Sobre o problema da liberdade moral em Hume e Schopenhauer

Rogério Moreira Orrutea Filho

Resumo


Neste trabalho pretende-se criar uma relação entre as doutrinas de Hume e Schopenhauer naquilo que se refere à questão da liberdade moral, com o objetivo de ressaltar suas similaridades, bem como suas diferenças. Mostra-se que tanto na filosofia de Hume, quanto naquela de Schopenhauer, a liberdade impõe-se como um problema geral que abrange problemas mais específicos, sobretudo o da definição das noções de vontade e caráter, e que, num primeiro momento, ambos assumem uma postura que pode ser considerada igualmente determinista. Porém, num segundo momento, os dois filósofos pretendem superar o determinismo, e é neste ponto em que se iniciam as diferenças entre seus respectivos pontos de vista. Suas propostas de superação do determinismo são igualmente exploradas ao longo deste artigo, e, ao final, concluímos que apenas Schopenhauer conseguiu apresentar uma solução coerente ao associar vontade individual humana com as noções de caráter inteligível, empírico e adquirido.

Palavras-chave


Liberdade; Vontade; Caráter

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto-lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Vade Mecum universitário RT. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

COSTA, Claudio. Como ser um bom compatibilista. Princípios, v. 7, n. 8. Natal, 2000.

HUME, David. Investigação acerca do entendimento humano. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Nova Cultural, 2004.

HUME, DAVID. Tratado da natureza humana. Tradução de Déborah Danowski. 2. ed. revista e ampliada. São

Paulo: UNESP, 2009.

JACQUETTE, Dave. The philosophy of Schopenhauer. Chesham: Acumen, 2005.

JANAWAY, Christopher. Schopenhauer’s philosophy of value. In: Better consciousness: Schopenhauer’s philosophy of value. Edited by Alex Neill and Christopher Janaway. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009.

KANT, Immanuel. Grundlegung zur Metaphysik der Sitten. Werke in sechs Bänden. Band IV. Ed. de Wilhelm Weischedel. Wiesbaden: Insel, 1956.

KANT, IMMANUEL. Crítica da razão pura. Tradução de Valerio Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo:

Nova Cultural, 1999.

KOSSLER, Matthias. Life is but a mirror: on the connection between ethics, metaphysics and character in Schopenhauer. In: Better consciousness: Schopenhauer’s philosophy of value. Edited by Alex Neill and Christopher Janaway. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009.

MAGEE, Brian. The philosophy of Schopenhauer. Revised and enlarged edition. New York: Oxford

University Press, 2009.

PAVÃO, Aguinaldo. O mal moral em Kant. Curitiba: CRV, 2011.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt Als Wille und Vorstellung, II. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich:

Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, ARTHUR. O mundo como vontade e como representação. Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, ARTHUR. Parerga und Paralipomena. Zweiter Band. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, ARTHUR. Sobre o fundamento da moral. Tradução de Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SCHOPENHAUER, ARTHUR. Über die Freiheit des menschlichen Willens. Ed. de Arthur Hübscher. Zurique: Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, ARTHUR. Über die vierfache Wurzel des Satzes von zureichenden Grund. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.

ZAFFARONI, Eugenio Raul. PIERANGELI, José Hnrique. Manual de direito penal brasileiro, v.1,

parte geral. 7. ed. revisada e atualizada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378634040

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.