#VAMOVIRARUM2020SEMPRECONCEITO? – imagem-currículo e cultura visual

Anderson Ferrari, Danilo Araujo de Oliveira

Resumo


A partir dos estudos da cultura visual, da contribuição do campo teórico curricular e apoiados nas teorias pós-críticas, analisamos o funcionamento de uma imagem-currículo. O artigo explora a necessidade de atenção para as experiências diárias do visual, as contribuições da imagem para o campo da educação, focando nos processos educativos dos currículos que acontecem e estão em funcionamento no cotidiano. Assim, desenvolvemos o argumento de que a imagem-currículo aqui investigada introduz questionamentos e fabrica lacunas no pensamento, modificando o que é visto e dito, o que se vê e o que se diz, o que se faz e o que se pode fazer com que os sujeitos pensam sobre as verdades às quais eles se vinculam e sobre o que pensam sobre si mesmos.


Palavras-chave


Imagem. Cultura visual. Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Antônio Carlos. Imagens para Nilda Alves; Nilda Alves entre imagens. Revista Teias v. 13, n. 29, p. 47-59, n. especial 2012

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performática de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2018.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018a.

BERINO, Aristóteles de Paula; Carvalho, Carlos Roberto de; Passos, Mailsa; ALVES, Nilda; Sgarbi, Paulo. Sobre conversas. In: MACEDO, Elizabeth; MACEDO, Roberto Sidnei; AMORIM, Antonio Carlos Rodrigues (Orgs.). Discurso, texto e narrativa nas pesquisas em currículo. Campinas: FE/Unicamp; Anped, 2009. Disponível em:<< http://www.fe.unicamp.br/gtcurriculoanped/documentos/LivroDigital_Amorim2009.pdf>>. Acesso em: 10 mar. de 2020.

CORAZZA, Sandra Mara. O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em educação. São Paulo: Vozes, 2001.

DIAS, Belidson. Açoitamentos: os locais da sexualidade e gênero na arte/educação contemporânea. Visualidades: Revista do Programa de Mestrado em Cultura Visual/ Faculdade de Artes Visuais, v. 4, n. 1 e 2, Goiânia: UFG, p. 101-132, 2006.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GIROUX, Henry A. A disneyzação da cultura infantil. In: SILVA, Tomaz Tadeu da MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa (org.) Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 2001.

HEAD, Scott. Olhares e feitiços em jogo: uma luta dançada entre imagem e texto. In: GONÇALVES, Marco Antonio; HEAD, Scott. (Orgs.). Devires imagéticos: a etnografia, o outro e suas imagens. Rio de Janeiro: 7 letras, 2009. p. 36-67.

LARROSA, Jorge. “Tecnologias do eu e educação”. In: SILVA, Tomaz Tadeu. O sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994, p.35-86.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: Pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2015.

MARTINS, Raimundo. Porque e como falamos da cultura visual? Visualidades: Revista do Programa de Mestrado em Cultura Visual/ Faculdade de Artes Visuais, v. 4, n. 1 e 2, Goiânia: UFG, p. 65-80, 2006.

PARAÍSO, Marlucy. Pesquisas Pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, m. 122, p. 283-303, 2004.

______. Currículo e Mídia Educativa Brasileira: poder, saber e subjetivação. Chapecó: Argos, 2007.

______. Composições curriculares: culturas e imagens que fazemos e que nos fazem. Educação Temática Digital, Campinas, v.9, n. esp., p.108-125, out. 2008.

______. Currículo e formação profissional em lazer. In: ISAYAMA, Hélder Ferreira (Org.). Lazer em estudo: Currículo e Formação Profissional. Campinas (SP): Papirus. 2010a.

______. Contribuições dos Estudos Culturais para o currículo. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 10, n. 55, p. 53-61, jan./fev. 2004.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

POCAHY, Fernando. Marcas do poder: o corpo (do) velho-homossexual nas tramas da hetero e da homonormatividade. Fazendo Gênero 8. Florianópolis, 2008.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação & Realidade, v. 20, n. 2, Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1995.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734842976

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio