Modificações florístico-estruturais de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista Montana no período entre 1979 e 2000.

Autores

  • Luciano Budant Schaaf UFSM
  • Afonso Figueiredo Filho
  • Franklin Galvão
  • Carlos Roberto Sanquetta
  • Solon Jonas Longhi

DOI:

https://doi.org/10.5902/198050981908

Palavras-chave:

floresta com araucária, fitossociologia, dinâmica, diversidade florística, índices de riqueza

Resumo

Com o objetivo de estudar as alterações florísticas e estruturais ocorridas em uma Floresta Ombrófila Mista, localizada na Estação Experimental da UFPR (São João do Triunfo-PR), nove parcelas de 1 ha cada, avaliadas inicialmente em 1979, foram remedidas em 2000. Em 1979, todos os indivíduos arbóreos com DAP igual ou superior a 20 cm foram identificados e etiquetados e tiveram as suas alturas total e comercial e o diâmetro medidos. Em 2000, usando os mesmos critérios de inclusão, os indivíduos que não haviam sido computados em 1979 foram considerados como ingressos e os não-encontrados como mortos. Em 1979, foram encontradas 2.133 indivíduos, 51 espécies e 29 famílias. No levantamento realizado em 2000, foram encontradas 2.202 indivíduos, 55 espécies e 31 famílias. As famílias Araucariaceae, Aquifoliaceae, Lauraceae, Sapindaceae, Myrtaceae e Canellaceae foram as mais expressivas em termos de quantidade de indivíduos em ambos os levantamentos. Embora nas duas ocasiões, houvesse mais que cinquenta espécies, apenas sete espécies (Araucaria angustifolia, Ilex dumosa, Matayba elaeagnoides, Ocotea porosa, Capsicodendron dinisii, Nectandra grandiflora e Campomanesia xanthocarpa) representavam 80,4% dos indivíduos em 1979 e, no ano 2000, as mesmas sete espécies acrescidas de Ocotea corymbosa responderam por 80,9% do número total de indivíduos. Hovenia dulcis (uva-do-japão), espécie exótica, pelo número de indivíduos adultos e de regeneração, passou a configurar como uma invasora importante do ecossistema. Todos os indicadores estruturais analisados mostraram que a comunidade amadureceu no período estudado e que Araucaria angustifolia acentuou sua dominância. Houve um aumento sensível no grau de ocupação, indicado pela dominância absoluta que passou de 23,52 m2/ha, em 1979, para 28,53 m2/ha em 2000, ou seja, houve um aumento de 21,3%. Isso indica que essa comunidade está em processo de desenvolvimento, ainda não se encontrando completamente estocada. Ficou evidenciado também que a dominância da araucária se acentuou no período, sendo bem provável que tal dominância venha a aumentar ainda mais no futuro. Em relação à diversidade, observou-se que os índices que consideram tanto a quantidade de espécies (riqueza) como a uniformidade da distribuição da densidade, ou seja, os índices de Simpson, U e D de McIntosh, são os que melhor representam as alterações ocorridas no período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASTELLA, P. R.; BRITEZ, R. M. de. A floresta com araucária no Paraná: conservação e diagnóstico dos remanescentes florestais. Curitiba: Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná; Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. 236p.

CORLETT,R. T. Tropical secondary forests. Progress in Physical Geography, v. 19, n. 2, p.159-172, 1995.

CRONQUIST, A. An integrated system of classification of flowering plants. New York: Columbia University Press, 1981.

DURIGAN, M. E. Florística, dinâmica e análise protéica de uma floresta ombrófila mista em São João do Triunfo-PR. Curitiba, 1999. 125f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1999.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. 92p. (Série Manuais Técnicos em Geociências, n.1)

GOLDSMITH, F. B.; HARRISON, C. M. Description and analysis of vegetation. In : CHAPMAN, S. B. (Ed.) Methods in plant ecology. London: Blackwell, 1976. p. 85-155.

HULBERT S.H. The nonconcept of species diversity: a critique and alternative parameters. Ecology, New York, v. 52, n. 4, p. 577-586, 1971.

KIMMINS, J. P. Forest ecology. New York: MacMillan, 1987. 531p.

KOCK, Z.; CORRÊA, M. C. Araucária: a floresta do Brasil meridional. Curitiba: Olhar Brasileiro, 2002. 148p.

LAMPRECHT, H. Ensayo sobre la estructura florística de la parte sur-oriental del Bosque Universitario "El Calmital" - Estado Barinas. Rev. For. Venez., Mérida, v. 7, n. 10-11, p. 77-119, 1964.

LEITE, P.F.; KLEIN, R.M. Vegetação. In: LEITE, P.F.; KLEIN, R.M. Geografia do Brasil : Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. v. 2 .

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze, no sul do Brasil. Curitiba, 1980. 198f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

LORENZI, H.; SOUZA, H. M.; TORRES, M. A. V.; BACHER, L. B. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. São Paulo: Nova Odessa, 2003. 368p.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 547p. 1974.

ODUM, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

PEET, R.K. The measurements os species diversity. Ann. Rev. Ecol. Syst., v. 5, p. 285-308, 1974.

PIZATTO, W. Avaliação biométrica da estrutura e da dinâmica de uma floresta ombrófila mista em São João do Triunfo-PR: 1995 a 1998. Curitiba, 1999. 172f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1999.

RODRÍGUEZ TELLO, J.C. Eficiência e custos de diferentes formas e tamanhos de unidades de amostra em uma floresta nativa de Araucaria angustifolia (Bert.) o Ktze no sul do Brasil. Curitiba, 1980. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

SCHAAF, L. B. Florística, estrutura e dinâmica no período 1979-2000 de uma floresta ombrófila mista localizada no Sul do Paraná. Curitiba, 2001. 131f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2001.

Downloads

Publicado

30-09-2006

Como Citar

Schaaf, L. B., Figueiredo Filho, A., Galvão, F., Sanquetta, C. R., & Longhi, S. J. (2006). Modificações florístico-estruturais de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista Montana no período entre 1979 e 2000. Ciência Florestal, 16(3), 271–291. https://doi.org/10.5902/198050981908

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.