Individualidade em sentido moral e justiça eterna

Rogério Moreira Orrutea Filho

Resumo


O presente artigo tem como ponto de partida um outro trabalho, de nossa própria autoria, pelo qual buscou-se demonstrar a necessidade de se estabelecer, na filosofia de Schopenhauer, a distinção entre a individualidade em sentido moral e a individuação em sentido corpóreo. Naquele artigo, reconhecemos que nossa abordagem encontrou significativo obstáculo na tese schopenhaueriana da Justiça Eterna. Com o objetivo de remover este obstáculo, tentaremos agora demonstrar que a Justiça Eterna é, em última instância, incompatível com elementos mais fundamentais da filosofia de Schopenhauer.


Palavras-chave


Vontade; Caráter; Justiça; Ética; Individualidade

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ANTONIASSI, Ednilson. Negação da vontade: a redenção na filosofia de Arthur Schopenhauer. Trabalho apresentado durante os Encontros de Estudo do Núcleo de Pesquisa Schopenhauer-Nietzsche. No prelo, 2018.

CARDOSO, Renato César. A ideia de justiça em Schopenhauer. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008.

FERRAZ, Marília Côrtes de. Liberdade e responsabilidade moral em Schopenhauer. In: PAVÃO, A. et al. (Orgs). Schopenhauer: metafísica e moral. São Paulo: DWW Editorial, 2014.

HUSSERL, Edmund. A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental. Tradução de Diogo Falcão Ferrer. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

JANAWAY, Christopher. Schopenhauer. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

MAGEE, Brian. The philosophy of Schopenhauer. Revised and enlarged edition. New York: Oxford University Press, 2002.

MCALLISTER, Ted V. Revolta contra a modernidade: Leo Strauss, Eric Voegelin e a busca por uma ordem pós-liberal. Tradução de Túlio Sousa Borges de Oliveira. São Paulo: É Realizações, 2017.

PAVÃO, Aguinaldo. Liberdade e responsabilidade moral: o fracasso de Schopenhauer. Caderno de resumos do I Congresso do Núcleo de Pesquisa Schopenhauer-Nietzsche. Londrina: UEL, 2018.

ORRUTEA FILHO, Rogério Moreira. Sobre a distinção entre individualidade moral e individuação corpórea. In: PAVÃO, A. et al (Orgs.). Schopenhauer: metafísica e moral. São Paulo: DWW Editorial, 2014.

ROGER, Alain. Atualidade de Schopenhauer, in prefácio a Sobre o fundamento da moral. In: SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Tradução de Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SCHOPENHAUER, Arthur. Der Handschriftlicher Nachlass, Band 4, 1: die Manuskriptbücher der Jahre 1830 – 1852. Ed. de Arthur Hübscher. München: DTV GmbH & Co. KG.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die beiden Grundprobleme der Ethik. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstellung, zweiter Band. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga und Paralipomena. erster Band. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga und Paralipomena. zweiter Band. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes,

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Tradução de Maria Oliveira Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SCHOPENHAUER, Arthur. Über den Willen in der Natur, Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Über die vierfache Wurzel des Satzes vom zureichenden Grunde. Ed. de Arthur Hübscher. Zürich: Diogenes, 1977.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378635585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.