APORTE DE SERAPILHEIRA E NUTRIENTES EM UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

Mauro Valdir Schumacher, Denise Andréia Szymczak, Peter Trüby, Eduardo Kneipp Londero, Joseane Marafiga

Resumo


O objetivo deste estudo foi quantificar a deposição e o aporte de nutrientes através da serapilheira em um fragmento de Floresta Estacional Decidual, em Itaara, Rio Grande do Sul. Foram demarcadas seis parcelas, alocadas no interior da floresta de forma sistemática, nestas foram instalados cinco coletores de serapilheira com formato cônico. O material depositado nessa estrutura foi separado em folhas, identificadas por espécies, galhos finos (diâmetro < 0,5 cm) e miscelânea (flores, frutos, sementes e restos vegetais). Após o fracionamento e separação foi realizada a determinação dos teores de nutrientes. A quantidade total de serapilheira aportada no período em estudo foi de 39,8 Mg ha-1, sendo composta por 68,4% de folhas, 16,3% de galhos e 15,3% de miscelânea. A espécie com maior quantidade de serapilheira depositada foi a Parapiptadenia rigida com 16,1%, seguido de 9,0% de Ocotea pulchella e 5,9% de Matayba elaeagnoides. A deposição de serapilheira segue a ordem: primavera>outono>inverno>verão. A quantidade aportada de nutrientes seguiu a ordem: N>Ca>K>Mg>S>P para os macronutrientes, e Fe>Mn>B>Zn>Cu para os micronutrientes. A maior devolução de nutrientes via serapilheira foi produzida pela espécie Parapiptadenia rigida, seguida de Ocotea pulchella e Matayba elaeagnoides.

Palavras-chave


ciclagem de nutrientes; espécies nativas; sazonalidade; Mata Atlântica.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTALOT, M. J. A. et al. Retorno de nutrientes ao solo via deposição de serapilheira de quatro espécies leguminosas arbóreas na região de Botucatu – São Paulo, Brasil. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 65, p. 219-227, jun. 2004.

BOEGER, M. R. T.; WISNIEWSKI, C.; REISSMANN, C. B. Nutrientes foliares de espécies arbóreas de três estádios Sucessionais de floresta Ombrófila densa no sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 19, p. 167-181, 2005.

BRAY, J. R.; GHORAN, E. Litter production in forest of the world. Londres: Advances in Ecological Research, 1964.

BRITEZ, R. M. et al. Deposição estacional de serapilheira e macronutrientes em uma floresta de Araucária, São Mateus do Sul, Paraná. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 766-772, 1992.

BRUN, E. J. Biomassa na Floresta Estacional Decidual de Santa Tereza, RS. 2004. 152 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Quantificação de serapilheira e de nutrientes em uma Floresta Ombrófila Densa. Revista do Setor de Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 1, p. 53-68, 2008.

CARPANEZZI, A. A. Banco de sementes e deposição de folhedo e seus nutrientes em povoamentos de bracatinga (Minosa scabrella Bentham) na Região Metropolitana de Curitiba-PR. 1997. 177 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1997.

CUNHA, G. C. Aspectos da ciclagem de nutrientes em diferentes fases sucessionais de uma Floresta Estacional do Rio Grande do Sul. 1997. 86 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Piracicaba, 1997.

CUNHA, G. C. et al. Dinâmica nutricional em Floresta Estacional Decidual com ênfase aos minerais provenientes da deposição da serapilheira. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 3, n. 1, p. 35-64, 1993.

FIGUEIREDO FILHO, A. et al. Avaliação estacional da deposição de serapilheira em uma floresta ombrófila mista localizada no sul do Estado do Paraná. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, p. 11-18, 2003.

GARRIDO, M. A. O.; POGGIANI, F. Avaliação da quantidade e do conteúdo de nutrientes do folhedo de alguns povoamentos puros e misto de espécies indígenas. Silvicultura de São Paulo, v. 15/16, p. 1-22, 1981.

KOEHLER, C. W.; REISSMANN, C. B.; KOEHLER, H. S. Deposição de resíduos orgânicos (serapilheira) e nutrientes em plantio de Araucaria angustifolia em função do sítio. Revista do Setor de Ciências Agrárias, Londrina, v. 9, n. 1, p. 89-94, 1987.

KÖNIG, F. G. et al. Avaliação da sazonalidade da produção de serapilheira numa floresta Estacional Decidual no município de Santa Maria-RS. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, n. 1, p. 429-435, 2002.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima, 2000. 531 p.

LONGHI, S. J.; GREFF, L. T. B. Distribuição de espécies arbóreas em relação a parâmetros ambientais em uma Floresta Estacional Decidual no município de Itaara, RS. 2006. 16 f. Relatório (Iniciação Científica) - CNPq/Pibic, Brasília, 2006. 16 p.

LOPES, V. G. et al. Quantificação da biomassa de raízes de uma floresta estacional decidual na região de Itaara – RS – Brasil. In: JORNADAS TÉCNICAS FORESTALES Y AMBIENTALES, 12., 2006, Eldorado. Anais... Eldorado: INTA, 2006.

MALUF, J. R. T. Nova classificação climática do Estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 141-150, 2000.

MARIN, D.; MEDINA, E. Duracion foliar, contenido de nutrientes y esclerofilia en arboles de un bosque muy seco tropical. Acta Cientifica Venezolana, Caracas, v. 32, p. 508-514, 1981.

MORAES, R. M.; DOMINGOS, M. Elementos minerais em folhas de espécies arbóreas de Mata Atlântica e Mata de Restinga, na Ilha do Cardoso, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 133-138, 1997.

NEVES, E. J. M.; MARTINS, E. G.; REISSMANN, C. B. Deposição de serapilheira e de nutrientes de duas espécies da Amazônia. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, v. 43, p. 47-60, 2001.

PÉLLICO NETTO, S.; BRENA, D. A. Inventário florestal. Santa Maria: UFSM; CEPEF, 1997.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Inventário florestal contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FATEC; SEMA, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2004.

SCHUMACHER, M. V. et al. Produção de serapilheira em uma floresta de Araucaria angustifolia (Bertol) Kuntze no município de Pinhal Grande-RS. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, p. 29-37, 2004.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10. ed. Porto Alegre: SBCS, 2004. 400 p.

TEDESCO, M. J. et al. Análise de solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: UFRGS, 1995. 174 p. (Boletim Técnico, n. 5).

VELOSO, H. P.; GOES FILHO, L. Fitogeografia brasileira, classificação fisionômica ecológica da vegetação Neotropical. Salvador: Projeto RADAMBRASIL, 1982. (Boletim Técnico).




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509832036

Licença Creative Commons