A disciplinarização da produção textual escrita na Educação Básica brasileira: reflexos no trabalho docente

Fabiana Veloso de Melo Dametto, Jeferson Luís Carvalho, Marcia Cristina Côrrea

Resumo


Muitas foram as intervenções governamentais com o objetivo de produzir/provocar transformações na Educação Básica brasileira. Este trabalho, no entanto, tem como objetivo refletir acerca de uma prática instaurada por iniciativa de escolas e a qual vem se consolidando de maneira silenciosa e a parte das prescrições oficiais. Trate-se da implantação de uma disciplina denominada Redação. Esse movimento é autônomo, mas não orgânico. A criação de uma disciplina implica pensarmos uma multiplicidade de aspectos envolvidos nesse processo. Para tanto, este trabalho tem como ponto de partida trocas de experiências vivenciadas por profissionais da Educação Básica. Por essa razão, a fala produzida aqui é de professores-pesquisadores dirigindo-se aos formadores de professores. Além disso, busca-se estabelecer, à luz do Interacionismo Sociodiscursivo e da Ergonomia da atividade docente, uma articulação entre discurso científico e práticas docentes.

Palavras-chave


Education; Text Production; Wording; Teaching Work

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, C. M. F. Disciplinas escolares: história e pesquisa. In: OLIVEIRA, M. A. T. de; RANZI, S. M. F. (Orgs.). História das disciplinas escolares no Brasil: contribuição para o debate. Bragança paulista: EDUSF, 2003. p. 9-38.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros Curriculares Nacionais: linguagens, códigos e suas tecnologias – arte. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Disponível em: www.portal.mec.gov.br. Acesso em: 08 set. 2015.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discurso: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ, 1999/2007.

BRONCKART, Jean-Paul. Ensinar: um “métier” que, enfim, sai da sombra. In: MACHADO, A. R. e colaboradores. Linguagem e Educação – O trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação. n. 2, 1990, p. 177-229.

ENDRUWEIT, M. L; OTHERO, G. A. de. O vestibular, a redação e a sala de aula: um percurso histórico. In: REBELLO, L. S.; FLORES, V. N. do (Orgs.). O texto de vestibular em perspectiva. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2014. p. 13 -36.

FERRAREZI JR., Celso; CARVALHO, Robson Santos de. Produzir textos na educação básica: o que saber, como fazer. São Paulo: Parábola, 2015.

GOLDNADEL, Marcos. Implicações do reconhecimento das condições de produção da dissertação escolar para o trabalho com redação na aula de Língua Portuguesa. In: REBELLO, L. S.; FLORES, V. N. do (Orgs.). O texto de vestibular em perspectiva. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2014. p. 63-89.

GOMES, Neiva M. Tebaldi. Redação de vestibular: que gênero é esse? In: REBELLO, L. S.; FLORES, V. N. do (Orgs.). O texto de vestibular em perspectiva. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2014. p. 13 -36.

GUEDES, Paulo Coimbra. Da redação à produção textual: o ensino da escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

MACHADO, Anna Raquel (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

NUNES, Paula Ávila. Proficiência ou rendimento? O que a redação de vestibular avalia? In: REBELLO, L. S.; FLORES, V. N. do (Orgs.). O texto de vestibular em perspectiva. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2014. p. 53-63.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148525982

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Letras



 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.