes de tamanho. A classe de tamanho II (CT II - diâmetro a altura do peito (DAP) ≥ 9,55 cm) foi inventariada nas 96 parcelas, a CT I (4,8 ≤ DAP < 9,55 cm) em 36 subparcelas de 10 x 10 m e a regeneração natural estabelecida (RNE) (1 ≤ DAP < 4,8 cm) em 36 células de 3,16 x 3,16 m. Em todas as parcelas de 20 x 20 m foram avaliados o banco de plântulas (BP - altura ≥ 30 cm e DAP < 1 cm), a chuva de sementes (CS) e o banco de sementes do solo (BS). Os dados foram analisados considerando todos os ambientes conjunta e separadamente para os agrupamentos identificados em estudo prévio na área. Foram avaliadas a estrutura diamétrica para a CT II e densidade e frequência absoluta para todas as etapas do ciclo de vida (CS, BS, BP, RNE, CT I e CT II). Os resultados indicaram grande variabilidade na densidade destas espécies nos diferentes ciclos de vida e ambientes florestais. Araucaria angustifolia demonstrou falhas no processo de regeneração em ambiente com menor histórico de perturbação, não apresentando padrão de distribuição “J invertido” (CT II) e menor capacidade de regeneração em relação às demais espécies nos mecanismos de regeneração (CS, BS e BP). Ilex paraguariensis e Blepharocalyx salicifolius apresentaram melhor estabilidade populacional em ambiente com menor nível de interferência antrópica (CT II). A primeira espécie apresentou melhores condições de regeneração em ambientes de solo com boa drenagem e a segunda espécie demonstrou preferência para solo mais úmido. Além disso, falhas no processo de regeneração das populações foram detectadas e variaram de acordo com as condições ambientais e o histórico de perturbação de cada área. Assim, identifica-se a importância de considerar os diferentes ambientes florestais, a autoecologia das espécies e de aplicar possíveis intervenções que visem melhorar a regeneração e equilibrar a dinâmica populacional destas espécies.


Palavras-chave


Este estudo teve como objetivo caracterizar a estrutura populacional e os aspectos da regeneração de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze, Blepharocalyx salicifolius (Kunth) O. Berg e Ilex paraguariensis A. St.-Hil em diferentes condições ambientais e

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, M. M. et al. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes do solo e banco de plântulas em Floresta Estacional Decidual ripária, Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 66, p. 128-141, 2004.

ARAUJO, M. M. et al. Análise de agrupamento em remanescente de Floresta Ombrófila Mista. Ciência Florestal, Santa Maria, v.20, n.1, p.1-18, jan./mar. 2010.

AVILA, A. L. et al. Agrupamentos florísticos na regeneração natural em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, RS, Brasil. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 39, n. 91, p. 331-342, set. 2011.

BAZZAZ, F. A. Regeneration of tropical forests: physiological responses of Pioneer and secondary species. In: GÓMEZ-POMPA, A.; WHITMORE, T.C.; HADLEY, M. Rain forest regeneration and management. Paris: The UNESCO Press, 1991, v. 6, p. 91-118.

BEGON, M.; TOWNSEND, C. R.; HARPER, J. L. Ecologia: de indivíduos a ecossistemas. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. 752 p.

BORGHETTI, F. Dormência embrionária. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.109-124.

BRASIL. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Floresta Nacional de São Francisco de Paula-RS. Brasília: IBAMA, 2000. 6p.

BRASIL. Lei n. 11.284, de 2 de março de 2006. Gestão de florestas públicas para a produção sustentável; institui, na estrutura do Ministério do Meio Ambiente, o Serviço Florestal Brasileiro - SFB; cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal – FNDF. Citation on computers documents Disponível em: <(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11284.htm)> Acesso em: 14 de dezembro de 2009.

CALDATO, S. L. et al. Estudo da regeneração natural, banco de sementes e chuva de sementes na reserva genética florestal de Caçador, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 6, n. 1, p. 27-38, 1996.

CALDATO, S. L.; LONGHI, S. J.; FLOSS, P. A. Estrutura populacional de Ocotea porosa (Lauraceae) em uma Floresta Ombrófila Mista, em Caçador (SC). Ciência Florestal, Santa Maria, v.9, n.1, p.89-101, mar./abr. 1999.

CANALEZ, G. G.; CORTE, A. P. D.; SANQUETTA, C. R. Dinâmica da estrutura da comunidade de Lauráceas no período de 1995-2004 em uma Floresta de Araucária no sul do estado do Paraná. Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n.4, p.357-367, 2006.

CARVALHO, J. O. P. Dinâmica de Florestas Naturais e sua implicação para o manejo florestal. In: CURSO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL, 1997, Curitiba. Tópicos em manejo florestal sustentável. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1997. p.43-55. (EMBRAPA-CNPF. Documentos, 34).

CARVALHO, J. O. P. Structure and dynamics of a logged over Brazilian Amazonian rain Forest. 1992. 215 f. These (Doctor of Philosophy) __ Oxford University, Oxford, 1992.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas; Colombo: Embrapa Florestas, 2003. v. 1. 1039 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas; Colombo, PR: Embrapa Floresta. 2006. v. 2. 627p.

CHAMI, L. B. et al. Mecanismos de regeneração natural em diferentes ambientes de remanescente de Floresta Ombrófila Mista, São Francisco de Paula, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.2, p.251-259, 2011.

COSTA JÚNIOR, R. F. et al. Estrutura fitossociológica do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Ombrófila Densa na mata sul de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v.18, n.2, p.173-183, abr./jun. 2008.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: EMBRAPA – SPI, 1999. 412p.

FINGER, C. A. G. Fundamentos de biometria florestal. Santa Maria: UFSM/CEPEF/FATEC, 1992. 201p.

HARTSHORN, G. S. Neotropical forest dynamics. Tropical Succession, v.12, p.23-30, 1980.

HERMANN, M. L. P.; ROSA, R. O. Relevo. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990. p.55-111.

HESS, G. et al. Trends in forest composition and size class distribution: implications for wildlife habitat. In: Southern Center for Sustainable Forests. Working Paper. North Carolina: Economic end Ecological Impacts, 2000. 96 p.

JARENKOW, J. A. Composição florística e estrutura da Mata com Araucária na Estação Ecológica de Aracuri, Esmeralda, Rio Grande do Sul. 1985. 86f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1985.

KAGEYAMA, P. Y.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. Fatores que afetam a produção de sementes. In: AGUIAR, I. B. de; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. D. (Orgs.) Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p.19-46.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas - possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Rossdorf: TZ-Ver.-Ges., 1990. 343p.

LEITE, P. F. Contribuição ao conhecimento fitoecológico do Sul do Brasil. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v.1, n.1, p.51-73, 2002.

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifólia (Bert.) Ktze, no sul do Brasil. 1980. 198 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

LONGHI, S. J. et al. Fatores ecológicos determinantes na ocorrência de Araucaria angustifolia e Podocarpus lambertii, na Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, v.40, n.1, jan./fev. 2010.

LYKKE, A. M. Assessment of species composition change in savanna vegetation by means of woody plants’ size class distributions and local information. Biodiversity and Conservation, Netherlands, v.7, p.1261-1275, 1998.

MALUF, J.R.T. Nova classificação climática do Estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v.8, n.1, p.141-150, 2000.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma Floresta Mesófila. Campinas: UNICAMP, 1993. 246p.

MATTEUCCI, S. D.; COLMA, A. Metodologia para el estudio de la vegetación. Washington: Secretaria General de la Organización de los Estados Americanos – Programa Regional de Desarrollo y Tecnologico, 1982. 169p.

McLAREN, K. P. et al. Predicting species response to disturbance from size class distributions of adults and saplings in a Jamaican tropical dry forest. Plant Ecology, Dordrecht, v.181, p.69-84, 2005.

MOSER, J. M. Solos. In: IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro, 1990. p.85-111.

MWAVU, E. N.; WITKOWSKI, T. F. Population structure and regeneration of multiple-use tree species in a semi-deciduous African tropical rainforest: Implications for primate conservation. Forest Ecology and Management, Amsterdan, v.258, p.840-849, 2009.

NASCIMENTO, A. R. T.; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p.105-119, mar./abr. 2001.

NORDEN, N. et al. Resilience of tropical rain forests: tree community reassembly in secondary forests. Ecology Letters, v.12, p.385-394, 2009.

NIMER, E. Clima. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro, 1990. p.151-187.

OBIRI, J.; LAWES, M.; MUKOLWE, M. The dynamics and sustainable use of high-value tree species of the coastal Pondoland forests of the Eastern Cape Province, South Africa. Forest Ecology and Management, Amsterdan, v.66, p.131-148, 2002.

QUADROS, F. L. F. de; PILLAR, V. de P. Transições floresta-campo do Rio Grande do Sul. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v.1, n.1, p.109-118, 2002.

REITZ, P. et al. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1983. 525p.

RICHARDS, P. W. The tropical rain forest: an ecological study. Cambridge: University Press, 1998. 575p.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Especial do Meio Ambiente. Inventário florestal contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2002. 706 p. (Relatório Técnico).

SABOGAL, C. Regeneration of tropical dry forests in Central America, with examples from Nicaragua. Journal of Vegetation Science, Washington, v.3, p.407-416, 1992.

SANQUETTA, C. R. et al. Dinâmica da composição florística de um fragmento de floresta ombrófila mista no centro-sul do Paraná. Revista Ciências Exatas e Naturais, Irati, n.2, p.77-88, 2000.

SCHNEIDER, P. R.; SCHNEIDER, P. S. P.; SOUZA, C. A. M. Análise de regressão aplicada a Engenharia Florestal. 2.ed. Santa Maria: FACOS, 2009. 294p.

SILVA, J. A. et al. Estrutura e Composição Florística da Reserva Genética Florestal de Caçador, estado de Santa Catarina. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2004. 29p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 68).

SOUZA, A. F. Ecological interpretation of multiple population size structures in trees: The case of Araucaria angustifolia in South America. Austral Ecology, Adelaide, v.32, p.524-533, 2007.

SOUZA, A. F. et al. Regeneration patterns of a long-lived dominant conifer and the effects of logging in southern South America. Acta Oecologica, v.34, p.221-232, 2008.

WHITMORE, T. C. An introduction to tropical rain forests. Oxford: Science Publications, 1998. 282p.

ZANON, M. L. B. Crescimento da Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze diferenciado por dioicia. 2007. 110f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509824211

Licença Creative Commons