EFEITO DE BORDA COMO FONTE DA HETEROGENEIDADE DO COMPONENTE ARBÓREO EM UMA FLORESTA COM ARAUCÁRIA NO SUL DO BRASIL

Francieli Pscheidt, Pedro Higuchi, Ana Carolina da Silva, Tássio Dresch Rech, Bruna Salami, Tiago de Souza Ferreira, Marcelo Bonazza, Marco Antonio Bento

Resumo


Objetivou-se avaliar as alterações na organização de uma comunidade arbórea causadas pelo efeito de borda em um remanescente de Floresta com Araucária no sul do Brasil. Foram instaladas cinco transeções de 100 x 20 m na área de estudo, perpendiculares às bordas florestais, subdivididas em dez parcelas. Foi definido como setor borda a distância de 0-50 m e o interior, após 50 m. Todas as árvores com circunferência na altura do peito ≥ 15,7 cm foram mensuradas, identificadas e classificadas em guildas de regeneração. Os setores foram comparados por meio do teste t, para variáveis com distribuição normal, teste de Mann-Whitney, para distribuições não normais, rarefação, para a riqueza, e teste de qui-quadrado aplicado a uma tabela de contingência, para verificar a distribuição dos indivíduos das diferentes guildas de regeneração. A setorização em função da borda e interior representou uma importante fonte de heterogeneidade florestal, uma vez que a parte mais marginal do fragmento caracterizou-se por apresentar um componente arbóreo de maior densidade, menor altura média e predomínio de indivíduos de espécies exigentes em luz. Do ponto de vista de conservação da biodiversidade da Floresta com Araucária, o presente estudo sugere a necessidade da conservação de fragmentos cujo tamanho e configuração espacial permitam a existência de áreas de interior, com o propósito de contemplar a proteção de espécies não tolerantes às condições de borda.


Palavras-chave


Floresta Ombrófila Mista; fragmentos florestais; Planalto Catarinense

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

BAUERMANN, S. G.; BEHLING, H. Dinâmica paleovegetacional da Floresta com Araucária a partir do final do Pleistoceno: o que mostra a palinologia. In: FONSECA, C. R. et al. (Org.). Floresta com Araucária: ecologia, conservação e desenvolvimento. Ribeirão Preto: Holos, 2009. p. 35-38.

CARLUCCI, M. B. et al. Edge expansion of Araucaria forest over southern Brazilian grasslands relies on nurse plant effect. Community Ecology, Budapeste, v. 12, n. 2, p. 196-201, 2011.

DUARTE, L. S. et al. Role of nurse plants in Araucaria Forest expansion over grassland in south Brazil. Austral Ecology, Malden, v. 31, n. 4, p. 520-528, 2006.

DÜMIG, A. et al. Araucaria forest expansion on grassland in the southern Brazilian highlands as revealed by 14 C and δ 13 C studies. Geoderma, Amsterdam, v. 145, n. 1, p. 143-157, 2008.

FERREIRA, T. S. et al. Composição florístico-estrutural ao longo de um gradiente de borda em fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-Montana em Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 1, p. 123-134, 2016.

GASPER, A. L. et al. Inventário florístico florestal de Santa Catarina: espécies da Floresta Ombrófila Mista. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 2, p. 201-210, 2013.

HADDAD, N. M. et al. Habitat fragmentation and its lasting impact on Earth’s ecosystems. Science Advances, Washington, v. 1, n. 2, p. 1-9, 2015.

HIGUCHI, P. et al. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 145-157, 2012.

KAPOS, V. Effects of isolation on the water status of forest patches in the Brazilian Amazon. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 5, n. 2, p. 173-185, 1989.

KERSTEN, R. A.; GALVÃO, F. Suficiência amostral em inventários florísticos e fitossociológicos. In: FELFILI, J. M. et al. (Org.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa, MG: Editora UFV, 2011. p. 156-173.

LAURANCE, W. F. et al. Ecosytem decay of Amazonian Forest fragments: a 22-year investigation. Conservation Biology, Hoboken, v. 16, n. 3, p. 605-618, 2002.

LAURANCE, W. F. et al. Rapid decay of tree-community composition in Amazonian forest fragments. Proceedings of the National Academy of Sciences, Washington, v. 103, n. 50, p. 19010-19014, 2006.

LÔBO, D. et al. Forest fragmentation drives Atlantic forest of northeastern Brazil to biotic homogenization. Diversity and Distributions, Malden, v. 17, n. 2, p. 287-296, 2011.

MALCOLM, J. R. Edge effects in Central Amazonian forest fragments. Ecology, Ithaca, v. 75, n. 8, p. 2438-2445, 1994.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley, 1974. 547 p.

MURCIA, C. Edge effects in fragmented forest: implications for conservation. Trends in Ecology & Evolution, Londres, v. 10, n. 2, p. 58-62, 1995.

OKSANEN, J. et al. Vegan: Community Ecology Package. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

OLIVEIRA FIHO, A. T. et al. Effects of soils and topography on the distribution of tree species in a tropical riverine forest in south-eastern Brazil. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, n. 4, v. 10, p. 483-508, 1994.

OOSTERHOORN, M.; KAPPELLE, M. Vegetation structure and composition along an interior-edge-exterior gradient in a Costa Rican montane cloud forest. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 126, n. 3, p. 291-307, 2000.

PSCHEIDT, F. et al. Variações florístico-estruturais da comunidade arbórea associadas à distância da borda em um fragmento florestal no Planalto Sul Catarinense. Floresta, Curitiba, v. 45, n. 2, p. 421-430, 2015.

PÜTZ, S. et al. Fragmentation drives tropical forest fragments to early successional states: a modelling study for Brazilian Atlantic forests. Ecological Modelling, Amsterdam, v. 222, n. 12, p. 1986-1997, 2011.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. [2016]. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2016.

ROBERTS, D. W. labdsv: ordination and multivariate analysis for ecology. [2016]. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2016.

SARAIVA, D. D. Composição e estrutura de uma floresta ribeirinha no sul do Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 24, n. 4, p. 49-58, 2011.

SILVA, A. C. et al. Caracterização fitossociológica e fitogeográfica de um trecho de floresta ciliar em Alfredo Wagner, SC, como subsídio para restauração ecológica. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 579-593, 2013.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, 2012.

SWAINE, M. D.; WHITMORE, T. C. On the definition of ecological species groups in tropical rain forests. Plant Ecology, Dordrecht, v. 75, n. 1-2, p. 81-86, 1988.

TABARELLI, M.; LOPES, A. V.; PERES, C. A. Edge‐effects drive tropical forest fragments towards an early‐successional system. Biotropica, Malden, v. 40, n. 6, p. 657-661, 2008.

VALIENTE‐BANUET, A. et al. Beyond species loss: the extinction of ecological interactions in a changing world. Functional Ecology, Hoboken, v. 29, n. 3, p. 299-307, 2015.

WILLIAMS-LINERA, G.; DOMÍNGUEZ-GASTELÚ, V.; GARCÍA-ZURITA, M. E. Microenvironment and floristics of different edges in a fragmented tropical rainforest. Conservation Biology, Hoboken, v. 12, n. 5, p. 1091-1102, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832046

Licença Creative Commons