Crescimento inicial de Pinus taeda L. relacionado a doses de N, P e K.

Hamilton Luiz Munari Vogel, Mauro Valdir Schumacher, Lindolfo Storck, Rudi Witschoreck

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo estudar os efeitos de diferentes doses de N, P e K no crescimento inicial de plantas de Pinus taeda, aos 19 meses de idade. O experimento localiza-se próximo do Município de Cambará do Sul, tendo como coordenadas UTM "centrais" 565125 E e 6777386 N. O solo da região é classificado como Cambissolo Humico alumínico típico, textura argilosa. A metodologia estatística utilizada foi a técnica do confundimento, para três fatores, com quatro níveis, totalizando 64 tratamentos, distribuídos em quatro blocos. Foram medidas as seguintes variáveis no campo: altura total, altura de copa, diâmetro à altura do colo e diâmetro de copa. Os resultados indicam que foi obtida resposta linear e quadrática significativa para o P, evidenciando a importância da aplicação desse nutriente no crescimento inicial das plantas de Pinus taeda, com máximo ganho em volume cilíndrico, nas doses de 64 e 87 kg ha-1 de P2O5 e K2O respectivamente.


Palavras-chave


crescimento inicial; adubação N, P e K; <i>Pinus taeda</i>

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, N.F.; NEVES, J.C.L.; NOVAIS, R.F. Recomendação de fertilizantes minerais em plantios de eucalipto. In: GONÇALVES, J.L.M. ; BENEDETTI, V. (Eds). Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 135-165.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Divisão de pesquisa pedológica DNPEA. Levantamento de reconhecimento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Recife, 1973. 431 p. (Boletim Técnico n. 30).

CARVALHO, J.G.; CASTRO, H.A.; YAMADA, I.; SPELTZ, G.E. Nutrição mineral de Pinus. In: HAAG, H.P. Nutrição mineral de Eucalyptus, Pinus, Araucaria e Gmelina no Brasil. Campinas: Fundação Cargil, 1983. p.71-134.

COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO – RS/SC. Recomendação de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 3. ed. Passo Fundo: SBCS-Núcleo Regional Sul, 1994. 224 p.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa Tecnológica em Informática para a Agricultura (Campinas, SP). Ambiente de software NTIA, versão 4.2.2.: manual do usuário – ferramental para geração de aplicativos. Campinas, 1997. Disquete 31/2.

FERNÁNDEZ, R.; RODRÍGUEZ ASPILLAGA, F.; LUPI, A.; LOPEZ, E.; PEZZUTTI, R.; CRECHI, E.; PAHR, N.; NATIUCK, M.; CORTEZ, P. Respuesta del Pinus taeda y la Araucaria angustifolia a la adición de N, P y K en la implantación. In: SILVOARGENTINA I, Governador Virasoro, Corrientes, 2000. 1 CD-Rom.

FIFE, D.N. ; NAMBIAR, E.K.S. Response to phosphorus application of second rotation Pinus radiata on podsolised sands from planting to first thinning: implications for management. Australian Forestry, v. 62, p.109-119, 1998.

FLINN, D.W. Practical aspects of the nutrition of exotic conifer plantations and native eucalypt forests in Australia. Research for Forest Management. Mel Bourne: CSIRO, 1985. 296 p.

GARCIA, C.H. Tabelas para classificação do coeficiente de variação. Piracicaba: IPEF-ESALQ, 1989. 12 p. (Circular técnica, 171)

GONÇALVES, J. L. M. Recomendações de adubação para Eucalyptus, Pinus e espécies típicas da Mata Atlântica. Documentos Florestais, Piracicaba, v.15, p.1-23, 1995.

GONÇALVES, J.L.M. ; VALERI, S.V. Eucalipto e Pinus. In: FERREIRA, M.E. et al. (Eds.). Micronutrientes e elementos tóxicos na agricultura. Jaboticabal, 2001. p. 13-41.

HUECK, K. As florestas da América do Sul. São Paulo: Polígono, 1972. 466 p.

MELLO, F. A. F.; SOBRINHO, M. O. C. B.; ARZOLLA, S.; SILVEIRA, R. I.; NETTO, A. C.; KIEHL, J. C. Fertilidade do solo. São Paulo: Nobel, 1983. 400 p.

MOLINA, G.; HERRERO, G.; YERO, L.; SANCHEZ, J.; LOBAINA, B. Efecto de NPK sobre las posturas de Pinus maestrensis em viveiro y en campo. Revista Florestal Baracoa, v.17, n. 2, p.85-96, 1987.

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961.

NOVAIS, R.F.; BARROS, N.F.; NEVES, J.C.L. Nutrição mineral do Eucalipto. In: BARROS, N. F. ; NOVAIS, R. F. (Eds). Relação solo-eucalipto. Viçosa: Folha de Viçosa, 1990. p. 25-98.

NOVAIS, R.F. ; SMYTH, T.J. Fósforo na planta. In: NOVAIS, R.F. ; SMYTH, T.J. Fósforo em solo e planta em condições tropicais. Viçosa: UFV, DPS, 1999. p.255-270

REISSMANN, C. B. ; WISNIEWSKI, C. Aspectos nutricionais de plantios de Pinus. In: GONÇALVES, J.L.M., BENEDETTI, V. (Eds). Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 135-165.

SCHULTZ, R. P. The ecology and culture of Loblolly Pine (Pinus taeda L.). New Orleans: Agricultural Handbook 713. U. S. Department of Agriculture, Forest Service Washington, D. C., p. 20-28, 1997.

SCHUMACHER, M.V.; HOPPE, J.M.; ZANCAN, V. Caracterização física e química de um solo em uma área de campo nativo, destinada ao plantio de Pinus taeda L. Santa Maria : UFSM, CCR, Dep. Ci. Fl., 1999. 37 p.

SCHUMACHER, M.V. Impactos ambientales de la plantciones de pinus e eucaliptos. In: SILVOARGENTINA I, Governador Virasoro, Corrientes, 2000. 1 CD-Rom.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA. Disponível em: . Acesso em : 1º ago.2001.

STORCK, L. ; LOPES, S.J. Experimentação II. Santa Maria: UFSM, CCR, Departamento de Fitotecnia, 1998. 205 p.

STRECK, E.V.; KÄMPF, N.; KLAMT, E. Atualização da classificação taxonômica das unidades de mapeamento do levantamento de reconhecimento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1999. v. 16. (Inf. EMATER-RS)

TSAI, S.M.; BARAIBAR, V.L.; ROMANI, V.L.M. Efeitos de fatores do solo. In: CARDOSO, et al. (coords.) Microbiologia do solo. Campinas: SBSC, 1992. p. 59-72.

WOOLLONS, R.C.; CRANE, W.J.B.; SNOWDEN, P. Responses to nitrogen, phosphorus and sulphur applications to a Pinus radiata stand in the Tumut region, New South Wales. Australian Forestry, v.58, n.3, p.135-141, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981837

Licença Creative Commons