Formação de professores de Geografia no Brasil: considerações sobre políticas de formação docente e currículo escolar

Natália Lampert Batista, Cesar De David, Tascieli Feltrin

Resumo


Pensar a formação docente, tanto inicial como continuada, é essencial na contemporaneidade. Além disso, compreender como se dá a articulação dessa formação com os currículos escolares se torna urgente e imprescindível. Por isso, tem-se por objetivo deste trabalho refletir sobre a articulação entre políticas de formação inicial docente (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência e Residência Pedagógica) e de formação continuada de professores com o documento norteador da educação básica no país (Base Nacional Comum Curricular). Como fundamento metodológico, emprega-se a revisão bibliográfica sobre as principais políticas públicas educacionais vigentes tanto no âmbito da educação básica quanto no campo da formação de professores. Percebe-se que existe uma tendência de articulação entre o que vem sendo pensado enquanto política de formação, especialmente, a nível inicial, com a Base Nacional Comum Curricular. Por outro lado, a orientação curricular produz um esvaziamento de muitos temas ligados a Geografia e isso deve ser questionado durante os processos de formação docente. Logo, essa dialética entre formação docente e currículo escolar se mostra complexa e justifica a demanda de estudos na busca por compreendê-la. 


Palavras-chave


Formação inicial; Formação continuada; Currículo; Geografia.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


AZEVEDO, A. C. F; SACRAMENTO, A. C. R. O currículo Mínimo de Geografia frente às políticas curriculares nacionais. In: XVIII Encontro Nacional de Geógrafos – A construção do Brasil: geografia, ação política e democracia, São Luís / MA, Anais. São Luís: AGB, 2016.

BATISTA, N. L. Cartografia Escolar, Multimodalidade e Multiletramentos para o ensino de Geografia na Contemporaneidade. 181 páginas. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2019.

BATISTA, N. L; FELTRIN, T; BECKER, E. L. S. Autoformação docente e formação continuada: olhares autobiográficos sobre a formação de professores da educação básica. In: SOEIRA, E. R; BRASILEIRO, R. M. O. (Org.). Formação de professores para a educação básica: inovações, desafios e tensões. Rio de Janeiro: Dictio Brasil, 2019, p. 188-221.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: Ministério da Educação, 2015.

BRASIL. Portaria nº 45, de 12 de março de 2018. Dispõe sobre a concessão de bolsas e o regime de colaboração no Programa de Residência Pedagógica e no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). Brasília: Ministério da Educação, 2018.

CAMILO COSTA, H; FLOREZ, P; STRIBEL, G. P. Teoria Curricular e a Geografia: convites à reflexão sobre a BNCC. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 9, p. 86-108, 2019.

FREITAS, A. S. F; TERAMATSU, G; STRAFORINI, R. As dimensões territorial e política do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Revista Terra Livre, v. 1, p. 75-113, 2017.

GIROTTO, E. D. Entre o abstracionismo pedagógico e os territórios de luta: a base nacional comum curricular e a defesa da escola pública. Horizontes (EDUSF), v. 36, p. 16-30, 2018.

GIROTTO, E. D. Dos PCNs à BNCC: o ensino de geografia sob o domínio neoliberal. GEO UERJ, v. 1, p. 419-439, 2017.

GOMES, M. R. C. Formação de Professores em Contexto Atual. Revista de Educação (Itatiba), v. 14, p. 103-125, 2011.

MARTINAZZO, C. O desafio curricular do ensino por disciplinas na sociedade do conhecimento. In: MARTINAZZO, C; BARBOSA, M. G; DRESCH, O. I. A educação escolar em um mundo complexo multicultural. Ijuí/RS: Unijuí, 2016, p.147-166.

MARTINAZZO, C; DRESCH, O. I. Reflexões sobre saber-fazer docente na contemporaneidade. In: MARTINAZZO, C; BARBOSA, M. G; DRESCH, O. I. A educação escolar em um mundo complexo multicultural. Ijuí/RS: Unijuí, 2016, p.173-190.

MOREIRA, A. F. B. Currículo, cultura e formação de professores. Educar em Revista, Curitiba, v. 17, n.0, p. 39-52, 2001.

NÓVOA, A. Entrevista com Antonio Nóvoa. In: Revista Nova Escola. 2016. Disponível em http://novaescola.org.br/conteudo/179/entrevista-formacao-antonionovoa. Acessado em setembro de 2016.

PIRES, L. M; CAVALCANTI, L. S. Flexibilização como princípio curricular da formação de professores de geografia. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 8, p. 63-86, 2018.

REGO, N; COSTELLA, R. Educação geográfica e ensino de geografia, distinções e relações em busca de estranhamentos. Signos Geográficos, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2019.

SILVA, K. A. P. C; CRUZ, S. P. S. A Residência Pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Revista Momento: diálogos em Educação, v. 27, p. 227, 2018.

STRAFORINI, R. O Ensino de Geografia como Prática Espacial de Significação. Estudos Avançados, v. 32, p. 175-195, 2018

VEIGA, I. P. A. Professor: tecnólogo de ensino ou agente social. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Formação de professores: políticas e debates. Campinas, SP: Vozes, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499441062

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas