Chuva de sementes em uma região ecotonal entre Cerrado e Caatinga no Piauí, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509846859

Palavras-chave:

Capões, Dispersão, Nucleação

Resumo

A investigação da chuva de sementes pode fornecer informações úteis sobre a distribuição espacial, densidade e riqueza das espécies. O objetivo deste trabalho foi amostrar a chuva de sementes em Capões com presença e ausência de Copernicia prunifera (Carnaúba), caracterizar as sementes quanto à síndrome de dispersão e forma de vida, explorar a relação entre os totais pluviométricos mensais com a densidade e número de espécies da chuva de sementes e a estacionalidade na deposição de sementes. O estudo foi realizado em 20 Capões, sendo 10 com presença e 10 com ausência de Carnaúba. Cada Capão recebeu três coletores com área de 0,50 m2. Foram coletados 1.666 diásporos (55,5 sementes/m2) pertencentes a 17 famílias e 32 espécies. Houve relação negativa entre pluviosidade e número de sementes (r = -0,73 e p<0,05) e, entre pluviosidade e número de espécies da chuva de sementes (r = -0,78 e p<0,01). Houve aumento no número de espécies da chuva de sementes com o aumento de sementes da chuva de sementes (r = 0,74 e p< 0,001). Foram levantadas 908 sementes zoocóricas distribuídas em 12 espécies, anemocoria 502 sementes e 12 espécies e autocórica 256 sementes e sete espécies. As espécies arbóreas tiveram 895 sementes distribuídas em 12 espécies, os arbustos 574 sementes e 10 espécies, as Lianas 133 sementes e sete espécies e palmeiras com 61 sementes e duas espécies. As síndromes de dispersão anemocórica e zoocórica foram predominantes no período seco e zoocoria em todos os meses. Foi observada diferença na composição de espécies da chuva de sementes entre os Capões com presença e ausência de Carnaúba. A distância entre os Capões não influenciou na composição da chuva de sementes (Mantel r = -0,11e p = 0,74). Não houve relação entre áreas dos Capões com o número de sementes da chuva de sementes (R2 = 0,013 e p = 0,95).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Ferreira de Morais, Universidade Estadual do Piauí, Corrente, PI

Biólogo, Dr., Professor do Curso de Ciências Biológicas, Laboratório de Botânica, Universidade Estadual do Piauí, Av. Dom Pedro II, 629, CEP 64980-000, Corrente (PI), Brasil.

Maria Thamiris de Sousa Macedo Macedo, Universidade Estadual do Piauí, Campo Maior, PI

Bióloga, Ma., Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual do Piauí, Av. Santo Antônio s/n, São Luís, CEP 64280-000, Campo Maior (PI), Brasil.

Ronaldo de Araújo Ibiapina, Universidade Estadual do Piauí, Campo Maior, PI

Biólogo, Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual do Piauí, Av. Santo Antônio s/n, São Luís, CEP 64280-000, Campo Maior (PI), Brasil.

Luiz Carlos Santiago Junior, Universidade Estadual do Piauí, Campo Maior, PI

Biólogo, Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual do Piauí, Av. Santo Antônio s/n, São Luís, CEP 64280-000, Campo Maior (PI), Brasil.

Jefferson da Silva Teixeira, Universidade Estadual do Piauí, Campo Maior, PI

Biólogo, Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual do Piauí, Av. Santo Antônio s/n, São Luís, CEP 64280-000, Campo Maior (PI), Brasil.

Fernando Ferreira de Morais, Universidade Federal da Paraíba, Joao Pessoa, PB

Biólogo, Dr., Professor do Departamento de Sistemática e Ecologia, Universidade Federal da Paraíba, Cidade Universitária s/n, CEP 58059-900, Joao Pessoa (PB), Brasil.

José Ribamar Sousa Júnior, Universidade Federal do Piauí, Floriano, PI

Biólogo, Dr., Professor do Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Piauí, BR-343 KM 3,5 - Meladão, CEP 64808-605, Floriano (PI), Brasil.

Referências

ANDREAZZI, C. S.; PIRES, A. S.; FERNANDEZ, F. A. S. Mamíferos e palmeiras Neotropicais: Interações em paisagens fragmentadas. Oecologia Brasiliensis, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 554-574, 2009.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification for the Orders and Families of Flowering Plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, n. 1, p. 1-20, 2016.

ARAUJO, M. M. et al. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes do solo e banco de plântulas em floresta estacional decidual ripária Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Scientia forestalis, São Paulo, n. 66, p. 128-141, 2004.

BARALOTO, C. et al. Using functional traits and phylogenetic trees to examine the assembly of tropical tree communities. Journal of Ecology, [s. l.], v. 100, p. 690-701, 2012.

BRAGA, A. J. T.; BORGES, E. E. L.; MARTINS, S. V. Chuva de sementes em estádios sucessionais de floresta estacional semidecidual em Viçosa-MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 39, n. 3, p. 475-485, 2015.

CALLAWAY, R. M. Positive interactions and interdependence in plant communities. Dordrecht: Springer, 2007.

CALLAWAY, R. M.; WALKER, L. R. Competition and facilitation: a synthetic approach to Interactions in plant communities. Ecology, Bronklyn, v. 78, n. 7, p. 1958-1965, 1997.

CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed, 2004.

CAMPOS, E. P. et al. Chuva de sementes em floresta estacional semidecidual em Viçosa, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 23, n. 2, p. 451-458, 2009.

CAPELLESSO, E. S.; SANTOLIN, S. F.; ZANIN, E. M. Banco e chuva de sementes em área de transição florestal no Sul do Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 39, n. 5, p. 821-829, 2015.

CARVALHO, R. A. et al. Competição, facilitação ou teoria neutra? um estudo das interações e de sua importância na estrutura de uma comunidade vegetal em regeneração. Revista de Biologia Neotropical, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 117-123, 2007.

CHANG, C. C.; TURNER, B. L. Ecological succession in a changing world. Journal of Ecology, [s. l.], v. 107, n. 2, p. 503-509, 2019.

CHUN, J.; LEE, C. Temporal changes in species, phylogenetic, and functional diversity of temperate tree communities: insights from assembly patterns. Frontiers of Plant Science, New Haven, v. 19, n. 10, p. 294, 2019.

COUTURIER, G.; KAHN, F. Notes on the insect fauna on two species of Astrocaryum (Palmae, Cocoeae, Bactridinae) in Peruvian Amazonia, with emphasis on potential pests of cultivated palms. Bulletin de l’Institut Français d’Études Andines, [s. l.], v. 21, n. 2, p. 715-725, 1992.

DEMINICIS, B. B. et al. Dispersão natural de sementes: importância, classificação e sua dinâmica nas pastagens tropicais. Archivos de Zootecnia, Córdoba, v. 58, p. 35-58, 2009.

DIAS, C. R.; UMETSU, F.; BREIER, T. B. Contribuição dos poleiros artificiais na dispersão de sementes e sua aplicação na restauração florestal. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 2, p. 501-507, abr./jun. 2014.

DOVCIAK, M.; FRELICH, L. E.; REICH, P. B. Pathways in old-field succession to white pine: seed rain, shade, and climate effects. Ecological Monographs, Hoboken, v. 75, n. 3, p. 363-378, 2005.

FARIAS, R. R. S.; CASTRO, A. A. J. F. Fitossociologia de trechos da vegetação do complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 18, n. 4, p. 949-963, 2004.

FELFILI, J. M. et al. (ed.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudo de casos. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2011.

FIDALGO, O; BONONI, V. L. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico, Manual. São Paulo: Instituto de Botânica, 1984.

FLORES, J.; JURADO, E. Are nurse-protégé interactions more common among plants from arid evironments? Journal of Vegetation Science, Knivsta, n. 14, p. 911-916, 2003.

FRAGOSO, R. D. O. et al. Barreiras ao estabelecimento da regeneração natural em áreas de pastagens abandonadas. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 4, p. 1451-1464, 2017.

GONÇALVES, F. B. Chuva de sementes em remanescente de caatinga no município de porto da folha, Sergipe-Brasil. Dissertação (Mestrado em botânica) – Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, 2012.

GOTELLI, N. J.; ELLISON, A. M. Princípios de estatística em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011.

GROMBONE-GUARATINI, M. T.; RODRIGUES, R. R. Seed bank and seed rain in a seasonal semi-decidous forest in south-eastern Brazil. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 18, p. 137-148, 2002.

GUERRA, T. J. et al. Handling by avian frugivores affects diaspore secondary removal. PLoS One, [s. l.], v. 13, n. 8, p. e0202435, 2018.

HÄMÄLÄINEN, A. et al. The ecological significance of secondary seed dispersal by carnivores. Ecosphere, [s. l.], v. 8, p. 01685, 2017.

HUBBELL, S. P. Neutral theory and the evolution of ecological equivalence. Ecology, [s. l], v. 87 p. 1387-1398, 2006.

HUBBELL, S. P. The united neutral theory of biodiversity and biogeography. Princeton: University Press, 2001.

HYATT, L. A. et al. The distance dependence prediction of the Janzen-Connell hypothesis: a meta-analysis. Oikos, [s. l.], v. 103, p. 590-602, 2003.

JANZEN, D. H. Herbivores and the number of tree species in tropical forests. The American Naturalist, Chicago, v. 104, p. 501-528, 1970.

JARDIM, A. V. F.; BATALHA, M. A. Dispersal syndromes related to edge distance in cerrado sensu stricto fragments of central-western Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 52, p. 1167-1177, 2009.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Flora do Brasil 2020. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 27 set. 2021.

KHURANA, E.; SINGH, J. S. Ecology of seed and seedling growth for conservation and restoration of tropical dry forest: a review. Environmental Conservation, Cambridge, v. 28, p. 39-52, 2001.

KORNDÖRFER, C. L.; DILLENBURG, L. R.; DUARTE, L. D. S. Assessing the potential of Araucaria angustifolia (Araucariaceae) as a nurse plant in highland grasslands of south Brazil. New Zealand Journal of Botany, Wellington, v. 52, p. 1-10, 2014.

KOTTEK, M. et al. World map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, Berlin, v. 15, p. 259-263, 2006.

KUHLMANN, M. Estratégias de dispersão de sementes no bioma cerrado: considerações ecológicas e filogenéticas. Tese (Doutorado em Botânica) - Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

LAMBERS H, C.; PONS, T. L. Plant physiological ecology. New York: Springer Verlag, 1998.

LIMA, A. B.; RODAL, M. J. N.; SILVA, A. C. B. L. Chuva de sementes em uma área de vegetação de caatinga no estado de Pernambuco. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 59, n. 4, p. 549-658, 2008.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. v. 2.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. v. 1.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas do Brasil. 1. ed. Nova Odessa: Plantarum, 2009. v. 1.

LORENZI, H. et al. Flora brasileira: Arecaceae (Palmeiras). Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2010. 382 p.

MARIMON B. S. et al. Florística dos campos de murundus do Pantanal,

do Araguaia, Mato Grosso, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília, n. 26, v. 1, p. 181-196, 2012.

MIRANDA. J. C. Sucessão ecológica: conceitos, modelos e perspectivas. SaBios: Revista Saúde e Biologia, v. 4, n. 1, p. 31-37, jan./jun. 2009.

MORAIS, R. F. et al. Estrutura de espécies Lenhosas de uma Região Ecotonal de Cerrado e Caatinga no Nordeste Brasileiro. In: CERRADO: Capital Natural E Serviços Ambientais. 1. ed. Jundiaí: Paco, 2020. v. 1. p. 54-70.

MORAIS, R. F.; MORAIS, F. F.; LIMA, J. F. Composição e estrutura da comunidade arbórea e arbustiva em murundus no Pantanal de Poconé, Mato Grosso. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 38, p. 443-451, 2014.

MORO, M. F. et al. A catalogue of the vascular plants of the Caatinga Phytogeographical Domain: a synthesis of floristic and phytosociological surveys. Phytotaxa, [s. l.], v. 160, p. 1-118, 2014.

MURALI, K. S.; SUKUMAR, R. Reproductive phenology of a tropical dry forest in Mudumalai, Southern India. The Journal of Ecology, [s. l.], v. 82, n. 4, p. 759-767, 1994.

NOGUCHI, D. K.; NUNES, G. P.; SARTORI, A. L. B. Florística e síndromes de dispersão de espécies arbóreas em remanescentes de Chaco de Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 353-365, 2009.

OLIVEIRA, M. D.; MELLO, L. S.; PEREIRA, Z. V. Caracterização da chuva de sementes em áreas de preservação permanente no município de Sidrolândia/MS. Cadernos de Agroecologia, [s. l.], v. 13, n. 2, 2018.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Floodplain ‘murundus’ of Central Brazil: evidence for the termiteorigin hypothesis. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 8, n. 1, p. 1-19, 1992.

OVERDYCK, E.; CLARKSON, B. D. Seed rain and soil seed banks limit native regeneration within urban forest restoration plantings in Hamilton City. New Zealand: [s. n.], 2012.

PENHALBER, E. F; MANTOVANI, W. M. Floração e chuva de sementes em mata secundária em São Paulo, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 205-220, dez. 1997.

PERES, M. K. Estratégia de dispersão de sementes no bioma cerrado: considerações ecológicas e filogenéticas. Tese (Doutorado em Botânica) - Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; AOKI, J. chuva de sementes como indicadora do estádio de conservação de fragmentos florestais em Sorocaba – SP. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 4, p. 911-923, out./dez. 2014.

PONCE V. M.; CUNHA C. N. Vegetated earth mounds in tropical savannas of Central Brazil: a synthesis. Journal of Biogeography, Oxford, v. 20, p. 219-225, 1993.

POTT, A.; POTT, V. J. Plantas nativas para recuperação de áreas degradadas e reposição da vegetação no Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Embrapa gado de corte, 2002. (Comunicado Técnico, n. 75).

RATHCKE, B.; LACEY, E. P. Phenological patterns of terrestrial plants. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 16, p. 179-214, 1985.

RATTER, J. A.; BRIGDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Analysis of the floristic composition of the Brazilian Cerrado vegetation III: comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, v. 60 n. 1, p. 57-109, 2003.

REIS A. et al. Nucleação: concepção biocêntrica para a restauração ecológica. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 2, p. 509-518, 2014.

REIS, A. et al. Restauração de áreas de áreas degradadas: a nucleação como base para incrementar os processos sucessionais. Natureza & Conservação, Curitiba, v. l1, n. 1, p. 28-36, abr. 2003.

RESENDE, I. L. M. et al. A comunidade vegetal e as características abióticas de um campo de murundu em Uberlândia, MG. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 18, n. 1, p. 9-17, 2004.

RIBAS, R. P.; GONTIJO, B. M.; MOURA, A. C. M. Análise da conectividade entre fragmentos de vegetação na paisagem: estudo na região da serra do espinhaço em Minas Gerais. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v. 68, p. 301-312, 2016.

SANTOS, L. M. Estratégias ecológicas de plantas em florestas estacionais e savanas do cerrado. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

SANTOS, M. M. G.; PILLAR, V. P. Influência de poleiros naturais e artificiais na expansão da floresta com araucária sobre os campos, em São Francisco De Paula, RS. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, p. 594-596, 2007.

SHELDON, K. S.; NADKARMI, N. S. Spatial and temporal variation of seed rain in the canopy and on the ground of a tropical cloud forest. Biotropica, Hoboken, v. 45, n. 5, p. 549-556, 2013.

SILVA, J. P. G. et al. chuva de sementes e estabelecimento de plântulas em floresta tropical na região nordeste do brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 4, p. 1478-1490, out./dez. 2018.

SPINA, A. P.; FERREIRA, W. M.; LEITÃO FILHO, H. F. Floração, frutificação e síndromes de dispersão de uma comunidade de floresta de brejo na região de Campinas (SP). Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 15, n. 3, p. 349-368. 2001.

STEFANELLO, D. et al. Síndromes de dispersão de diásporos das espécies de trechos de vegetação ciliar do rio das Pacas, Querência – MT. Acta Amazonica, Manaus, v. 40, n.1, p. 141-150, 2010.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DO PIAUÍ. Perfil dos Municípios. Teresina, 1993.

TORQUATO J. L. Produção e consumo de frutos zoocóricos em dois fragmentos florestais do Oeste do Rio Grande Do Norte, Brasil. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, RN, 2015.

TRAVESET, A.; HELEN, R.; NOGALES, M. The ecology of seed dispersal. seeds: the ecology of regeneration in plant communities. [S. l.: s. n.], 2014.

VAN DER PIJL, L. Principles of dispersal in higher plants. Berlin: Springer, 1982.

VELLOSO, A. L.; SAMPAIO, E.V. S. B.; PAREYN, F. G. C. Ecorregiões: propostas para o bioma Caatinga. [S. l.]: The Nature Conservancy do Brasil, 2002.

VIDAL, W. N.; VIDAL, M. R. R. Botânica Organografia. 4. ed. Viçosa: Editora Viçosa, 2006.

VIEIRA, L. T. A. et al. A biogeographic and evolutionary analysis of the flora of the North – eastern cerrado, Brazil. Plant Ecology & Diversty, [s. l.], v. 12, p. 1-11, 2019.

YAMAMOTO, L. F.; KINOSHITA, L. S.; MARTINS, F. R. Síndrome de polinização e de dispersão em fragmentos da Floresta Estacional Semidecídua Montana, SP, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 21, p. 553-573, 2007.

ZAMA, M. Y. et al. Florística e síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas no Parque Estadual Mata São Francisco, PR, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 369-378, 2012.

Downloads

Publicado

24-06-2022

Como Citar

Morais, R. F. de, Macedo, M. T. de S. M., Ibiapina, R. de A., Santiago Junior, L. C. ., Teixeira, J. da S., Morais, F. F. de, & Sousa Júnior, J. R. (2022). Chuva de sementes em uma região ecotonal entre Cerrado e Caatinga no Piauí, Brasil. Ciência Florestal, 32(2), 673–697. https://doi.org/10.5902/1980509846859

Edição

Seção

Artigos