Determinação de equações da produção de tanino de acácia-negra, Acacia mearnsii De Wild.

Paulo Renato Schneider, Shirlei Beti de Aguiar Camillo, César Augusto Guimarães Finger, Sônia Maria Bitencurt Frizzo

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de determinar funções para estimar a produção de tanino de Acacia mearnsii De Wild, em quilogramas por árvore e por hectare. Para tanto, foram levantadas informações dendrométricas em 32 unidades amostrais, estratificadas por idade de 3,5 aos 8,5 anos, em classes de sítio bom, médio e ruim, e cobrindo diferentes espaçamentos. A determinação do teor de tanino foi realizada com base em 64 árvores das quais, 32 foram tomadas entre as de diâmetro médio e 32 entre as de altura dominante. Os resultados obtidos permitiram concluir que:  a) a produção de tanino por árvore em quilograma (PTA)  pode ser estimada em função do diâmetro (d), expresso em cm; altura (h), em metros e do espaço médio entre as árvores (EM), em metros, através de uma das equações: ln PTA = - 6,0141145 + 2,43202867 . ln d + 1,0413106 . ln EM; ln PTA = - 5,853512 + 1,53029074 . ln d + 0,38185298 . ln (d²h); b) a produção de tanino em quilogramas por hectare (PT) foi expressa em função da área basal (G), expressa em m2/ha, e da altura dominante (ho) em metros, podendo ser estimada pela equação: ln PT = 3,5222278 + 1,1417977 . ln G + 0,2031873 . ln ho.


Palavras-chave


Produção; tanino; <i>Acacia mearnsii</i>; acácia-negra.

Texto completo:

PDF

Referências


FOLIN, O. & CIOCALTEAU, V. On Tyrosine on Triptophane determinations in proteins. J. Biol. Chem., v.73, n.2, p.627-651. 1927.

MINISTÉRIO DO INFERIOR . Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Divisão do Brasil em Microregiões Homogêneas, Rio de Janeiro, 1986.

MINISTÉRIO DO INFERIOR . IX Recenseamento Geral do Brasil. Rio de Janeiro, v. 2, t. 3, n. 22, 1ª e 2ª parte. 1980.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Oficinas Gráficas da Secretaria da Agricultura - RS, 1961. 34p.

OLIVEIRA, H. A. Acácia-negra e tanino no Rio Grande do Sul. Canoas: La Salle, 1968. V.2, 121p.

PEREIRA, J. C. D.; MAETRI, R.; LAVORATI, O. J. O efeito do anelamento basal na produção de tanino em acácia-negra. Curitiba: Embrapa-Centro Nacional de Pesquisa de Florestas, 1985. 3p.

POSENATO, R. E. Ensaio de espaçamento em acácia-negra. Roessleria, Porto Alegre, v.1, n.1, p.125-130, 1977.

SHERRY, S.P. The Black Wattle (Acacia mearnsii). Pietermoritzburg: University of Natal Press, 1971. 402p.

SCHNEIDER, P. R. & SILVA, J.A. Índice de sítio para acácia-negra, Acacia mearnsii De Wild. Brasil Florestal, Santa Maria, v. 36, p.58-82, 1980.

SILVA, M.G. & FIZZO, S.M. Determinação de tanino na casca de Acacia mearnsii De Wild. em diferentes altura do tronco. Santa Maria, Ciência e Natura, n.7, 57-61. 1985.

SCHOENAU, A. P. G. A site evolution study in Black Wattle (Acacia mearnsii De Wild.). Ann. Univ. von Stellenbosh, Stellenbosh, v.44, n.2A, p.214, 1969a.

SCHOENAU, A. P. G. Bark sampling at brast heigt to estimate mean tannin and a moisture content in wattle stands. Pietermoritzburg: Wattle Research Institute Report, 1969b. p.64-69.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098370

Licença Creative Commons