Em tempos de guerra e de paz: a Educação Especial em Angola

Daniela Antonello Lobo D´avila, Selma Alves Pantoja, Paulo de Carvalho

Resumo


Este estudo investiga a construção das políticas educacionais voltadas à Educação Especial no Sistema Educacional de Ensino (SEE) angolano. A análise parte da inexistência dessa política desde o regime colonial às iniciativas constituídas a partir da independência do país tanto nos períodos de guerra civil como em tempos de paz. Analisa-se a trajetória do ensino especial tendo por fonte os documentos oficiais do governo angolano com o intuito de identificar os significados das formulações em relação à conjuntura política e econômica nos diferentes momentos da história do país. Metodologicamente, trata-se de pesquisa qualitativa, na qual os documentos oficiais são analisados sob a ótica da análise crítica do discurso. A temática do ensino especial foi contemplada no âmbito dos aspectos normativos institucionais durante a I e a II República, caracterizando marcos históricos à compreensão dos rumos da Educação Especial. Contudo, o desenvolvimento educacional em meio à instabilidade política e econômica devido à guerra civil fragilizou a implementação das políticas de Educação Especial. Com a instauração da paz, o governo angolano investiu na elaboração e aprovação de documentos e legislações voltados ao ensino especial e registrou, nos doze anos do pós-guerra (2002-2014), um aumento expressivo de 284% dos alunos da Educação Especial matriculados. Pode-se afirmar que a efetiva implementação da Educação Especial ocorre com o fim da guerra civil, com a formação de professores, com a aprovação de políticas públicas e a influência advinda de parcerias com as agências das Nações Unidas, além de cooperações técnicas com o chamado Sul Global.

Palavras-chave


Angola; Educação Especial; Política educacional.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ANGOLA, República de. Assembleia do Povo. Constituição da República Popular de Angola. Luanda, 1975.

ANGOLA, República de. Ministério da Educação. Circular nº 56 de 19 de setembro de 1979. Luanda: Ministério da Educação. Luanda, 1979.

ANGOLA, República de. Decreto-lei nº 40. Estatuto Orgânico do Ministério da Educação. Luanda, Presidência da República, 1981.

ANGOLA, República de. Lei nº 23 de 1992, de 16 de setembro de 1992. Lei de Revisão Constitucional. Luanda, 1992.

ANGOLA, República de. Ministério da Educação. Relatório de atividades. Luanda, 2003a.

ANGOLA, República de. Lei nº 13/01, de 331 de dezembro de 2001. Estabelece a Lei de Base do Sistema de Educação. Luanda, 2003b.

ANGOLA, República de. Decreto Lei nº 07/03, de 17 de junho de 2003. Lei Orgânica do INEE. Ministério da Educação. Diário da República, Órgão oficial da República de Angola. I Série Nº 47, 2003c.

ANGOLA, República de. Ministério da Educação. Instituto Nacional para a Educação Especial (INEE). Plano Estratégico de Desenvolvimento da Educação Especial em Angola 2007-2015. Instituto Nacional para a Educação Especial, Luanda, 2006.

ANGOLA, República de. Ministério da Educação. Relatório de monitorização sobre Educação para Todos. Luanda, 2014.

ANGOLA, República de. Ministério da Educação. Instituto Nacional para a Educação Especial (INEE). Projecto da Política Nacional de Educação Especial Orientada para a Inclusão Escolar. Ministério da Educação. Luanda, 2015.

ANGOLA, República de. Lei nº17/16, de 07 de outubro de 2016. Lei de Bases do Sistema de Educação LBSE. Diário da República, Órgão oficial da República de Angola. I Série, Nº 170, 2016.

ANGOLA, República de. Decreto Presidencial nº 187/17, de 16 de agosto de 2017. Política Nacional de Educação Especial Orientada para a Inclusão Escolar. Diário da República, Órgão oficial da República de Angola. I Série, Nº 140, Luanda, 2017.

BARNES, Colin. Deficiência e Políticas sociais. Revista SER Social, Brasília, v.15, n.32, p. 237-251, 2013.

BEAUD, Stéphane e WEBER, Florence. Guia para a pesquisa de campo: produzir e analisar dados etnográficos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

CARVALHO, Paulo de. Angola, quanto tempo falta para amanhã? reflexões sobre as crises política, económica e social. Oeiras: Celta Editora, 2002.

CARVALHO, Paulo de. Exclusão social em Angola. O caso dos deficientes físicos de Luanda. Luanda: Kilombelombe, 2008.

CARVALHO, Paulo de. O calar das armas foi a principal conquista da paz. Revista Angolana de Sociologia, Vol. 11, p. 123-129, 2013.

CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. Angola: história, nação e literatura (1975-1985). Curitiba: Editora Prismas, 2016.

CELLARD, André. A análise documental. In.: A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

COMAROFF, Jean; COMAROFF, John. Teoría desde El Sur: o como los países centrales evolucionan hacia áfrica. Buenos Aires: Editora Siglo Veintiuno, 2013.

CUA. COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA (2009). Plano de Acção da Década Africana das Pessoas com Deficiência (2010– 2019). Disponível em: < https://au.int/sites/default/files/pages/32900-file-cpoa_handbook._audp._portuguese_-_copy.pdf> . Acesso em: 4 fev, 2016.

DEGNBOL-MARTINUSSEN, John; ENGBERG-PEDERSEN, Poul. Aid: Understanding International Development Cooperation. London, New York: Zed Books Ltd, cap. 1-4, p. xiii-55, 2003.

FREUDENTHAL, Aida. Construindo o passado angolano: as fontes e a sua interpretação. In: II Seminário Internacional sobre a história de Angola, Luanda, 1997. Anais: Comissão Nacional para as comemorações dos descobrimentos portugueses. Org. DIAS, Jill R; CRUZ, Rosa, p. 429-442, 2000.

JACCOUD, Mylène e MAYER, Robert. A observação direta e a pesquisa qualitativa. In.: A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

KABUNDA, Mbuyi. (Coord). África y la cooperación com el Sur desde el Sur. Casa África, 2011.

LIBERATO, Ermelinda. Avanços e retrocessos da educação em Angola. Revista Brasileira de Educação, v.19, nº.59, p. 1003-1031, out-dez. 2014.

MATOS, Olinda Josefa de. A educação especial em Angola. In. Necessidades Educativas Especiais em Angola. Dakar-Senegal: Ibrahima Ndiaye, UNESCO, 1998.

MBEMBA, Valeriano Valodia. Angola e Unesco. In. Necessidades Educativas Especiais em Angola. Dakar-Senegal: Ibrahima Ndiaye, UNESCO, 1998.

NETO, Maria da Conceição. In Town and Out of Town: A Social History of Huambo (Angola) 1902-1961. Thesis submitted for the degree of PhD in History. PhD Thesis, SOAS, University of London, 2012.

NGULUVE, Alberto Kapitango. Educação Angolana: Políticas de Reformas do Sistema Educacional. São Paulo: Biscalchin Editor, 2010.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Resolução A/61/106, 13/12/06. Nova York: Nações Unidas, 2006.

PANTOJA, Selma Alves. Historiografia africana e os ventos sul: desenvolvimento e história. Transversos: Revista de História. Rio de Janeiro, nº 08, p. 46-70, 2016.

PAXE, Isaac Pedro Vieira. Políticas educacionais em Angola: desafios do direito à Educação. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, 2014.

PEARCE, Justin. A guerra civil em Angola 1975-2002. Lisboa: Tinta-da-china, 2017.

SALAMANCA. Declaração de Salamanca sobre Princípios, Política e Prática em Educação Especial. Salamanca: S.l., 1994.

TUNES, Elizabeth; PEDROSA, Lilia Pinto. O silêncio ou a profanação do outro? In: TUNES, Elizabeth. (Org.). Sem escola, sem documento. E-papers Serviços Editoriais, p.15-30, 2011.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990.

VIEIRA, Laurindo. Angola: A Dimensão Ideológica da Educação 1075 – 1992. 1. ed. Luanda: Editora Nzila, 2007.

ZAU, Filipe. Angola: trilhos para o desenvolvimento. Universidade Aberta Lisboa, 2002.

ZAU, Filipe. Educação em Angola: novos trilhos para o desenvolvimento. Luanda: Movilivros, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X34186

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________