O DIREITO À AUTOIDENTIFICAÇÃO DOS POVOS INDÍGENAS COMO DIREITO FUNDAMENTAL

Pedro Pulzatto Peruzzo, Giulia Ozi

Resumo


O presente estudo propõe uma reflexão a respeito do direito à autoidentificação dos povos indígenas e da possibilidade de considerá-lo como direito fundamental. Temos como hipótese que ao eleger a democracia como regime de governo e ao dizer que os direitos e garantias expressos na Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que o Brasil seja parte, o parágrafo 2º do artigo 5º da Carta Política alça o direito à autoidentificação previsto em documentos internacionais de direitos humanos ao estatuto de direito fundamental. Essa hipótese é desenvolvida neste artigo a partir de referenciais da Antropologia e da Ciência Política que debatem a centralidade da autoidentificação para o pleno gozo de outros direitos da personalidade, considerando nosso histórico colonial de anulação da dignidade de grupos culturalmente diferenciados.


Palavras-chave


Autoidentificação; povos indígenas; direito às diferenças; direito fundamental

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Origens do Totalitarismo – Antissemitismo, Imperialismo, Totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BARALDI, C. B. F. PERUZZO, P. P. Democracia e Direitos Humanos: a participação social das minorias. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, RS, v. 10, n. 1, p. 347-370, out. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistadireito/article/view/19769. Acesso em: 06 ago. 2018.

BERNARDES, M. N. Sistema Interamericano de Direitos Humanos como Esfera Pública Transnacional: Aspectos Jurídicos e Políticos da Implementação de Decisões Internacionais. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos(Impresso), v. 15, p. 135-156, 2011. p. 135-156.

BITTAR, E. C. B. Reconhecimento e direito à diferença: teoria crítica, diversidade e a cultura dos Direito Humanos. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 104, p. 551-565, 2009.

BITTAR, E. C. B. O Decreto 8.243/2014 e os desafios da consolidação democrática brasileira. In. Revista de Informação Legislativa (online). v. 51. n. 203, p. 7-38 ,jul/set, 2014. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/507403. Acesso em: 06 ago. 2018.

BRAND, A. Mudanças e continuísmos na política indigenista pós- 1988.Etnodesenvolvimento e políticas públicas: bases para uma nova política indigenista II. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/LACED (2002). Disponível em: http://laced.etc.br/site/arquivos/03-Estado-e-Povos-Indigenas.pdf. Acesso em: 06 ago. 2018.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade Relatório Final. Texto. Violações de direitos humanos dos povos indígenas. p. 203-264. Brasília, 2014.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. A sociologia do Brasil indígena: ensaios. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro. São Paulo: Editora da USP, 1972.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Identidade étnica, identificação e manipulação. Sociedade e Cultura, v. 6, n. 2, p. 117-131, 2007. P.120.

CARVALHO, P. et al. Amazônia indígena: conquistas e desafios. Estudos avançados, v. 19, n. 53, p. 237-255, 2005.

CUNHA, M. C. Os Direitos do Índio: ensaios e documentos. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CUNHA, M. C. Política Indigenista no Século XIX. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org) et. al. História dos Índios no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, Fapesp, 1992.

CUNHA, M. C. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac, Naify, 2009.

FLORINDO DA SILVA, H.; KROHLING, A. A interculturalidade dos direitos humanos e o novo constitucionalismo latino-americano– do universalismo de partida ao universalismo de chegada. Revista Quaestio Iuris, v. 9, n. 3, p. 1212-1237, 2016.

FLORES, J. H. Direitos humanos, interculturalidade e racionalidade de resistência. Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, 2009.

GALEANO, E. Veias Abertas da América Latina. São Paulo: LPM, 2010.

GOMES, M. P. Os Índios e o Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1988.

GONZÁLEZ CASANOVA, P. Colonialismo interno (uma redefinição). In. Boron, Atilio A.; Amadeo, Javier; Gonzalez, Sabrina. (org.) A teoria marxista hoje. Problemas e perspectivas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p. 431-458, 2007.

HANSEN, T. F. O pensamento jurídico sobre o indígena em períodos de modernização. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 06, n. 11, p. 326-347, 2015.

LAGO ALBUQUERQUE, Antonio Armando. Multiculturalismo e direito à autodeterminação dos Povos Indígenas. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2008.

LAFER, C. A reconstrução dos direitos humanos – Um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

LUCIANO, G. S.O Índio Brasileiro:o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

MATHIAS, F; YAMADA, E. Declaração da ONU sobre direitos dos povos indígenas. In: Povos Indígenas no Brasil. Disponível em: http://pib.socioambiental.org/pt/c/direitos/internacional/declaracao-da-onu-sobre-direitos-dospovos-indigenas. Acesso em 08 ago. 2018.

MOREIRA, E; PIMENTEL, M. O Direito à autoidentificação de povos e comunidades tradicionais no Brasil. Goiânia: Fragmentos da Cultura, v.25, p.159-170, abr./jun. 2015. Diponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/fragmentos/article/view/4177. Acesso em: 23 jul. 2020.

O’DWYER, E. C. Os quilombos do trombetas e do erepecuru-cuminá. In: Quilombos Identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

OLIVEIRA, J. P; FREIRE, C. A. R. A Presença Indígena na Formação do Brasil. Brasília: SECAD/MEC; UNESCO; LACED/UFRJ, 2006. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me004372.pdf. Acesso em: 08 ago. 2018.

OZI, G. PERUZZO, P. FUNAI nega direito à autodeclaração aos povos indígenas. Disponível em: http://justificando.com/20L17/08/18/funai-nega-direito-autodeclaracao-aos-povos-indigenas/. Acesso em: 08 ago. 2018.

PERRONE-MOISÉS, B. Índios Livres e Índios Escravos: Os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org) et. al. História dos Índios no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, Fapesp, 1992.

PERUZZO, P. P. Direitos humanos, povos indígenas e interculturalidade. Revista Videre (ON LINE), v. 8, p. 4-18, 2016. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/videre/article/view/5594/3136. Acesso em: 23 jul. 2020.

PERUZZO, P. P. Direito à consulta prévia aos povos indígenas no Brasil. Direito & Praxis, v. 8, p. 1-33, 2017.

PERUZZO, P. P.; LOPES, L. S. . Afirmação e promoção do direito às diferenças da pessoa com deficiência e as contribuições do Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Revista eletrônica do curso de Direito da UFSM, v. 14, p. 1-33, 2019. DOI: https://doi.org/10.5902/1981369435067. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistadireito/article/view/35067. Acesso em: 23 jul. 2020.

RAMOS, A. R. O índio hiperreal, s/d. Disponível em: https://acervo.socioambiental.org/sites/default/files/documents/K1D00051.pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.

ROUANET, S. P. Universalismo concreto e diversidade cultural. Identidade e globalização: impasses e perspectivas da identidade e a diversidade cultural. Rio de Janeiro: Casa Rui Barbosa, p.99-112, 2005.

SANTILLI, J. (Org.). Os Direitos Indígenas e a Constituição. Porto Alegre: Fabris, 1991.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: O social e o político na pós-modernidade. Porto: Edições Afrontamento, 1994.

SANTOS, M.[1987]. O Espaço do Cidadão. 7.ed.São Paulo: Universidade de São Paulo. 2012.

SAWAIA, Bader Burihan. Comunidade como ética e estética da existência. Uma reflexão Mediada pelo conceito de identidade. Psykhe, v. 8, n. 1, p. 19-25, 2011.

SILVA, José Afonso da. Comentário Contextual à Constituição. São Paulo: Malheiros, 5. ed. 2008.

URQUIDI, V. G. F. Descolonização e Estados Plurinacionais. 35o Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, p. 1-30, 2011.

VIVEIROS DE CASTRO, E. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. Entrevista. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/files/file/PIB_institucional/No_Brasil_todo_mundo_%C3%A9_%C3%ADndio.pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369434252

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)