Liberdade, responsabilidade moral e justiça eterna em Schopenhauer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2179378641083

Palavras-chave:

Liberdade, Responsabilidade, Vontade, Justiça eterna

Resumo

Para Schopenhauer, a liberdade moral não pode ser entendida como um poder que o homem teria de, a cada ação, decidir agir de um modo ou de outro com base em sua própria vontade. Embora as ações humanas estejam submetidas à mais estrita necessidade, a responsabilidade é possível haja vista que a vontade do homem como coisa em si, seu caráter inteligível, é livre. Além disso, Schopenhauer defende que o mundo é regido pela justiça eterna. De acordo com essa noção, a atribuição responsabilidade moral ao atormentador pelos sofrimentos que causa ao atormentado prende-se a uma diferença que não atinge a coisa em si. Algoz e vítima são unos, visto que a vontade vive em ambos. Nesse artigo, exploro esses pontos para tentar mostrar o insucesso de Schopenhauer ao tentar elucidar os juízos de responsabilidade moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aguinaldo Pavão, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR

Professor do Departamento de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Referências

BACELAR, K. A responsabilidade pela essentia et existentia em Schopenhauer. In: DEBONA, Vilmar; FONSECA, Eduardo Ribeiro da; HULSHOF, Monique; MATTOS, Fernando da Costa; RAMOS, Flamarion Caldeira (Orgs.). Dogmatismo e antidogmatismo: filosofia crítica, vontade e liberdade. Uma homenagem a Maria Lúcia Cacciola. Curitiba: Editora UFPR, 2015, p. 225-242.

DEBONA, Vilmar. Caráter, liberdade e Aseität: sobre a assimilação das noções de caráter inteligível e caráter empírico de Kant por Schopenhauer. Kant e-Prints, Campinas, 11(2), 32-50, 2016.

HOBBES, T. Leviathan. Edição J. C. A Gaskin. Oxford University Press (Oxford World’s Classics), 1996.

HOBBES, Thomas. Hobbes’s Treatise of Liberty and Necessity. In: Hobbes and Bramhall on Liberty and Necessity. Edição Vere Chappell. Cambridge University Press, 1999.

HUME, D. A Treatise of Human Nature. Volume 1: Texts. A critical edition. Ed. D. F. Norton & M. J. Norton. Oxford: University Press, 2011.

HUME, D. An Enquiry concerning Human Understanding. Ed. Tom L. Beauchamp. Oxford: University Press, 1999.

KANT, I. Crítica da razão pura. Trad. Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.

KANT, I. Metafísica dos Costumes. Trad. Clélia Aparecida Martins, Bruno Nadai, Diego Kosbiau e Monique Hulshof. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2013.

ORRUTEA FILHO, Rogério Moreira. Sobre a distinção entre individualidade moral e individuação corpórea em Schopenhauer. In: PAVÃO, Aguinaldo; FELDHAUS, Charles; WEBER, José Fernandes. (Org.). Schopenhauer: metafísica e moral. São Paulo: DWW Editorial, 2014, p. 155-188.

ORRUTEA FILHO, Rogério Moreira. Individualidade em sentido moral e justiça eterna. Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, Santa Maria, v. 10, n. 1, p. 186-198, jan./abr. 2019.

PAVÃO, Aguinaldo. Kant e Schopenhauer sobre a natureza da filosofia moral. Dissertatio (UFPel), v. 30, p. 135-148, 2009.

PAVÃO, Aguinaldo: Liberdade e imputação moral em Schopenhauer. In: PAVÃO, Aguinaldo; FELDHAUS, Charles; WEBER, José Fernandes. (Org.). Schopenhauer: metafísica e moral. São Paulo: DWW Editorial, 2014, p. 91-110.

PRADO, Jorge Luis Palicer do. Metafísica e ciência: a analogia da vontade entre o micro e o macrocosmo. Tese de Doutorado em Filosofia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

RAMOS, F. C. A teoria da justiça de Schopenhauer. Ethic@, Florianópolis, v. 11, n. 2, p. 173-185, julho de 2012.

SCHOPENHAUER, A. Fragmentos sobre história da filosofia. Trad. Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a vontade na natureza. Trad. Gabriel Valladão Silva. Porto Alegre: L&PM, 2013.

SCHOPENHAUER, Arthur. Prize essay on the freedom of the will. In: The two fundamental problems of ethics. Trad. Christopher Janaway. New York: Cambridge University Press, 2009.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstellung. Erster Band. Werke in zehn Bänden. Band II. Zürich: Diogenes Verlag, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica de las costumbres. Trad. Roberto Rodríguez Aramayo. Madrid: Trotta, 2001.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo I. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo II: Suplementos aos quatro livros do primeiro tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2015.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga e Paralipomena (cap. V, VIII, XII, XIV). Trad. Wolfang Leo Maar. São Paulo: Nova Cultural, 1988 (Os Pensadores).

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga und Paralipomena: kleine philosophische Schriften. Zweiter Band. Diogenes Verlag AG Zürich, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a ética. Trad. Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2012.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a filosofia e seu método. Trad. Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2010.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Trad. Maria Lúcia Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SCHOPENHAUER, Arthur. Über die Grundlage der Moral. Kleinere Schriften. Sämtliche Werke, Band III: Bearbeitet und Heraugegebt von Wolfgang Frhr. Von Löhnheysen. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1998, p. 629-815.

Downloads

Publicado

2019-12-18

Como Citar

Pavão, A. (2019). Liberdade, responsabilidade moral e justiça eterna em Schopenhauer. Voluntas: Revista Internacional De Filosofia, 10(3), 212–229. https://doi.org/10.5902/2179378641083

Edição

Seção

Fluxo Contínuo: Estudos Schopenhauerianos