Políticas curriculares e a base nacional comum curricular: emancipação ou regulação?

Maria de Lourdes Pinto de Almeida, Hildegard Susana Jung

Resumo


Este artigo é fruto de pesquisa bibliográfica e documental sobre a Base Nacional Comum Curricular. O objetivo é refletir sobre o documento em vigor no contexto das políticas educacionais, seguindo a metodologia histórico-crítica. Enquanto instrumento de regulação da educação com uma maquiagem de legislação, apresenta-se como caminho para a emancipação humana no sistema capitalista. Foram encontrados pontos de regulação na Base Comum a todos, pois a seleção de determinados conteúdos em detrimento de outros denuncia a visão de um grupo dominante acerca do que seja legítimo ensinar, num exercício de regulação a serviço de uma Pátria panóptica. Os fundamentos científicos, metodológicos, filosóficos e pedagógicos da proposta do Estado, ainda que questionem a tradicional integração das disciplinas e resgatem temas como a ética e a justiça, tornam a escola um cenário midiático, com apelo às estratégias televisivas de entretenimento, em que não especialistas falam sobre tudo.


Palavras-chave


Currículo mínimo nacional; Educação básica; Políticas públicas em educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, N. Sobre a possibilidade e a necessidade curricular de uma base nacional comum. Revista Científica e-Curriculum, v. 12, n. 3, p. 1464-1479, 2014.

BIANCHETTI, R. Modelo neoliberal e políticas educacionais, São Paulo, Cortez, 1996.

BRASIL. Lei CNE nº 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências. Brasília: 24 de novembro de 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9131.htm. Acesso em 29.08.2016.

_______. Presidência da República. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 20 de dezembro de 1996. Disponível em:< www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm Acesso em 06.02.2016.

_______. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm Acesso em 06 de abril de 2016.

CHERRYHOLMES, C. Power and criticismo: poststructural investigations in education. New York: Teachers College Press, 1988. p. 149.

GRAMSCI, A. Cuadernos de la Cárcel. Edición Crítica del Instituto Gramsci a cargo de Valentino Gerratana. Tomo 5. Trad. Ana María Palos. Coedición Ediciones Era / Benemérita Universidad Autónoma de Puebla: México, D.F, 1999.

HUNT, Ed.; SHERMAN, H. História do Pensamento Econômico. R.J. Ed. Vozes. 1977.

JUNG, H. S.; SUDBRACK, E. M. Pátria educadora ou Pátria panóptica? Revista Cocar, v. 10, n. 19, p. 265-286, 2016.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

NASSIF, L., In: Folha de São Paulo, 14/10/97.

OLIVEIRA, V. B. (Org.). Informática em Psicopedagogia, S.P. Editora SENAC. 1996.

PETITAT, A. A produção da escola, produção da sociedade: Análise sócio-histórica de alguns momentos decisivos da evolução escolar no Ocidente. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

ROIO, M. A educação como forma de reprodução da hegemonia e seu avesso. In: SCHLESENER, Anita. (org.) Filosofia, Política e Educação: leituras de Antônio Gramsci. Curitiba: UTP, 2014.

SAVIANI, D. Educação e questões da atualidade. S.P. Livros do Tatu, ed. Cortez, 1993

SMITH, A. A riqueza das nações, S.P. Nova Cultural. 1985, vol. I, p. 50.

SOUZA, R. F. Inovação educacional no século XIX: A construção do currículo da escola primária no Brasil. Cadernos Cedes, ano XX, no 51, novembro/2000.

TURCHI, L. M. Qualidade total: afinal, de que estamos falando? Texto para discussão número 459. IPE, Ministério do Planejamento e Orçamento. Brasília: fev. 1997.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644426787

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar