DIVERSIDADE DO BANCO DE SEMENTES EM DIFERENTES ÁREAS DE CAATINGA MANEJADAS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA, BRASIL

Terezinha de Oliveira Ribeiro, Ivonete Alves Bakke, Patrícia Carneiro Souto, Olaf Andreas Bakke, Danielly da Silva Lucena

Resumo


A Caatinga, vegetação predominante da região semiárida do nordeste do Brasil, é formada por plantas com mecanismos eficientes que garantem a sua permanência no ecossistema. Seus estratos herbáceo, arbustivo e arbóreo fornecem alimento para os animais e diversos produtos para o homem e mantêm o banco de sementes como reserva para a recomposição florística. O objetivo deste trabalho foi comparar a densidade, a composição e a diversidade do banco de sementes de três áreas de Caatinga manejadas: área com plantio de craibeiras (A1), área degradada (A2) e área com plantio de juremas+sabiá (A3), localizadas na Fazenda Nupeárido, pertencente à Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Patos – PB, Brasil. Cinco amostras de serapilheira + solo de cada área foram coletadas e levadas ao Viveiro Florestal da UFCG e mantidas sob sombrite de 50% de redução solar e um regime de irrigação manual diária, onde permaneceram por 90 dias para contagem e identificação dos indivíduos emergentes. A densidade de plântulas foi comparada entre as três áreas através do teste do χ2 com P<0,05. A diversidade florística e a riqueza de espécies foram avaliadas utilizando os índices de Shannon-Wiener (H’) e de uniformidade de Pielou (e’), respectivamente. O banco de sementes foi composto predominantemente de espécies herbáceas nas três áreas e o estoque de sementes de espécies arbóreas teve incremento significativo na área de craibeiras resultante da presença prolongada de animais atraídos pelo conforto térmico local, proporcionado pelas copas.


Palavras-chave


dispersão de sementes; Caatinga; índice de diversidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D. S. Recuperação ambiental da mata atlântica. Ilhéus: Editus, 2000. 130 p.

ALMEIDA-CORTEZ, J. S. Dispersão e banco de sementes. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 225-236.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

ARAÚJO, E. E.; CASTRO, C. C; ALBUQUERQUE, U. P. Dynamics of Brazilian caatinga – A review concerning the plants, environment and people. Functional Ecosystems and Communities, Japan, v. 1, n.1, p. 15-28. 2007.

ARAÚJO, E. L.; FERRAZ, E. M. N. Processos ecológicos mantenedores da diversidade vegetal na caatinga: estado atual do conhecimento. In: CLAUDINO-SALES, V. (Ed.). Ecossistemas brasileiros: manejo e conservação. Fortaleza: Expressão, 2003. p. 115-128.

CLAUDINO-SALES, V. et al. Diversidade de herbáceas em microhabitats rochoso, plano e ciliar em uma área de Caatinga, Caruaru- PE. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 285-294, 2005.

ARAÚJO, M. M. et al. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes no solo e banco de plântulas em floresta estacional decidual ripária Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 66, p. 128-141, 2004.

BAKKE, I. A. et al. Regeneração natural da jurema preta em áreas sob pastejo de bovinos. Revista Caatinga, Mossoró, v. 19, n. 3, p. 228-235, 2006.

BRAGA, R. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. Natal: ESAM, 1976. 540 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal. Avaliação e ações prioritárias para conservação da biodiversidade da caatinga. Brasília: EMBRAPA Semi-árido; MMA/SBF, 2002. 36 p.

COSTA, R. C.; ARAÚJO, F. S. Densidade, germinação e flora do banco de sementes no solo, no final da estação seca, em uma área de Caatinga, Quixadá, CE. Acta Botânica Brasilica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 259-264, 2003.

COSTALONGA, S. R. Banco de sementes em áreas contíguas de pastagem degradada, plantio de eucalipto e floresta natural, em Paula Cândido – MG. 2006. 126 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2006.

DEMINICIS, B. B. et al. Dispersão natural de sementes: importância, classificação e sua dinâmica nas pastagens tropicais. Archivos de Zootecnia, Cordoba, v. 58, p. 35-58, 2009.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2006. 306 p.

FERREIRA, C. D. et al. Florística do banco de sementes no solo em diferentes estágios de regeneração natural de Caatinga. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 9, n. 4, p. 562-569, 2014.

GONÇALVES, G. S. et al. Estudo do banco de sementes do solo em uma área de caatinga invadida por Parkinsonia aculeata L. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 9, n. 4, p. 428-436, 2011.

KÖEPPEN, W. Sistema Geográfico dos Climas. Notas e Comunicado de Geografia. Recife: Ed. Universitária – UFPE, 1996. (Série B: Textos Didáticos, 13).

LEAL FILHO, N. Caracterização do banco de sementes de três estádios de uma sucessão vegetal na zona de Minas Gerais. 1992. 116 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, MG, 1992.

LIMA, E. N. et al. Influência da sazonalidade na fenologia e na dinâmica populacional da Euphorbia insulana Vell. (Euphorbiaceae) em uma área de caatinga, Pernambuco. In: ALBUQUERQUE, U. P.; MOURA, A. N.; ARAÚJO, E. L. (Orgs.). Biodiversidade, potencial econômico e processos ecofisiológicos em ecossistemas nordestinos. Bauru: Bauru, 2010. p. 365-384.

LOBO, P. C. A. Análise do banco de sementes de uma área de caatinga-PE após simulação de seca. 2008. 34 f. Monografia (Bacharelado em Ciências Biológicas) - Universidade de Pernambuco, Recife, 2008.

MAMEDE, M. A. Efeito do manejo agrícola tradicional sobre o banco de sementes do solo em uma área de Caatinga, Município de Sobral, CE. 2003. 68 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2003.

MARTINS, S. V. et al. Uma abordagem sobre diversidade e técnicas de restauração ecológica. In: ______ (Ed.) Restauração Ecológica dos Ecossistemas Degradados. Viçosa: Ed. UFV, 2012. p. 17-40.

MATA NATIVA 2. Sistema para análise fitossociológica e elaboração de planos de manejo de florestas nativas (Manual do Usuário). Viçosa: Cientec, 2008. p. 295.

PARAÍBA. Plano Estadual de Recursos Hídricos. João Pessoa: Secretaria Estadual de Recursos Hídricos, 2006. 1 CD.

PARENTE, R. G. et al. Composição florística do banco de sementes do solo da caatinga em perímetro irrigado de Petrolina – Pernambuco. Revista Semiárido De Visu, Petrolina, v. 1, n. 1, p. 18-31, 2011.

REIS, A. M. et al. Inter-annual variations in the floristic and population structure of an herbaceous community of “Caatinga” vegetation in Pernambuco, Brazil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 497-508, 2006.

ROBERTS, H. A., Seed banks in the soil. Advances in Applied Biology, London, v. 6, n. 1 p. 1-55, 1981.

ROIZMAN, L. G. Fitossociologia e dinâmica do banco de sementes de populações arbóreas de floresta secundária em São Paulo, SP. 1993. 184 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

SANTOS, A. M. S. Variabilidade espacial do banco de sementes de uma lagoa temporária no Cariri paraibano. 2013. 64 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2013.

SANTOS, D. M. et al. Variação espaço-temporal do banco de sementes em Uma área de floresta tropical seca (caatinga) – Pernambuco. Revista de Geografia, Recife, v. 27, n. 1, p. 234-253, 2010.

SILVA, B. L. R.; TAVARES, F. M.; CORTE, J. S. A. Composição florística do componente herbáceo de uma área de Caatinga - Fazenda Tamanduá, Paraíba, Brasil. Revista de Geografia, Recife, v. 29, n. 3, 2012.

SILVA, J. E. R. Estudo da dispersão de sementes, banco de sementes e regeneração natural de três espécies arbóreas da Caatinga. 2010. 53 f. Monografia (Monografia em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Campina Grande, Patos, 2010.

TRES, D. R. et al. Banco e Chuva de Sementes como Indicadores para a Restauração Ecológica de Matas Ciliares. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 309-311, 2007.

VIDAL, W. N.; VIDAL, M. R. R. Botânica – Organografia: quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos. 4. ed. Viçosa: UFV. 2003. 124 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509826459

Licença Creative Commons