Riscos ambientais e segurança do coletor no extrativismo do fruto de açaízeiro na Amazônia Oriental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509842790

Palavras-chave:

Açaí, Produtos florestais não madeireiros, Segurança do trabalho

Resumo

O extrativismo de produtos florestais não madeireiros na Amazônia é uma atividade que expõe o trabalhador a riscos ambientais que podem afetar sua saúde e sua segurança no trabalho. O objetivo deste estudo foi identificar os riscos ambientais e os impactos psicofisiológicos e físicos da coleta do fruto do açaizeiro no trabalhador da Amazônia Oriental. O Estudo foi realizado pela aplicação de questionários semiabertos e entrevistas estruturadas baseadas a partir de protocolos do software Ergolândia versão 6.0 a 33 coletores na Ilha do Combú, Belém/PA. Os riscos físicos identificados foram: radiação ultravioleta (12 h de sol), umidade relativa média anual de 71,9% e calor com IBUTG de 24,4ºC. O medo da queda do açaizeiro, animais peçonhentos, altura e o alto esforço físico requerido para escalar a palmeira foram as principais dificuldades apontadas pelos extrativistas. Foram identificados os riscos de acidentes: cobra, maribondo, escorpião, aranha, queda do açaizeiro, cortes, arranhões e torção muscular. A carga de 30 quilos, transportada pelos coletores, atende ao estabelecido pela legislação vigente. As partes do corpo que os extrativistas sentem dores com frequência durante e após a atividade foram: a parte inferior das costas, pés e dedos, mãos e dedos, membros superiores, ombro, punho, trapézio, cabeça e peito, pescoço, antebraço, cotovelo, panturrilha, tornozelo e joelho. O protocolo de Moore e Garg classificou a atividade como de alto risco para o desenvolvimento de doenças ocupacionais com Strain Index de 13,5 e 10,12 na safra e entressafra, respectivamente, e o protocolo de Lehmann como um trabalho fatigante. A OWAS indicou a categoria de ação 4 com adoção de correções imediatas na postura da coluna, membros superiores e pernas dos extrativistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vandeilson Belfort Moura, Agência de Defesa Agropecuária do Pará, Parauapebas, PA

Agrônomo, Me., Fiscal Estadual Agropecuário, Agência de Defesa Agropecuária do Pará, Rodovia Faruk Salmen, Quadra 01 Lote 01 a 08, CEP 68515-000, Parauapebas (PA), Brasil.

Vivian Dielly da Silva Farias, Universidade Federal do Pará, Altamira, PA

Agrônoma, Dra., Professora, Campus Altamira, Universidade Federal do Pará, Rua Coronel José Porfírio, 2515, CEP 68372-040, Altamira (PA), Brasil.

Denis de Pinho Sousa, Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Belém, PA

Agrônomo, Dr., Fiscal de Meio Ambiente, Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677, Belém (PA), Brasil.

Hildo Giuseppe Garcia Caldas Nunes, Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA

Meteorologista, Dr., Professor, Universidade Federal Rural da Amazônia, Avenida Presidente Tancredo Neves, 2501, CEP 66077-830, Belém (PA), Brasil.

Paulo Jorge de Oliveira Ponte de Souza, Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA

Meteorologista, Dr., Professor, Universidade Federal Rural da Amazônia, Avenida Presidente Tancredo Neves, 2501, CEP 66077-830, Belém (PA), Brasil.

Referências

BRASIL. NR 06 - Equipamento de Proteção Individual - EPI. 1978b. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-06.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 24 de outubro de 2018].

BRASIL. NR 09 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 1978a. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-09-atualizada-2019.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 09 de dezembro de 2019].

BRASIL. NR 11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. 1978c. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-11.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 29 de abril de 2016].

BRASIL. NR 15 – Atividades e operações insalubres. 1978d. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-15.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 24 de dezembro de 2019].

BRASIL. NR 17 - Ergonomia. 1978e. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-17.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 24 de outubro de 2018].

BRASIL. NR 21 - Trabalhos a Céu Aberto. 1978f. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-21.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 15 de dezembro de 1999].

BRASIL. NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho. 1978g. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-24-atualizada-2019.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 23 de setembro de 2019].

BRASIL. NR 31 - Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura. 2005. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-31-atualizada-2020.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 22 de outubro de 2020].

BRASIL. NR 35 – Trabalho em altura. 2012. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/normas-regulamentadoras/nr-35.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020. [Atualizada em 30 de julho de 2019].

CANTO, S. A. E. Processo Extrativista do Açaí: contribuição da ergonomia com base na análise postural durante a coleta dos frutos. 2001. 114 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

CONAB. Histórico Mensal Açaí. 2019. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-e-extrativista/analises-do-mercado/historico-mensal-de-acai. Acesso em: 14 jan. 2020.

COSTA, J. C. M.; KLEIN, A. A. Utilização das ferramentas Moore Garg e Rula pré pós melhorias no setor operacional de uma indústria de bebidas. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA APLICADA,1., 2016, São Paulo. Proceedings [...], São Paulo: Blucher Proceedings, 2016, v. 3, n. 3, 2016. p. 845-850.

COX, M. A. Basic guide for empirical environmental social science. Ecology and Society, Wolfville. v. 20, n. 1, p. 63, mar. 2015.

EMBRAPA. Informativo Técnico Rede de Sementes da Amazônia. 2008. Disponível em: http://www.inpa.gov.br. Acesso em: 13 jan. 2020.

FREIRE, A. K. da S.; SANTIAGO, E. J. P. Doenças ocupacionais nos trabalhadores de enfermagem e educação em saúde: revisão integrativa. Revista Saúde e Desenvolvimento, São Paulo, v. 11, n. 6, p.202-218, jan/mar. 2017.

GIAMPAOLI, E.; SAAD, I. F. de S. D.; CUNHA, I. de Â. da; SHIBUYA, E. K. Norma de Higiene Ocupacional 06 (NHO 06): avaliação da exposição ocupacional ao calor: procedimento técnico. 2 ed. São Paulo: Fundacentro, 2017.

IBGE. Produção da extração vegetal e da silvicultura, Rio de Janeiro, v.31, p.1-54. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/74/pevs_2016_v31.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

LAPERUTA, D. G. P.; OLIVEIRA, G. A.; PESSA, S. L. R.; LUZ, R. P. da. Revisão de ferramentas para avaliação ergonômica review of ergonomic assessment tools. Revista Produção Online. Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 665-690, 2018.

MARTINS, A de J.; FERREIRA, N. S. A. Ergonomia no trabalho rural. Revista Eletrônica Atualiza Saúde, Salvador, v. 2, n. 2, p. 125-134, jul/dez. 2015.

MELLO, T. L. de; ROSA, S. M. da; VAZ, M. dos S.; VECCHIO, F. B. D. Treinamento de força em sessão com exercícios poliarticulares gera estresse cardiovascular inferior a sessão de treino com exercícios monoarticulares. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Pelotas, v. 2, n. 39, p. 132-140, abr./jun.2017.

MEYERS, A. R.; GERR, F.; FETHKE, N. B. Evaluation of Alternate Category Structures for the Strain Index: An Empirical Analysis. Human Factors, EUA, v. 56, n. 1, p. 131–142, fev. 2014.

MIOT, H. A. Tamanho da amostra em estudos clínicos e experimentais. Jornal Vascular Brasileiro, Porto Alegre, v. 10, n. 4, dez. 2011.

MORAES, P. W. T.; BASTOS, A. V. B. Los Síntomas de RSI/WMSD: un estudio comparativo entre empleados de bancos de Bahia con y sin diagnóstico. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 37, n. 3, p. 624-637, jul/set. 2017.

NASCIMENTO, T. P do; FIEDLER, N. C. Análise de posturas pelo método de OWAS em atividade extrativista do Açaí. Revista Agropecuária Científica no Semiárido, Campina Grande, v. 13, n. 3, p. 236-240, set. 2017.

PERIS, C. S.; CAIADO, R. R.; LIMA-FILHO, A. A. S.; RODRIGUES, E. B.; FARAH, M. E.; GONÇALVES, M. B.; ALVES, B. B. de Q.; URUSHIMA, J. G. P.; RAGAZZI, R.; MAIA, M. Analysis of Anthocyanins Extracted from the Acai Fruit (Euterpe oleracea): a potential novel vital dye for Chromovitrectomy. Journal of Ophthalmology, São Paulo, v. 2018, p. 1-9, jul. 2018.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R. A language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing, 2010. ISBN 3-900051-07-0.

NUNES, M. da S. Impacto de alterações ambientais na transmissão da malária e perspectivas para o controle da doença em áreas de assentamento rural da Amazônia brasileira. Oecologia Australis, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 603-622, set. 2010.

VEIGA, J. P. C.; TREVISANI, D. M.; MAKISHI, F; ABREU, M. G. C. de; SILVA, M. S. P. e; ZACARELI, M. A. Padrões de saúde e segurança no trabalho e extrativismo: o caso de comunidades rurais da Amazônia brasileira. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 26, n. 3, p. 774-785, fev. 2017.

YAMAGUCHI, K. K. de L.; PEREIRA, L. F. R.; LAMARÃO, C.V.; Lima E. S.; VEIGA-JUNIOR, V. F. da. Amazon acai: Chemistry and biological activities: A review. Food Chemistry, Barking v. 179, p. 137–151, jul. 2015.

Downloads

Publicado

24-06-2022

Como Citar

Moura, V. B. ., Farias, V. D. da S. ., Sousa, D. de P. ., Nunes, H. G. G. C. ., & Souza, P. J. de O. P. de . (2022). Riscos ambientais e segurança do coletor no extrativismo do fruto de açaízeiro na Amazônia Oriental. Ciência Florestal, 32(2), 597–616. https://doi.org/10.5902/1980509842790

Edição

Seção

Artigos