The use of electrical energy in brazilian federal universities as long as the Sustainable Logistics Management Plan Approach

Elton Jorge da Silva, José Carlos de Jesus Lopes, Rosamaria Cox Moura-Leite Padgett, Jeovan de Carvalho Figueiredo, Erlaine Binotto, Frederico Fonseca da Silva

Abstract


The Sustainable Logistics Management Plan (SLMP) is one of the initiatives of the Brazilian Federal Government to promote the rationalization of spending and sustainable practices at Public Administration. So, this research aims to evaluate, as far as the PLMS implementation of Brazilian Federal Universities (FU), actions related to the minimum electric energy theme. The SLMP, the Action Plans (AP), and the Follow-up Reports (FR) of all FU were collected as well in order to answer the central question. The actions were classified into categories, created based on the literature and legislation that deals with the use of electric energy in the public sector, mainly at the FU. The analysis of the documents appointed that half of the UF have not complied with the legal determinations imposed, mainly in what concerns the publication of documents. In addition, although the AP contemplate, most of the created categories, the FR demonstrate that the success in the implementation of the actions is not high.


Keywords


Public administration; Sustainable practices; Electricity; Sustainability; Renewable energy

References


ALTAN, H. Energy efficiency interventions in UK higher education institutions. Energy Policy. [Internet]. 2016[cited 2018 apr 12];38(12):7722-7731. Avaliable from: http://eprints.whiterose.ac.uk/42 780.

ARAUJO, E.A.S.; CARNIELLO, M.F.; SOUSA, M.G.B. O Papel das Instituições de Ensino Superior. Revista Cereus. [Internet]. 2012[cited 2017 apr 12]; 4(3). Avaliable from: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2011/anais/ arquivos/0088_0857_01. pdf

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO (ANPAD). Boas Práticas da Publicação Científica: um manual para autores, revisores, editores e integrantes de Corpos Editoriais. [Internet]. 2010. [cited, 2018 jun 18]. Avaliable fron: https://www.mackenzie.br/fileadmin/ARQUIVOS/Public/top/ midias_noticias/editora/old/Editora/ Revista_Administracao/Boas_Praticas.pdf

BARDIN, Lawrence. Análise do conteúdo. 3. ed. Edições 70, Lda, Lisboa, 2004.

BRANDLI, L.L.; FRANDOLOSO, M.A.L.;VIEIRA, L.C.; PEREIRA, L.A. Avaliação da presença da sustentabilidade ambiental no ensino dos cursos de graduação da Universidade de Passo Fundo. Avaliação. [Internet]. 2012[cited 2017 apr 12]; 17(2):433-454. Avaliable from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772012000200008&lng=en&nrm=iso

BONNET, J. et al. Analysis of electricity and water end-uses in university campuses: case-study of the University of Bordeaux in the framework of the Ecocampus European Collaboration. Journal of Cleaner Production. [Internet]. 2001[cited 2017 apr 12]; 10(1):13-24. Avaliable from: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S095965260100018X

BRASIL. ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica. Atlas de energia elétrica do Brasil. Brasília, 2008.

BRASIL. Decreto nº 99.656, de 26 outubro de 1990. Dispõe sobre a criação, nos órgãos e entidades da Administração Federal direta e indireta, da Comissão Interna de Conservação de Energia (Cice), nos casos que menciona, e dá outras providências. Brasília (Brasil): Casa Civil, 1990.

BRASIL. Decreto nº 1.927, de 8 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a criação do Selo Verde de eficiência energética. Brasília (Brasil): Casa Civil, 1993.

BRASIL. Decreto no 3.330, de 6 de janeiro de 2000. Dispõe sobre a redução do consumo de energia elétrica em prédios públicos da Administração Pública Federal, e dá outras providências. Brasília (Brasil): Casa Civil, 2000.

BRASIL. Decreto 4.131, de 14 de fevereiro 2002. Dispõe sobre medidas emergenciais de redução do consumo de energia elétrica no âmbito da Administração Pública Federal. Brasília (Brasil): Casa Civil, 2002.

BRASIL. Decreto nº 7.746, de 5 de junho de 2012. Regulamenta o art. 3º da lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, para estabelecer critérios, práticas e diretrizes para a promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações realizadas pela administração pública federal, e institui a comissão interministerial de sustentabilidade na administração pública – CISAP. Brasília (Brasil): Casa Civil, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Portaria no 113, de 15 de março de 2002. Brasília (Brasil): Ministério de Minas e Energia, 2002.

BRASIL. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Plano Nacional de Energia 2030. Brasília. 2007. Brasília (Brasil): Ministério de Minas e Energia, 2007.

BRASIL.MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Plano Nacional de Eficiência Energética: Premissas e Diretrizes Básicas. Brasília. 2011. Brasília (Brasil): Ministério de Minas e Energia, 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Balanço Energético Nacional 2017. Relatório síntese. 2017. Rio de Janeiro (Rio de Janeiro): Empresa de Pesquisa Energética, 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA, MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO (MME/MIC) Portaria Interministerial Nº 1.877, de 30 de Dezembro de 1985. Brasília (Brasil): Ministério de Minas e Energia, Ministério da Indústria e do Comércio, 1985.

BRASIL. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. Instrução Normativa nº 10, de 12 de novembro de 2012. Estabelece regras para elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentável de que trata o art. 16, do Decreto nº 7.746, de 5 de junho de 2012, e dá outras providências. Brasília (Brasil): Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. Instrução Normativa nº 02, de 04 de junho de 2014. Dispõe sobre regras para a aquisição ou locação de máquinas e aparelhos consumidores de energia pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, e uso da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) nos projetos e respectivas edificações públicas federais novas ou que recebam retrofit. Brasília (Brasil): Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. Portaria nº 23, de 12 de fevereiro de 2015. Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dispõe sobre o monitoramento de consumo desses bens e serviços. Brasília (Brasil): Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, 2015.

CAMPOS, Kemerson Cantero de. Plano de Gestão de Logística Sustentável com foco na Água e Esgoto: Uma Proposta Para A Universidade Federal De Mato Grosso Do Sul. (Dissertação). Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional - PROFIAP, Escola de Administração e Negócios, Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande (MS), 2018.

COLLAÇO, F. M. A.; BERMANN, C. Perspectivas da Gestão de Energia em âmbito municipal no Brasil. Estudos Avançados. 2017;31(89):213-235.

COPE - Code of Conduct and Best Practice Guidelines for Journal Editors. Code of Conduct, (2011). Disponível em: . Acessado em: mar. 2018.

FERREIRA, Talita Guimarães de Oliveira. Políticas Públicas para o SAG da Bovinocultura de Corte. (Dissertação). Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede, pela Escola de Administração e Negócios, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande (MS), 2018.

FERREIRA, Fernando Machado et al. Water’s quality and environmental conditions of the hydric resources in Grajaú-MA. Revista Ciência e Natura, v. 40, e66, p.1-8. Santa Maria (RS), dez, 2018.

FLICK, U. Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. São Paulo: Penso Editora, 2013.

FONSECA NETO, Sebastião Nogueira da; FREITAS, Nívia Magalhães da Silva; FREITAS, Nádia Magalhães da Silva. Uma carta para o futuro: constructos sobre (in)sustentabilidade. Revista Ciência e Natura, v. 39, n. 1, p.133-141. Santa Maria (RS), jan-abr, 2017.

FRANCO, Samyra; MOURA-LEITE, Rosamaria Cox; CAMERON, Milena Missiano; JESUS-LOPES, José Carlos de e ALMEIDA, Vera Luci. Plano de Gestão de Logística Sustentável e Seus Indicadores: o conceito mínimo de divulgação, conscientização e capacitação nas universidades federais brasileiras. Revista Gestão Universitária na América Latina - Gual, Florianópolis (SC), v. 10, n.4, p. 204-226, Edição Especial.

GIL, Antonio. Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUERRA, A.F.S. Ambientalização e sustentabilidade nas universidades: subsídios, reflexões e aprendizagens. Itajaí (SC): Univali, 2015.

HARRING, N.s; LUNDHOLM, C.; TORBJÖRNSSON, T. The effects of higher education in economics, law and political science on perceptions of responsibility and sustainability. Springer International Publishing; 2017.

IPEEC. Energy Efficiency Action Plan - Voluntary Collaboration in Energy Efficiency [Internet]. 2014. [cited 2017 abr 17]. Avaliable from: https://ipeec.org/upload/publication_related_language/pdf/481.pdf

KRAUSE, C. B. et al. Manual de prédios eficientes em energia elétrica. Rio de Janeiro: IBAM/ELETROBRÁS/PROCEL, 2002.

KIHARA, Bruna Megumi Takara. Compras, Contratações Sustentáveis e Materiais de Consumo do Plano de Gestão de Logística Sustentável: uma proposta para a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. (Dissertação). Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional - PROFIAP, Escola de Administração e Negócios, Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande (MS), 2018.

KIHARA, Bruna Megumi Takara.; MOURA-LEITE, Rosamaria Cox; JESUS-LOPES, José Carlos de. Compras e Contratações Sustentáveis das Universidades Federais Brasileiras. Revistafsa, Teresina (PI), v. 16, n.1, art.2, p. 27-53, jan/fev, 2019.

LEITE, A. D. A energia do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

LO, K. Energy conservation in China's higher education institutions. Energy Policy. 2013;56:703-710.

LORI, Erfan Shamsaddini & LEMAN, Zulkiflle. Renewable energy sources and analyzing the wind turbine performance; A Review. Revista Ciência e Natura, v. 38, n. 2, p.780-802. Santa Maria (RS), mai-ago, 2016.

MANSANO, S. R. V. O método qualitativo nos estudos sociais aplicados: dimensões éticas e políticas. Revista Economia & Gestão. 2013;14(34):119-136.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARQUES, M. C. S. et al. Conservação de energia: eficiência energética de equipamentos e instalações. Itajubá: Fupai, 2006.

MARQUES, M. C. S. et al. Eficiência Energética: teoria & Prática. Itajubá: FUPAI, 2007.

MENKES, M. Eficiência energética, políticas públicas e sustentabilidade [tese]. Brasília: Centro de Desenvolvimento Sustentável/Universidade de Brasília, 2004.

MILANO, Jackson. Proposta de utilização de sistema híbrido eólico/solar de geração de energia em estabelecimentos comerciais na Ilha do Mel-PR. Revista Ciência e Natura, v. 40, e66, p.1-20. Santa Maria (RS), dez, 2018.

MONTEIRO, M. A. G.; ROCHA, L. R. R. Gestão Energética. Rio de Janeiro: Eletrobrás, 2005.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação. 2003;9(2):191-211.

NOGUEIRA, Luiz Augusto Horta. Uso racional: a fonte energética oculta. Estudos Avançados. 2007;21(59):91-105.

NOGUEIRA, Mabel Valverde. A Qualidade de Vida no Trabalho sob o enfoque do Plano de Gestão de Logística Sustentável: uma proposta para a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. (Dissertação). Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional – Profiap, Escola de Administração e Negócios, Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande (MS), 2018.

NOGUEIRA, Mabel Valverde; MOURA-LEITE, Rosamaria Leite; JESUS-LOPES, José Carlos de. A qualidade de vida no trabalho; uma proposta de melhorias para o Plano de Gestão de Logística Sustentável da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. FACEP Pesquisa: Desenvolvimento e Gestão. v, 21, n.2 – miao/jun/jul/ago 2018a.

PINTO JUNIOR, H. Q. (Org). Economia da energia: fundamentos econômicos, evolução histórica e organização industrial. São Paulo: Elsevier, 2016.

PROCEL. PROCEL EPP. Eficiência Energética nos Prédios Públicos [Internet]. 2006. [cited 2017 abr 18]. Avaliable from: http://www.procelinfo.com.br/data/Pages/LUMIS623FE2A5ITEMID 5C0D828A5E894B4AA0280C96CCED1760PTBRIE.html.

PROCEL. Manual de Etiquetagem de Edificações Públicas [Internet]. 2014. [cited 2017 oct 17]. Avaliable from: http://189.9.150.57/assets/conteudo/midias/manualetiquetedificpublicas20141010.pdf.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Editora Feevale, 2013.

PICCININI, M.S. Conservação de energia na indústria: as políticas adotadas na época da crise energética. Revista do BNDES.1994;1(2).

PUCRS. Manual de Economia de Energia USE – Uso Sustentável de Energia. Porto Alegre: PUCRS, 2010.

RISSATO, Pedro Henrique Sant’Ana. Ações Propostas pelas Universidades Federais Brasileiras, em Relação à Coleta Seletiva, a partir de suas Práticas no Plano de Gestão De Logística Sustentável e a Experiência da UFMS. (Dissertação). Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional – Escola de Administração e Negócios da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Campo Grande (MS), 2018.

RISSATO, Pedro Henrique Sant’Ana. A análise das práticas de coleta seletiva, no âmbito das universidades federais Brasileiras. Revista Ciência e Natura. v. 40, e66, p. 1-19. Santa Maria (RS), dez, 2018a.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

TAUCHEN, Joel; BRANDLI, Luciana Londero. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão e Produção. 2006;13(3):503-515.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VILLALVA. M.G. Energia solar fotovoltaica: conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Érica. 2015.

World Energy Council. Energy Efficiency: A Worldwide Review – Indicators, Policies, Evaluation. London: WEC, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X36296

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2019 Ciência e Natura

License URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.