Diretrizes para desbaste de Pinus taeda L. em função da altura dominante

Veridiana Padoin Weber, César Augusto Guimarães Finger, Frederico Dimas Fleig, Carlos Alberto Martinelli de Souza, Felipe Fortuna Munareto, Lorenzo Teixeira de Melo da Silva

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050988453

Para um máximo crescimento e produção florestal de qualidade, são necessários estudos científicos sobre técnicas de manejo que venham resultar em um maior retorno econômico. Uma técnica muito utilizada na produção de florestas é o desbaste, pois aumenta o crescimento individual das árvores remanescentes. O objetivo desse estudo é elaborar um sistema de curvas guias para expressar o número potencial de árvores por hectare que a floresta poderá manter em função da altura dominante, como auxiliar na determinação dos desbastes. Os dados foram cedidos pelas empresas Cambará S.A., Klabin S.A., Reflorestadores Unidos S.A. e Petropar, onde foram coletadas 187 amostras, sendo duas árvores dominantes por unidade, totalizando 374 árvores dominantes. Na seleção da equação foram considerados os parâmetros estatísticos do coeficiente de determinação ajustado (R²aj), coeficiente de variação (CV), valor de F calculado, valor do Qui-quadrado (χ²) e a análise dos resíduos. A equação selecionada foi a de número 5, porém, observa-se que as equações 5 e 6 são muito próximas em relação a todos os critérios de seleção utilizados. A análise comparativa das equações de regressão desenvolvidas de forma independente para as três regiões de amostragem apontou haver diferença significativa entre elas. Como não houve interação entre a variável “Local” e a variável hdom, foi calculada uma regressão para o Local 2 e outra para os Locais 1 e 3, pois essas regressões diferiram significativamente apenas quanto ao intercepto, apresentando paralelismo. A análise dos resíduos mostrou que as equações desenvolvidas para cada local não apresentaram tendência de super ou subestimação, portanto, o uso da altura dominante como variável independente é eficiente para descrever as diretrizes para desbaste nos povoamentos de Pinus taeda L. estudados.

Palavras-chave


desbaste; árvores dominantes; crescimento e produção

Texto completo:

PDF

Referências


AMBIENTE BRASIL. Florestal. Disponível em: . Acesso em: 8 nov. 2006.

ASSMANN, E. The Principles of Forest Yield Study. Müchen: BLV, 1961. 490 p.

CLIMA BRASILEIRO. Região Sul. Disponível em: . Acesso em: 02/05/2007.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. 2. ed., Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1989. 422 p.

POTTER, R. O. et al. Solos do Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2004. 745 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 46).

SANQUETTA, C. R. et. al. Produção de madeira para laminação em povoamentos de Pinus taeda submetidos a diferentes densidades e regimes de desbaste: uma abordagem experimental. Revista Floresta. Curitiba, v. 28, n. 1-2, p. 83-99. 1998.

SCHEEREN, L. W. Estruturação da produção de povoamentos monoclonais de Eucalyptus saligna Smith manejados em alto fuste. 2003. 181 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2003.

SCHNEIDER, P. R. Análise de Regressão Aplicada a Engenharia Florestal. 2. ed. Santa Maria: UFSM. CEPEF, 1998. 236 p.

SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Determinação de regimes de desbaste para povoamentos de Pinus elliottii E. do planalto ocidental no estado de Santa Catarina. Ciência Florestal. Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 43-59. 1994.

SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Influência da intensidade do desbaste sobre o crescimento em altura de Pinus elliottii E. Ciência Florestal. Santa Maria, v. 3, n. 1, p. 171-184. 1993.

SCOLFORO, J. R. S.; MACHADO, S. A. Um sistema de crescimento e produção com simulador de desbaste. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 50, p. 51-64, dez. 1996.

SCOLFORO, J. R. S.; MAESTRI, R.; MACHADO, S. A. Um modelo de crescimento e produção como suporte para manejo florestal. In: CURSO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL, 1997, Colombo. Anais... Colombo: EMBRAPA 1997. p. 1 – 31.

STERBA, H. Waldwachstumskunde: Skriptum zur Lehrveranstaltung 420.020. Wien: Universität für Bodenkultur, Institut für Waldwachstumsforschung, 2006. 129 p.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EMATER/RS, UFRGS. 1. ed. 107 p. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050988453

Licença Creative Commons