Liberdade, responsabilidade moral e justiça eterna em Schopenhauer

Aguinaldo Pavão

Resumo


Para Schopenhauer, a liberdade moral não pode ser entendida como um poder que o homem teria de, a cada ação, decidir agir de um modo ou de outro com base em sua própria vontade. Embora as ações humanas estejam submetidas à mais estrita necessidade, a responsabilidade é possível haja vista que a vontade do homem como coisa em si, seu caráter inteligível, é livre. Além disso, Schopenhauer defende que o mundo é regido pela justiça eterna. De acordo com essa noção, a atribuição responsabilidade moral ao atormentador pelos sofrimentos que causa ao atormentado prende-se a uma diferença que não atinge a coisa em si. Algoz e vítima são unos, visto que a vontade vive em ambos. Nesse artigo, exploro esses pontos para tentar mostrar o insucesso de Schopenhauer ao tentar elucidar os juízos de responsabilidade moral.


Palavras-chave


Liberdade; Responsabilidade; Vontade; Justiça eterna

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BACELAR, K. A responsabilidade pela essentia et existentia em Schopenhauer. In: DEBONA, Vilmar; FONSECA, Eduardo Ribeiro da; HULSHOF, Monique; MATTOS, Fernando da Costa; RAMOS, Flamarion Caldeira (Orgs.). Dogmatismo e antidogmatismo: filosofia crítica, vontade e liberdade. Uma homenagem a Maria Lúcia Cacciola. Curitiba: Editora UFPR, 2015, p. 225-242.

DEBONA, Vilmar. Caráter, liberdade e Aseität: sobre a assimilação das noções de caráter inteligível e caráter empírico de Kant por Schopenhauer. Kant e-Prints, Campinas, 11(2), 32-50, 2016.

HOBBES, T. Leviathan. Edição J. C. A Gaskin. Oxford University Press (Oxford World’s Classics), 1996.

HOBBES, Thomas. Hobbes’s Treatise of Liberty and Necessity. In: Hobbes and Bramhall on Liberty and Necessity. Edição Vere Chappell. Cambridge University Press, 1999.

HUME, D. A Treatise of Human Nature. Volume 1: Texts. A critical edition. Ed. D. F. Norton & M. J. Norton. Oxford: University Press, 2011.

HUME, D. An Enquiry concerning Human Understanding. Ed. Tom L. Beauchamp. Oxford: University Press, 1999.

KANT, I. Crítica da razão pura. Trad. Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.

KANT, I. Metafísica dos Costumes. Trad. Clélia Aparecida Martins, Bruno Nadai, Diego Kosbiau e Monique Hulshof. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2013.

ORRUTEA FILHO, Rogério Moreira. Sobre a distinção entre individualidade moral e individuação corpórea em Schopenhauer. In: PAVÃO, Aguinaldo; FELDHAUS, Charles; WEBER, José Fernandes. (Org.). Schopenhauer: metafísica e moral. São Paulo: DWW Editorial, 2014, p. 155-188.

ORRUTEA FILHO, Rogério Moreira. Individualidade em sentido moral e justiça eterna. Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, Santa Maria, v. 10, n. 1, p. 186-198, jan./abr. 2019.

PAVÃO, Aguinaldo. Kant e Schopenhauer sobre a natureza da filosofia moral. Dissertatio (UFPel), v. 30, p. 135-148, 2009.

PAVÃO, Aguinaldo: Liberdade e imputação moral em Schopenhauer. In: PAVÃO, Aguinaldo; FELDHAUS, Charles; WEBER, José Fernandes. (Org.). Schopenhauer: metafísica e moral. São Paulo: DWW Editorial, 2014, p. 91-110.

PRADO, Jorge Luis Palicer do. Metafísica e ciência: a analogia da vontade entre o micro e o macrocosmo. Tese de Doutorado em Filosofia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

RAMOS, F. C. A teoria da justiça de Schopenhauer. Ethic@, Florianópolis, v. 11, n. 2, p. 173-185, julho de 2012.

SCHOPENHAUER, A. Fragmentos sobre história da filosofia. Trad. Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a vontade na natureza. Trad. Gabriel Valladão Silva. Porto Alegre: L&PM, 2013.

SCHOPENHAUER, Arthur. Prize essay on the freedom of the will. In: The two fundamental problems of ethics. Trad. Christopher Janaway. New York: Cambridge University Press, 2009.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstellung. Erster Band. Werke in zehn Bänden. Band II. Zürich: Diogenes Verlag, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica de las costumbres. Trad. Roberto Rodríguez Aramayo. Madrid: Trotta, 2001.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo I. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo II: Suplementos aos quatro livros do primeiro tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2015.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga e Paralipomena (cap. V, VIII, XII, XIV). Trad. Wolfang Leo Maar. São Paulo: Nova Cultural, 1988 (Os Pensadores).

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga und Paralipomena: kleine philosophische Schriften. Zweiter Band. Diogenes Verlag AG Zürich, 1977.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a ética. Trad. Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2012.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a filosofia e seu método. Trad. Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2010.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Trad. Maria Lúcia Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SCHOPENHAUER, Arthur. Über die Grundlage der Moral. Kleinere Schriften. Sämtliche Werke, Band III: Bearbeitet und Heraugegebt von Wolfgang Frhr. Von Löhnheysen. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1998, p. 629-815.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378641083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.