O curso de pedagogia entre deliberações

Adriana Varani, Dirce Zan, Luciane Aparecida Grandin

Resumo


Num contexto de redefinição dos cursos de licenciatura em nível nacional, posicionamentos e concepções distintas são pautadas e entram em disputa. O presente texto tem como objetivo apresentar e refletir sobre uma destas disputas, o processo de regulação dos cursos de licenciatura, mais especificamente o de Pedagogia, no cenário de aprovação da deliberação 111/12 do Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo. Tal reflexão se dá a partir de nossa experiência como docentes de uma universidade pública paulista. Para tanto iniciamos com a breve contextualização do quadro histórico do referido curso, desde sua fundação com a perspectiva de formação de especialistas, passando pela organização de movimentos de profissionais da educação na luta por uma formação de professores em nível universitário. Com o objetivo de definir uma política para a formação de professores dos anos iniciais e dos anos finais do ensino fundamental das instituições públicas de ensino superior em São Paulo, em 2012 o CEE apresenta uma proposta de deliberação sobre o assunto. Tal apresentação provoca questionamentos diversos, desde o conteúdo voltado para um olhar eminentemente prático para a ação docente, passando pela compreensão de como tal deliberação e o discurso que o acompanhou, via mídia, anunciava uma interferência na autonomia didático-científica da universidade, prevista na Constituição de 1988. Com esta discussão gostaríamos de trazer à tona uma realidade local que reflete e retrata políticas de dimensão nacional no campo da formação de professores.


Palavras-chave


Formação Inicial de Professores; Pedagogia; Autonomia universitária.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Parecer CNE/CP 5, 13.12.2005. Brasília, 2005. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pcp05_05.pdf.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=

download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192.

BOURDIEU, Pierre. Esboço para uma auto-análise. Lisboa; Edições 70, 2005.

CONSELHO impõe mais aula prática na pedagogia de USP, UNESP E UNICAMP, Folha de São Paulo, 24 maio, 2014. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2014/05/1463037-conselho-impoe-mais-aula-pratica-na-pedagogia-de-usp-unesp-e-unicamp.shtml.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A questão da autonomia universitária. Universidade e Sociedade, ano 1, n. 2, p. 25-29, nov. 1991.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação e Sociedade., Campinas, v. 36, nº. 131, p. 299-324, abr.-jun., 2015

FREITAS, Helena Costa Lopes de. O Trabalho como Princípio articulador da Teoria-Prática: Uma análise da Prática de Ensino e Estágios Supervisionados na Habilitação Magistério do Curso de Pedagogia da FE-UNICAMP. 1993. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas.

GERALDI, Corinta Maria Grisolia. (Org.). Cartografias do trabalho docente: Professor (a)-Pesquisador(a). Campinas/SP. Mercado de letras. 1998.

GOODSON, Ivor. O currículo em mudança: Estudos na construção social do currículo. Porto – Portugal. Porto. 2001.

SACRISTAN, Jose Gimeno. O que significa currículo? In: SACRISTÀN, J. Gimeno (Org.) Saberes e incertezas sobre o currículo. Tradução: Alexandre Salvaterra; Revisão técnica: Miguél Arroyo. Penso, Porto Alegre, 2013.

SÃO PAULO. Conselho Estadual de Educação. Fixa Diretrizes Curriculares Complementares para a Formação de Docentes para a Educação Básica nos Cursos de Graduação de Pedagogia, Normal Superior e Licenciaturas, oferecidos pelos estabelecimentos de ensino superior vinculados ao sistema estadual. Deliberação CEE N° 111/2012. São Paulo, Diário oficial do Estado, 03/02/2012 - Seção I, Página 46

SÃO PAULO. Conselho Estadual de Educação. Fixa Diretrizes Curriculares Complementares para a Formação de Docentes para a Educação Básica nos Cursos de Graduação de Pedagogia, Normal Superior e Licenciaturas, oferecidos pelos estabelecimentos de ensino superior vinculados ao sistema estadual. Deliberação CEE nº 154/2017. São Paulo, Diário Oficial do Estado de São Paulo, 7 de Junho de 2017. Disponível em http://www.ccg.unicamp.br/index.php/cpfp/legislacao

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p. 143-155, abr. 2009. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=

S1413-24782009000100012&lng=pt&nrm=iso.

SAVIANI, Demerval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP; Autores Associados, 2008.

SCHEIBE, Leda. Diretrizes curriculares para o curso de pedagogia: trajetória longa e inconclusa. Cad. Pesqui. [online]. 2007, vol.37, n.130 [cited 2018-10-15], pp.43-62. Dsiponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-157420

&lng=en&nrm=iso.

SCHEIBE, Leda; AGUIAR, Márcia Ângela. Formação de profissionais da educação no Brasil: o curso de pedagogia em questão. Educ.

Soc., Campinas, v. 20, n. 68, p. 220-238, Dec. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid

=S0101-73301999000300012&lng=en&nrm=iso.

Schwartzman, Simon. A Autonomia Universitária e a Constituição de 1988, Folha de São Paulo, 12 dez, 1988. Disponível em http://www.schwartzman.org.br/simon/cont8

htm. Acesso em 30 de abril de 2018.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644435265

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar