O trabalho de campo na formação do pensamento e do raciocínio geográfico do professor

Carina Copatti

Resumo


O objetivo deste artigo é debater sobre a importância do trabalho de campo na formação do pensamento e do raciocínio do professor de Geografia e utilizar uma experiência vivenciada no Chile para abordar alguns aspectos que contribuem ao processo de formação. Como questão central visa responder: de que maneira, pela experiência de trabalho de campo, pode-se construir o pensamento e o raciocínio geográfico do professor, contribuindo à formação profissional e à educação geográfica? Para tanto, a pesquisa teórico-bibliográfica, com base em autores que abordam temas como pensamento geográfico, formação de professores e trabalho de campo, compõe a tessitura da reflexão entrecortada com uma experiência de trabalho de campo realizada na região Los Lagos – Chile (2018). As experiências de trabalho de campo, quando bem organizadas e fundamentadas, contribuem à formação e para que o professor realize a leitura do espaço, de seus elementos e das relações que nele são construídas e reconstruídas continuamente, tendo condições de contribuir para a educação geográfica, processo essencial no ensino de geografia.


Palavras-chave


Formação de professores; Pensamento geográfico de professor; Raciocínio geográfico; Trabalho de campo.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


CALLAI, Helena C. Entrevista. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 6, n. 11, p. 6-20, jan./jun. 2016.

CALLAI, Helena C. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANNI, A. C. (Org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, p. 71-114, 2012.

CALLAI, Helena C. A formação do profissional da geografia. Ijuí: Ed. Unijuí, 1999.

CASTELLAR, Sonia M. Vanzela. Educação geográfica: a psicogenética e o conhecimento escolar. Cad. Cedes, Campinas, vol. 25, n. 66, p. 209-225, maio/ago. 2005.

CAVALCANTI, Lana de S. A geografia escolar e a cidade: ensaios sobre o ensino de Geografia para a vida urbana cotidiana. Campinas, SP: Papirus, 2008.

CHILE. Conselho Nacional de la Cultura y las Artes. Portadores de patrones especiales y tipos constructivos. Disponível em: http://www.portadores.uc.cl/destinos_llanquihue_oriente_eng.html. Acesso em setembro, 2018.

COPATTI, Carina. Pensamento pedagógico geográfico e autonomia docente na relação com o livro didático: percursos para a educação geográfica. (Tese) Pós-graduação em Educação nas Ciências. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Ijuí, 2019.

CORREA, R. L. Trabalho de campo e globalização. Colóquio O discurso Geográfico na Aurora do século XXI. Programa de pós-graduação em Geografia - UFSC. Florianópolis: 27-29 de novembro de 1996.

GARRIDO, M. El Espacio por Aprender, el Mismo que Enseñar. Las Urgencias de la Educación Geográfica. Cedes Campinas, v. 25, n. 66, p. 137-163, 2005.

HARVEY, David. O espaço como palavra-chave [2006]. Em pauta, Rio de Janeiro, n. 35, v. 13, p. 126-152, 2015.

LEFEBVRE, Henri. Prefácio – A produção do espaço. 1974. Estudos avançados, n. 27 (79), 2013.

MARTIJA, Andoni Arenas. SILVA, Víctor Salinas. Giros en la Educación Geográfica: renovación de lo geográfico y lo educativo. Revista de Geografía Norte Grande, n. 56: p. 143-162, 2013.

REGO, Nelson. Geração de ambiências: três conceitos articuladores. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 46-53, jan./abr. 2010.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. 4.ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SUERTEGARAY, Dirce M. Notas sobre epistemologia da Geografia. Cadernos Geográficos. Florianópolis, n. 12, maio, 2005.

TOMITA, Luiza M. S. Trabalho de campo como instrumento de ensino em Geografia. Geografia, Londrina, v. 8, n. 1, p. 13-15, jan./ jun. 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499439981

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas