AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE DEZ ESPÉCIES NATIVAS DA MATA ATLÂNTICA

Guilherme Carneiro de Mendonça, José Franklim Chichorro, Adriano Ribeiro de Mendonça, Lorena Abdalla de Oliveira Prata Guimarães

Resumo


Com a previsão de escassez de recursos florestais amazônicos é eminente a necessidade de estudos sobre o potencial silvicultural de espécies de outras regiões como a Mata Atlântica. O objetivo deste estudo foi avaliar características silviculturais das espécies Astronium concinnum, Cariniana legalis, Goniorrhachis marginata, Kielmeyera albopunctata, Lecythis pisonis, Manilkara bella, Basiloxylon brasiliensis, Spondias venulosa, Vitex sp. e Zeyheria tuberculosa, nativas da Mata Atlântica com ocorrência no Espírito Santo. As espécies foram plantadas a pleno sol em plantios puros, com espaçamento de 2 x 2 m. Os povoamentos possuíam idades entre 21 a 25 anos na época da avaliação final e foram conduzidos na Reserva Natural da Vale, nos municípios de Linhares e Sooretama, Espírito Santo. Foram avaliados falha de plantio, fitossanidade, quebra, bifurcação, forma do fuste, diâmetro a altura do peito, altura total e incremento médio anual volumétrico. O volume foi estimado por meio de diferentes equações ajustadas para cada espécie. Constataram-se falhas de plantio expressivas apenas para Cariniana legalis, Zeyheria tuberculosa e Goniorrhachis marginata. Apenas Vitex sp. apresentou restrições fitossanitárias. Spondias venulosa, Goniorrhachis marginata e Kielmeyera albopunctata destacaram-se com os maiores índices de quebras. Goniorrhachis marginata, Manilkara bella e Basiloxylon brasiliensis destacaram-se com os menores índices de bifurcação. Manilkara bella, Cariniana legalis e Zeyheria tuberculosa destacaram-se quanto à forma de fuste retilíneo. Spondias venulosa apresentou crescimento expressivo e superior às demais espécies. São necessários mais estudos para subsidiar o reflorestamento econômico dessas espécies, destacando-se estudos de melhoramento genético, técnicas silviculturais, técnicas de desdobro e de tecnologia da madeira que apontem as aptidões de uso. 


Palavras-chave


produção madeireira; recursos florestais; manejo florestal.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, H. B. Avaliação de espécies e procedências de Eucalyptus L’Héritier (Myrtaceae) nas Regiões Norte e Noroeste do Estado de Minas Gerais. 1991. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura de Lavras, Lavras, 1991. AGÊNCIA DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ENERGIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Vitória: ASPE, 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS. Anuário estatístico da ABRAF 2012 ano base 2011. Brasília: ABRAF, 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2012.

BRANCALION, P. H. S. et al. Silvicultura de espécies nativas para viabilização econômica da restauração florestal na Mata Atlântica. In: MARTINS, S. V. (Ed.). Restauração Ecológica de Ecossistemas Degradados. Viçosa: UFV, 2012. cap. 7, p. 212-239.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2003. v. 1, 1.093 p. (Coleção Espécies Arbóreas Brasileiras).

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2006. v. 2, 627 p. (Coleção Espécies Arbóreas Brasileiras).

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2010. v. 4, 644 p. (Coleção Espécies Arbóreas Brasileiras).

DRUMOND, M. A.; OLIVEIRA, V. R.; CARVALHO, O. M. Comportamento silvicultural de espécies e procedências de Eucalyptus na região dos Tabuleiros Costeiros do Estado do Sergipe. Revista Árvore, Viçosa, v. 22, n. 1, p. 137-142, 1998.

ENGEL, V. L.; POGGIANI, F. Influência do sombreamento sobre o crescimento de mudas de algumas essências nativas e suas implicações ecológicas e silviculturais. IPEF, Piracicaba, n. 43/44, p. 1-10, jan./dez. 1990.

FONTES, M. A. L. Padrões alométricos em espécies arbóreas pioneiras tropicais. Scientia Forestalis. Piracicaba, n. 55, p. 79-87, jun. 1999.

GARAY, I.; KINDEL, A.; JESUS, R. M. Diversity of humus forms in the Atlantic forest ecosystems (Brazil): the table-land Atlantic forest. Acta Oecologica, Philidelphia, n. 16, p. 553–570, 1995.

GARAY, I. et al. Diversidade funcional dos solos na Floresta Atlântica de Tabuleiros. In: ______; RIZZINI, C. M. (orgs). A Floresta Atlântica de Tabuleiros: diversidade funcional da cobertura arbórea. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 16-26.

GONZAGA, A. L. Madeira: uso e conservação. Brasília: IPHAN/MONUMENTA, 2006. 246 p.

HIROTA, M. M. (Coord.). Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: período 2011-2012. Relatório técnico. São Paulo: [s. n.], 2013. 61 p.

INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA E EXTENSÃO RURAL. Sistema de informações meteorológicas. Vitória: INCAPER, [2012]. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2012.

INHETVIN, T. Cadeias de Valor da Sociobiodiversidade no Corredor Central da Mata Atlântica (Bahia e Espírito Santo). Relatório do Estudo. Vitória: Projeto Corredores Ecológicos/ PCE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2012.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Banco de dados. São Paulo: IPT/SP, 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2012.

JUSTINIANO, M. J.; FREDERICKSEN, T. S.; NASH G. D. Ecologia y silvicultura de especies menos conocidas. Proyecto de manejo forestal sostenible Bolfor. Santa Cruz: Bolívia, 2001.

KAGEYAMA, P. Y.; CASTRO, C. F. A. Sucessão secundária, estrutura genética e plantações de espécies arbóreas nativas. IPEF, Piracicaba, n. 41/42, p. 83-93, jan./dez. 1989.

KINDEL, A.; GARAY, I. Caracterização de ecossistemas da Floresta Atlântica de Tabuleiros por meio das formas de húmus. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, n. 25, 551–563, 2001.

IBAMA. Banco de dados. [s. l.]: LPF; IBAMA, [2012]. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2012.

LIMA NETO, J. A. et al. Caracterização e gênese do caráter coeso em Latossolos Amarelos e Argissolos dos Tabuleiros Costeiros do estado de Alagoas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 33, n. 4, p. 1001-1011, 2009.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. v. 1, 352 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 3. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2009. v. 2, 384 p.

MARTINS, E. P.; OLIVEIRA, A. D.; SCOLFORO, J. R. S. Avaliação dos danos causados pela exploração florestal à vegetação remanescente em florestas naturais. Cerne, Lavras, v. 3. n. 1, p. 14-24, 1997.

MARTINS, L. T. Caracterização dendrométrica e crescimento de espécies não tradicionais em plantios homogêneos. 2012. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, 2012.

MATTOS, R. B.; DURLO, M. A.; LÚCIO, A. L. D. Possibilidade de ganho de fuste em espécies euxilóforas nativas da região central do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 2, p. 11-120, dez. 2003.

MARCHESAN, R. Rendimento e qualidade de madeira serrada de três espécies tropicais. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

OGAYA, N. Kubierungsformeln und Bestandesmassenformeln. 1968. 85 f. Thesis (PhD) - Universität Freiburg, Breisgau, 1968.

ROCHA, M. P. Técnicas de planejamento em serrarias. Curitiba: FUPEF, 2002. 121 p. (Série Didática FUPEF).

SCHILLING, A. C. et al. Influência de diferentes intensidades de desrama sobre a porcentagem de lenho tardio e quantidade de nós da madeira de primeiro desbaste de Pinus elliottii Engelman. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 8, n. 1, 1998.

SCHUMACHER, F. X.; HALL, F. S. Logarithmic expression of timber-tree volume. Journal of Agricultural Research, Washington, v. 47, n. 9, p. 719-734, 1933.

SILVA, C. C. Potencial de espécies nativas para a produção de madeira serrada em plantios de restauração florestal. 2013. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Lavras, 2013. SPURR, S. H. Forest inventory. New York: Ronald Press, 1952.

STOATE, T. N. The use of a volume equation in pine stands. Australian Forestry, Queen Victoria, v. 9, p. 48-52, 1945.

TANAKA, A.; VIEIRA, G. Autoecologia das espécies florestais em regime de plantio de enriquecimento em linha na floresta primária da Amazônia Central. Acta Amazonica, Manaus, v. 36, n. 2, p. 193-204, 2006.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA J. C. A. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 123 p.

YOUNG, C. E. F. Economia do Extrativismo em Áreas de Mata Atlântica. In: SIMÕES, L. P.; LINO, C. F. (Org.). Sustentável Mata Atlântica: a exploração de seus recursos florestais. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2003.

WHATLEY, J. M.; WHATLEY, F. R. A luz e a vida das plantas. São Paulo: EPU/EDUSP, 1982. 101 p. (Temas de Biologia, 30).




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826466

Licença Creative Commons