Potencial de pressão antrópica na região Nordeste Paraense, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509834844

Palavras-chave:

Amazônia, Sustentabilidade, Uso da terra

Resumo

A intensificação da agropecuária na Amazônia ameaça a manutenção da biodiversidade, interfere na ciclagem da água e nos estoques de carbono, alterando os ciclos biogeoquímicos em escala local e regional. Recentemente, na Amazônia, políticas públicas têm sido criadas para promover o desenvolvimento sustentável, tal como observado com o Plano Nacional de Produção e uso do Biodiesel (PNPB) em 2005, e o Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma (PPSOP) em 2010, facilitando a entrada de alguns municípios do nordeste paraense na cadeia produtiva da palma de óleo (dendê - Elaeis guineensis Jacq.). Assim, o objetivo deste trabalho é quantificar a cobertura vegetal e o uso da terra para avaliar a qualidade ambiental do município de Mãe do Rio no Pará, para os anos de 2008 e 2016. A metodologia inclui revisão bibliográfica, análise espacial/temporal da cobertura e uso da terra e o Índice de Transformação Antrópica (ITA). Os resultados demonstram que as principais mudanças ocorridas em 2008 e 2016 são: i. o desmatamento contínuo das florestas primárias, enquanto a floresta secundária aumenta em área; ii. a expansão gradual dos dendezeiros sobre as áreas de agropecuária; iii. o aumento da área de solo exposto indica uma alta rotatividade do uso e cobertura da terra; iv. em 2008 e 2016, os índices são 7,56 e 7,64 respectivamente, considerados “potencialmente insustentáveis”, devido à continua supressão de floresta primária, degradada e campinaranas, favorecendo a perda da biodiversidade na região, condição que justifica o apoio à política da dendeicultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlete Silva Almeida, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, PA

Geógrafa, Dra., Tecnóloga do Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Perimetral, 1901, Bairro Terra Firme, CEP 66077-830, Belém (PA), Brasil.

Wanja Janayna de Miranda Lameira, Secretaria Municipal de Educação de Belém, Belém, PA

Geógrafa, Dra., Professora da Secretaria Municipal de Educação de Belém, Av. Governador José Malcher, 1291, Nazaré, CEP 66830-090, Belém (PA), Brasil.

Jorge Gavina Pereira, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, PA

Geógrafo, Dr., Pesquisador do Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Perimetral, 1901, Bairro Terra Firme, CEP 66077-830, Belém (PA), Brasil.

Marcelo Cordeiro Thalês, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, PA

Agrônomo, Dr., Tecnólogo do Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Perimetral, 1901, Bairro Terra Firme, CEP 66077-830, Belém (PA), Brasil.

Gil Mendes Sales, Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará, Belém, PA

Agrônomo, Me., Assessor do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará, Av. João Paulo II, s/n, Parque Estadual do Utinga, Curió Utinga, CEP 6610-770, Belém (PA), Brasil.

Referências

ALMEIDA, A. S.; VIEIRA, I. C. G. Cenários para a Amazônia: área de endemismo Belém: sumário executivo. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2014.

ALMEIDA, A. S.; VIEIRA, I. C. G. Centro de Endemismo Belém: Status da Vegetação Remanescente e Desafios para a Conservação Biológica e Restauração Ecológica. REU, Sorocaba, SP, v. 36, n. 3, p. 95-111, dez. 2010.

ALMEIDA, A. S.; VIEIRA, I. C. G. Transformações antrópicas da paisagem agrícola com palma de óleo no Pará. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 22, n. 2, p. 9-26. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/6535. Acesso em: 17 mar. 2021.

BRASIL. Lei 12.651/2012 - Código Florestal Brasileiro. Brasília: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 05 dez. 2012.

CELINSKI, T. M.; ZIMBACK, C. R. L. Discriminação de classes de cobertura vegetal utilizando técnicas de classificação digital de imagens de sensoriamento remoto. Revista Energia na Agricultura, Botucatu, v. 25, n. 1, p. 152-170, 2010.

COSTA, W. M. D. Communities arrangements, productive systems, scientific and technological inputs for land use and forest resources in Amazon. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, [s. l.], v. 5, n. 1, p. 41-57, 2010.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Serviço de Produção de Informação. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília, 2009.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE. ArcGIS desktop and spatial analyst extension: release 10.5. [S. l.: s. n.], 2017.

ENVIRONMENT FOR VISUALIZING IMAGES. Guia do ENVI em Português. [S. l.]: Sulsoft, 2017.

FERREIRA, L. V. et al. A extração ilegal de areia como causa do desaparecimento de campinas e campinaranas no estado do Pará, Brasil. Pesquisas Botânicas, [s. l.], v. 64, p. 157-173, 2013.

GOUVEIA, R. G. L.; GALVANIN, E. A. S.; NEVES, S. M. A. S. Aplicação do índice de Transformação Antrópica, na análise multitemporal da Bacia do Córrego do Bezerro Vermelho em Tangará da Serra – MT. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 1, p. 1045-1054, 2013.

HOMMA, A. K. O. Agroenergia a entrada de um novo ciclo na Amazônia? In: GOMES JUNIOR, R. A. (org.). Bases técnicas para a cultura da palma de óleo integrado na unidade produtiva da agricultura familiar. Belém: Embrapa, 2010. p. 3-10.

HUDSON, W. D.; RAMM, C. W. Correct formulation of the kappa coefficient of agreement. Photogrammetric Engineering & Remote Sensing, Falls Church, v. 53, n. 4, p. 421-422, 1987.

IBGE. Estimativas da população. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_População/Estimativas_2017/estimativa_dou_2017.pdf. Acesso em: 15 dez. 2017.

IBGE. Malha municipal digital: escala 1:250.000. Rio de Janeiro – RJ. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.php. Acesso em: 08 fev. 2018.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira: sistema fitogeográfico, inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. Rio de Janeiro, 2012. 271 p.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (Brasil). Projeto PRODES. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/prodesmunicipal.php. Acesso em: 22 mar. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (Brasil). TerraClass 2014. Levantamento de informações de uso e cobertura da terra na Amazônia. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.inpe.br/cra/projetos_pesquisas/terraclass2012.php. Acesso em: 19 dez. 2015.

LAMEIRA, W. J. de M.; VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. Análise da expansão do cultivo da palma de óleo no Nordeste do Pará (2008 a 2013). Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 8, n. 2, 2015.

LISBÔA, P. L. Estudos sobre a vegetação das Campinas Amazônicas-II Observações gerais e revisão bibliográfica sobre as campinas amazônicas de areia branca. Acta Amazonica, Manaus, v. 5, n. 3, p. 211-223, 1975.

MELLO, N. G. R. D.; ARTAXO, P. Evolução do plano de ação para prevenção e controle do desmatamento na Amazônia legal. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 66, p. 108-129, 2017.

MORAES, B. C. D. et al. Variação espacial e temporal da precipitação no estado do Pará. Acta Amazonica, Manaus, v. 35, n. 2, p. 207-214, 2005.

PARÁ. Instrução Normativa nº 02/2014, de 26 de fevereiro de 2014. Diário Oficial do Estado: caderno 5, Belém, n. 32594, p. 6-8, 28 fev. 2014.

PARÁ. Instrução Normativa nº 8/2015, de28 de outubro de 2015. Limpeza e autorização de supressa de vegetação secundária em estágio inicial de regeneração nos imóveis rurais, no âmbito do Estado do Pará. Belém, 2015. Disponível em: http://www.semas.pa.gov.br/2015/11/03/instrucao-normativa-no-08-de-28-de-outubro-de-2015/. Acesso em: 05 dez. 2015.

PEDROSO JÚNIOR, N. N. et al. A agricultura de corte e queima: um sistema em transformação. Boletim do Museu Paranaense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 3, n. 2, p. 153-174, 2008.

RIVERO, S. et al. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 41-66, 2009.

SILVA, F. L.; HOMMA, A. K. O.; PENA, H. W. A. O cultivo do dendezeiro na Amazônia: promessa de um novo ciclo econômico na região. Observatorio de la Economía Latinoamericana, [s. l.], n. 158, 2011. Disponível em: http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/. Acesso em: 09 jan. 2016.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. Imagens orbitais digitais gratuitas do satélite Landsat-8: data de passagem 04/08/2016. United States, 2016. Disponível em: http://landsat.usgs.gov. Acesso em: 19 ago. 2016.

VALENTIM, J. F.; ANDRADE, C. M. S. Tendências e perspectivas da pecuária bovina na Amazônia brasileira. Ciência & Desenvolvimento, Belém. v. 4, n. 8, p. 7-27, 2009.

VENTURIERI, A. Evolução da área plantada com palma de óleo no Brasil, com ênfase no estado do Pará. Agroenergia em Revista, Brasília, DF, v. 2, p. 18, 2011.

VIEIRA, I. C. G., SILVA, J. M. C.; TOLEDO, P. M. Estratégias para evitar a perda de biodiversidade na Amazônia. Estudos Avançados, [s. l.], v. 19, n. 54, p. 153-164, 2005.

WATRIN, O. D. S.; GERHARD, P.; MACIEL, M. Dinâmica do uso da terra e configuração da paisagem em antigas áreas de colonização de base econômica familiar, no Nordeste do estado do Pará. Geografia, Rio Claro, v. 34, n. 3, p. 455-472, set./dez. 2009.

Downloads

Publicado

25-03-2022 — Atualizado em 08-04-2022

Versões

Como Citar

Almeida, A. S., Lameira, W. J. de M., Pereira, J. G., Thalês, M. C., & Sales, G. M. (2022). Potencial de pressão antrópica na região Nordeste Paraense, Brasil. Ciência Florestal, 32(1), 01–18. https://doi.org/10.5902/1980509834844 (Original work published 25º de março de 2022)

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.