Influência do espaçamento e idade da brotação na morfometria de povoamentos de Ilex paraguariensis St. Hill.

Frederico Dimas Fleig, Paulo Renato Schneider, César Augusto Guimarães Finger

Resumo


Este trabalho apresenta aspectos da morfometria de erveiras reflorestadas. A área de estudos localiza- -se no estado de Santa Catarina, no município de Catanduvas. As plantas avaliadas apresentam idade aproximada de 14 anos, e estão dispostas em um arranjo fatorial com espaçamentos de 3, 4 e 5 m nas entrelinhas e 2, 3 e 4 m nas linhas. Dividiram-se as erveiras em dois grupos, sendo o primeiro podado em setembro, e o segundo, em janeiro respectivamente, quando as copas atingiram 24 e 28 meses de idade. A totalidade das erveiras avaliadas apresentam-se bifurcadas na proximidade da base, assim, o perímetro ao nível do solo apresenta-se com correlação não-significativa com a biomassa da copa. Pela comparação das áreas basais e número de troncos obtidos a 0,3, 06 e 0,9 m de altura, constatou-se que a altura ideal de avaliação do tronco é a 0,60 m de altura em relação ao nível do solo. A área basal por planta, a essa altura, foi positivamente influenciada pelos espaçamentos nas entrelinhas e nas linhas (Prob<0,05). O número de troncos à altura de 0,6 m (Nt6) da planta foi significativamente influenciado pela distância entre plantas na linha, na qual a de 2 m foi menor e divergente das demais. Os espaçamentos entre erveiras influenciaram as dimensões das copas, sendo o diâmetro da copa (Dc8) significativamente influenciado pelo espaçamento nas linhas, com superioridade para os maiores espaçamentos. O comprimento da copa (Cc) e a altura total (ht) foram significativamente influenciados pelas distâncias na linha e na entrelinha. O grau de copa (Cc/ht) só apresenta diferença significativa para o fator linha. Já o grau de cobertura (Dc8/ht) apresentou diferença significativa para o fator distância entrelinhas. O formal de copa (Dc8/Cc) atingiu valores próximos à unidade, pois as erveiras apresentam copas com diâmetro proporcional ao seu comprimento.


Palavras-chave


erva-mate; reflorestamento; biometria; copa; poda

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, E. The principles of forest yield study. New York: Pergamon Press, 1970. 506p.

CANADELL, J.; RIBA, M.; ANDRÉS, P. Biomass equations for Quercus ilex L. in the Montseny Massif, Northeastern Spain. Forestry, v.61, n.2, p.137-147, 1988.

CROW, T.R.; LAIDLY, P.R. Alternative models for estimating woody plant biomass. Can. J. For. Res., v. 10, p. 367-370, 1980.

DEAN, T.J.; LONG, J.N. Variation in sapwood area-leaf area relation within two stands of Lodgpole Pine. Forest Science, v. 32, n. 3, p. 749-758, 1986.

DURLO, M.A.; DENARDI, L. Morfometria de Cabralea canjerana, em mata secundária nativa do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v. 8, n. 1, p. 55-66, 1998.

FOSSATI, L.C. Avaliação do estado nutricional e da produtivi¬dade de erva-mate (Ilex paraguariensis St Hil.) em função do sítio e da dioicia. 1997. 107f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)  Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1997.

LEITE, P.F.; KLEIN, R.M. Vegetação. In: MESQUITA, O. V. (Coord.) Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. v. 2., p. 113-150.

MÄKINEN, H. Effect of stand density on radial growth of branches of scots pine in southern and central Finland. Can. J. For. Res., v. 29, p. 1216-1224, 1999.

MATTHECK, C. Trees: the mechanical design. Berlin: Springer, 1991. 121p.

MOTTA, F.S.; BEIRSDORF, M.J.C.; GARCEZ, R.B. Zoneamento agrícola do Rio Grande do Sul e Santa Catarina: normas agro-climáticas. Pelotas: Ministério da Agricultura, 1971. 80p.

MUNARETO, N. Manejo de planta. In: CURSO DE CAPACITACION EN PRODUCION DE YERBA MATE, 1., 1992, Cerro Azul. Anais... Cerro Azul: INTA, Centro Regional Sul, Estacion Experimental Agropecuaria Cerro Azul, 1992. p. 35-36.

O’CONNELL, B.M.; KELTY, M.J. Crow architecture of understory and open-grown white pine (Pinus strobus L.) saplings. Tree Physiology, v. 14, p. 89-102, 1994.

PORTER, J.L. Modules, models and meristems in plant architecture. In: RUSSELL, G.; MARSHALL, B. ; JARVIS, P.G. Plant canopies: their growth, form and function. Cambridge: University Press, 1989. Cap. 8, p. 143-159.

PRAT KRICUN, S.D.; BELINGHERI, L.D. Disposicion, distanciamento y densidade de plantaciones de yerba mate (Ilex paraguariensis St Hil.). In: CURSO DE CAPACITACION EN PRODUCION DE YERBA MATE, 1., 1992. Cerro Azul. Anais... Cerro Azul: INTA, Centro Regional Sul, Estacion Experimental Agropecuaria Cerro Azul, 1992. p. 27-30.

SANTA CATARINA. Gabinete de Planejamento e Coordenação Geral. Subchefia de Estatística, Geografia e Informática. Atlas de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Aerofoto Cruzeiro, 1986. 173p. Tab. Graf. Col.

SCHNEIDER, C.; PETRY, G. Aspectos da cultura da erva-mate na região de Erebango, município de Getúlio VargasRS, em propriedade da Empresa Hoppen, Petry e Cia Ltda. In: SEMINÁRIO SOBRE ATUALIDADES E PERSPECTIVAS FLORESTAIS: SILVICULTURA DA ERVA-MATE, 10., 1983, Curitiba. Anais... Curitiba: EMBRAPA, CNPF, 1985. p. 64-70. (Documentos, 15).

SPSS. SPSS for Windows: programa de computador. USA, 1996, Versão 7.5.1.

STERBA, H. Forstliche Ertragslehre. Wien: Universität für Bodenkultur, 1992. 160p. (Heft, 4).

WHITTAKER, R.H.; WOODWELL, G.M. Dimension and production relations of trees and shrubs in the Brookhaven forest. J. Ecology, v. 56, p. 1-25, 1968.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981725

Licença Creative Commons