POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO: UMA ANÁLISE PARA O DESENVOLVIMENTO

Miriam Olivia Knopik Ferraz, Nicolas Addor, José Osório Nascimento Neto

Resumo


O presente estudo busca demonstrar que as políticas públicas de gênero na educação são juridicamente, socialmente e politicamente necessárias. A metodologia utilizada é a lógica-dedutiva, com o enfoque na bibliografia especializada para mapeamento e compreensão do tema. Para tanto, estuda-se como se estruturam as políticas públicas na educação e a sua relação com as minorias sociais. Posteriormente, adentra-se especificamente nas Políticas Públicas de Gênero na educação, demonstrando as iniciativas já existentes e as críticas às mesmas. Por fim, defende-se a inclusão do estudo de gênero na educação como caminho para uma sociedade justa e igualitária. Analisa-se, para isso, diversos planos nacionais de desenvolvimento social. Defende-se que é plenamente possível, aceitável e desejável a implementação de uma educação que vise a discussão do gênero enquanto identidade, violência e discriminação, visando principalmente a transversalidade de uma sociedade preocupada com as reais mazelas vivenciadas hoje: as questões de gênero, etnia, raça, classe e deficiências.


Palavras-chave


Educação; Estudo de Gênero; Gênero; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


A BÍBLIA, Uma Janela sobre o mundo bíblico, s.d. Disponível em: http://www.abiblia.org/ver.php?id=4210. Acesso em: 18 nov. 2017.

ALBUQUERQUE, S. S. de. Educação Infantil: um sonho a ser embalado? Grupo de Estudos em educação infantil e infâncias. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://www.ufrgs.br/gein/wp-content/uploads/2016/10/Educa%C3%A7%C3%A3o-Infantil-um-sonho-a-ser-embalado.pdf>. Acesso em: 10 out. 2017.

ALZAMORA REVOREDO, O. La ideologia de género: sus peligros y alcances. Lima: Conferencia Episcopal Peruana, 1998.

AMARAL JÚNIOR, I. P.. Educação para a diferença é um direito: a adequação constitucional das políticas públicas de combate à homofobia nas escolas. Dissertação (Mestrado em Direito) - Programa de Pós-Graduação em Direito, Estado e Constituição da Universidade de Brasília. 2017.

BARCELOS, L.C. Educação e desigualdades raciais no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 86, ago 1993.

BENHABIB, S.; CORNELL, D. Feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1987.

BENTO XVI, Discurso à Cúria Romana na Apresentação de Votos de Feliz Natal. Cidade do Vaticano, 22 de dezembro de 2008. In: JUNQUEIRA, R. D. “Ideologia de Gênero”: a invenção de uma categoria polêmica contra os direitos sexuais. In: RAMOS, M. M.; NICOLI, P. A. G.; ALKMIN, G. C. (Orgs.). Gênero, sexualidade e direitos humanos. Perspectivas multidisciplinares. Belo Horizonte: Initia Via, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Brasil sem homofobia. Conselho Nacional de Combate à Discriminação, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_sem_homofobia.pdf. Acesso em: 18 nov. 2017.

BRASIL, Cidadania e Justiça. Pessoas com deficiência ganham espaço na pauta dos direitos humanos, diz Conade, 2016. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2016/04/colocamos-o-debate-de-pessoas-com-deficiencia-no-campo-dos-direitos-humanos-diz-presidente-do-conade. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação de 2011 -2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=16478&Itemid=1107. P.56. Acesso em: 1 dez. 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Programas e Ações, s.d. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secretaria-de-educacao-continuada-alfabetizacao-diversidade-e-inclusao/programas-e-acoes. Acesso em: 23 nov. 2017.

BRASIL, Plano Nacional dos direitos das pessoas com deficiência. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/navegue-por-temas/pessoa-com-deficiencia/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_0.pdf. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL, Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_igualdade_racial.pdf. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL, Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. 2ª Reimpressão. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/assuntos/pnpm/livro-ii-pnpm-completo09.09.2009.pdf Acesso em: 15 dez.2017.

BRASIL, Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/assuntos/pnpm. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL. Secretaria de Governo da Presidência da República. Curso de Gênero, Diversidade e Educação (GDE). Disponível em: https://www.mdh.gov.br/sobre/a-secretaria/subsecretaria-de-articulacao-institucional-e-acoes-tematicas/coordenacao-geral-de-programas-e-acoes-de-educacao/genero-e-diversidade-na-escola/curso-genero-e-diversidade-na-escola-gde. Acesso em: 17 out. 2017.

BRASIL. Ministério dos Direitos Humanos. Conselho Nacional de Combate à Discriminação de LGBT. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/sobre/participacao-social/cncd-lgbt. Acesso em: 16 jan. 2018.

BRASIL. Ministério dos Direitos Humanos. Pacto nacional de enfrentamento à violência LGBTFóbica. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/assuntos/lgbt/programas/pacto-nacional-de-enfretamento-a-violencia-lgbtfobica. Acesso em: 16 jan. 2018.

BRASIL. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: apresentação dos temas transversais: ética/Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. 3. Ed. Brasília: A Secretaria, 2001.

BRASIL. Secretaria Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres. Programa Mulher, viver sem violência. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/assuntos/violencia/programa-mulher-viver-sem-violencia. Acesso em: 15 jan. 2018.

BRASIL. Secretaria Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres. Resultado do Cumprimento de Metas Institucionais, 2017. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/sobre/acoes-e-programas/1o-2o-e-3o-ciclos-avaliativos-das-metas-avaliativas-2017. Acesso em: 16 jan. 2018.

CANARC, R. L’Église catholique contre “la théorie du genre”: construction d’un objet polémique dans le débat public français contemporains. Synergies Italie, n. 10, 2014.

CANDAU, V. M. F. Educação escolar e cultura(s). Tecnologia Educacional, v. 22, n. 125, jul./ago. 1995, p. 23-28.

CANEN, A. Universos culturais e representações docentes: subsídios para a formação de professores para a diversidade cultural. Educação & Sociedade, ano XXII, n. 77, dez 2001.

CARVALHO FILHO, J. dos S. Manual de Direito Administrativo. 31. Ed. São Paulo: Atlas, 2017.

CARVALHO, M. P. de. Gênero e trabalho decente: em busca de um referencial teórico. In: BRUSCHINI, C.; BUARQUE DE HOLLANDA, H. (Orgs.) Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo: Editora 34/ Fundação Carlos Chagas, 1998.

ÉPOCA. ONU é acusada de permitir abusos sexuais em seus escritórios. Disponível em: https://epocanegocios.globo.com/Mundo/noticia/2018/01/onu-e-acusada-de-permitir-abusos-sexuais-em-seus-escritorios.html. Acesso em: 19 jan. 2018.

FARAH, M. F. S. Gênero e Políticas Públicas. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, UFSC, v. 12, n. 1, jan./abr. 2004a. p. 47-71.

FREIRE, N.; HADDAD, F.; RIBEIRO, M. Construindo uma política de educação em gênero e diversidade. In: BARRETO, A.; ARAÚJO, L.; PEREIRA, M. E. (Orgs). Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/ES em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais. Livro de Conteúdo. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: SPM, 2009.

GABARDO, E. Interesse público e subsidiariedade: o Estado e a sociedade civil para além do bem e do mal. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

GARBAGNOLI, Sara. “L’ideologia del genere”: l’irresistible ascesa di um”invenzione retorica vaticana contro la denaturalizzazione dell”ordine sessuale. AG About Gender, v.3, n.6, 2014, p.250-263.

HUSSON, A. Stop à la rumeur:parlons de genre: GenERe. Genre. Lyon, 2014.

GIDDENS, A.; BECK, U.; LASH, S. Modernização Reflexiva. São Paulo: UNESP, 1997.

HITA, M. G. Gênero, ação e sistema: a reinvenção dos sujeitos. Lua nova, nº 43, p.109-131, 1998.

ISTOÉ, Hollywood e o assédio sexual: cresce a lista de acusados. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2018.

JUNQUEIRA, R. D. “Ideologia de Gênero”: a invenção de uma categoria polêmica contra os direitos sexuais. In: RAMOS, M. M.; NICOLI, P. A. G.; ALKMIN, G. C. (Orgs.) Gênero, sexualidade e direitos humanos. Perspectivas multidisciplinares. Belo Horizonte: Initia Via, 2017.

LIMA, A. H. M. O direito humano ao desenvolvimento sob a ótica das minorias de gênero. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) - Universidade Católica Dom Bosco, 2015.

LIRA, I. Sociedade do trabalho e a vida determinada pela Identidade de gênero: por uma perspectiva materialista da condição socioeconômica da comunidade trans. Revista Trabalho Necessário, ano 15, n. 28, 2017.

LOURO, G L. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LÜDKE, M., MEDIANO, Z. Avaliação na escola de 1º grau: uma análise sociológica. Campinas: Papirus, 1992.

MARIANO, S. A. Incorporação de gênero nas políticas públicas: incluindo os diferentes na cidadania. In: II Seminário Internacional Educação Intercultural, Gênero e Movimentos Sociais, 08 a 11 de abril de 2003, Florianópolis/SC. Disponível em: http://titosena.faed.udesc.br/Arquivos/Artigos_gensex/Genero%20nas%20politicas%20%20publicas.pdf. Acesso em: 15 out. 2017.

MARIZ, Renata. Governo Federal dá calote em vencedores de concurso de redação.O GLOBO. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/governo-federal-da-calote-em-vencedores-de-concurso-de-redacao-21136166. Acesso em: 14 jan. 2018.

MELLO, C. A. B. de. Curso de Direito Administrativo. 31. Ed. São Paulo: Malheiros, 2014.

MELLO, G. N. de. Políticas públicas de educação. Estud. Av., São Paulo, v. 5, n. 13, p. 7-47, dez.1991.

MEYER, D. E. Gênero e Educação: teoria e política. In: LOURO, G. L; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

NARTH INSTITUTE, The Alliance (ATCSI) - NARTH Institute Statement on Sexual Orientation Change. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. de 2017.

NASCIMENTO, M.; ARRUDA, S. Proposta de currículo educativo para o ensino médio sobre promoção da igualdade de gênero entre adolescentes e jovens brasileiros. Escolas – Ensino Médio: Inventário, Currículo E Planos De Aula. ONU mulheres. Gênero na Escola e na Universidade. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/programasemdestaque/genero-na-escola/%3E. Acesso em: 15 dez. 2017.

NICHOLSON, L. Interpreting gender. Sings: Journal of women in culture and society, Chicago, v.20, n.1, 1994, p.75-105.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. Comissão Especial da Diversidade Sexual. Anteprojeto Estatuto da Diversidade Sexual e de Gênero, 2017. Disponível em: http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=7302364&disposition=inline. Acesso em: 20 dez. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Currículo de Gênero. Escola sem Machismo. ONU mulheres e O valente não é violento, 2016. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/programasemdestaque/genero-na-escola/. Acesso em: 20 dez. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Gênero na escola e na universidade, 2016. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/programasemdestaque/genero-na-escola/. Acesso em: 30 jan. 2018.

OXFORD DICTIONARIES, Genderfluid. Disponível em: https://www.lexico.com/en/definition/gender-fluid. Acesso em: 10 dez. 2017.

PATERNOTTE, D. “Habemus gender” Autopsie d’une obsession vaticane. In: PIETTE, V.. PATERNOTTE, D.; DUSSEN, S. van der (Dir.). Habemus gender! Autopsie d’une obsession vaticane. Brucelas: EUB, 2016, p.7-22

ROSADO-NUNES, M. J. F. A “ideologia de gênero” na discussão do PNE: a intervenção da hierarquia católica. Horizonte, Belo Horizonte, v.13, n39, jul/dez 2015, p.1237-1260.

PONTIFÍCIO CONSELHO PARA A FAMÍLIA. Família, matrimônio e “uniões de fato”. Cidade do vaticano, 2000.

SAFFIOTI, H. l.B. Violência de gênero no Brasil contemporâneo. In: SAFFIOTTI, H. l. B.; MUÑOZ-VARGAS, M. (Orgs.) Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro/ Brasília: Rosa dos Tempos – NIPAS/UNICEF, 1994.

SCOTT, J. Prefácio a “Gender and Politics of History”. Cadernos Pagu, Campinas, n.3, p.11-27, 1994.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. Tradução de Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

SOUSA, L. A. B.; GRAUPE, M. E. Gênero e Políticas Públicas de Educação. In: Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/GT6_L%C3%BAcia%20Aulete%20B%C3%BArigo%20de%20Sousa.pdf Acesso em: 15 nov. 2017.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, jul./dez. 2006.

SOWELL, T. Ação afirmativa ao redor do mundo: um estudo empírico sobre cotas e grupos preferenciais. São Paulo: É Realizações, 2016.

VALLE, V. R. L. do. Políticas públicas, direitos fundamentais e controle judicial. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

VÁZQUEZ, G. G. H. Gênero não é ideologia: explicando os Estudos de Gênero, 2017. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/explicando-estudos-de-genero. Acesso em: 15 jan. 2018.

VIANA, N. O que são minorias? Revista Posição. ano 3, v. 3, n. 9, jan./mar. 2016.

VIANNA, C. Gênero, sexualidade e políticas públicas de educação: um diálogo com a produção acadêmica. Pro-Posições, Camipnas, v.23, n.2, p.127-143, maio/ago. 2012.

ZAMBAM, N. J. Z.; KUJAWA, H. A. As políticas públicas em Amartya Sen: condição de agente e liberdade social. Revista Brasileira de Direito, Passo Fundo, v. 13, n. 1, p. 60-85, Jan.-Abr. 2017.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369431721

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)