ESTUDOS FITOSSOCIOLÓGICOS E DENDROMÉTRICOS EM UM FRAGMENTO DE CAATINGA, SÃO JOSÉ DE ESPINHARAS – PB

Pierre Farias de Souza, Josuel Arcanjo da Silva, Danielly da Silva Lucena, William de Sousa Santos, Íkallo George Nunes Henriques, Maria de Fátima de Araújo Lucena, Ademilson Daniel de Souza

Resumo


O presente estudo teve como objetivos analisar a composição florística, caracterizar os parâmetros da estrutura interna da comunidade, ajustar modelos volumétricos para estimativas de volume de fustes, bem como estimar um fator de forma para fustes em um trecho de vegetação de Caatinga. A área de estudo se localiza no Assentamento Cachoeira, município de São José de Espinharas - PB. Foram utilizadas 49 parcelas de 400 m² (20 x 20 m), sistematicamente distribuídas, com espaçamento entre parcelas de 300 x 300 m. Para a coleta dos dados de inventário, da regeneração e da estrutura interna (classe de vitalidade, qualidade de fuste e posição de copa), foi seguido o Protocolo de Medição da Rede de Manejo Florestal da Caatinga. Para o estudo das estimativas volumétricas, foi utilizada uma amostra 225 fustes, com medições da circunferência do caule a 0,30 m e 1,3 m do solo e altura total do maior fuste. Na cubagem rigorosa, o fuste foi medido em seções de (1 m), pelo método de Smalian adaptado. Os volumes totais por fuste foram obtidos com seis modelos lineares e não lineares, com duas opções para o diâmetro a 0,3 m e diâmetro equivalente. O fator de forma foi estimado pela razão entre o volume real por meio da cubagem rigorosa por fuste e o volume cilíndrico, cuja base foi a área seccional obtida pelo DAP a 1,30 m e altura do fuste. Foram encontradas, na área de estudo, 22 espécies, 11 famílias e 20 gêneros, sendo que a espécie Luetzelburgia bahiensis, teve seu primeiro registro na vegetação da Paraíba. A estrutura interna da comunidade indicou que acima de 71% dos fustes apresentaram-se saudáveis e 89,40% dos fustes apresentam baixa qualidade, ou seja, são fustes com ramificação, bifurcação e fustes muito tortos. Oito espécies apresentaram caule retilíneo e sem bifurcação e apenas 14,99% dos fustes fazem parte da classe dominante da floresta. Foi obtido o valor médio de 0,87 para o fator de forma estudado, porém, sugere-se o uso de dois fatores de forma para o cálculo de volume individual de fustes, fustes com diâmetro < 5 cm e com diâmetro ≥ 5 cm, usar fatores de forma médios de 0,80 e 0,885, respectivamente. Quatro modelos volumétricos apresentaram bons desempenhos para estimativas de volume de fustes, podendo assim ser usados para áreas com as mesmas semelhanças silviculturais na região.

Palavras-chave


composição florística; estrutura interna; modelos volumétricos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA NETO, J. X. et al. Composição Florística, Estrutura e Análise Populacional do Feijão-Bravo (Capparis flexuosa L.) no Semiárido Paraibano, Brasil. Revista Caatinga, Mossoró, v. 22, n. 4, p. 187-194, 2009.

ALVES JUNIOR, F. T. Estrutura, biomassa e volumetria de uma área de caatinga, floresta-PE. 2010. 151 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2010.

ALVES JUNIOR, F. T. et al. Estrutura diamétrica e hipsométrica do componente arbóreo de um fragmento de mata atlântica, Recife-PE. Revista Cerne, Lavras, v. 13, n. 1, p. 83-95, 2007.

ANDRADE, M. V. M. et al. Levantamento Florístico e Estrutura Fitossociológica do Estrato Herbáceo e Subarbustivo em Áreas de Caatinga no Cariri Paraibano. RevistaCaatinga, Mossoró, v. 22, n. 1, p. 229-237, 2009.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, New York, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

ARAÚJO, L. V. C. Composição florística, fitossociologia e influência dos solos na estrutura da vegetação em uma área de caatinga no semiárido paraibano. 2007. 121 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2007.

ARAÚJO, L. V. C. de. et al. Estimativa da produção de biomassa de um povoamento de jurema-preta (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poiret. com cinco anos de idade. Biomassa & Energia, Viçosa, MG, v. 1, n. 4, p. 347-352, 2004.

BELTRÃO, B. A. et al. Diagnóstico do município de São José de Espinharas, estado da Paraíba. 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2014.

CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 3. ed. Viçosa: UFV, 2009. 548 p.

CHICHORRO, J. F. et al. Equações de volume e de taper para quantificar multiprodutos da madeira em floresta atlântica. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 6, p. 799-809, 2003.

EMBRAPA SOLOS. Levantamento Exploratório - Reconhecimento de solos do Estado da Paraíba. UEP Recife, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

FERRAZ, J. S. F. Análise da Vegetação de Caatinga Arbustivo-Arbórea em Floresta, PE, como Subsídio ao Manejo Florestal. 2011. 131 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2011.

FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (RS). Software Mata Nativa 2: manual do usuário. Viçosa: Cientec, 2006. 295 p.

GUEDES, R. S. et al. Caracterização florístico-fitossociológico do componente lenhoso de um trecho de caatinga no semiárido paraibano. Revista Caatinga, Mossoró, v. 25, n. 2, p. 99-108, 2012.

IBAMA. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite. Acordo de Cooperação Técnica MMA/IBAMA. Monitoramento do Bioma Caatinga 2002 a 2008. CSR/IBAMA, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 dez 2014.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2015.

LEITE, J. A. N. Análise quali-quantitativa da vegetação arbustivo-arbórea da caatinga, em Teixeira-PB. 2010. 56 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Campina Grande, Patos, 2010.

MARANGON, L. C. et al. Estrutura fitossociológica e classificação sucessional do componente arbóreo de um fragmento de floresta estacional semidecidual, no município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Cerne, Lavras, v. 13, n. 2, p. 208-221, 2007.

MIGUEL, E. P. et al. Ajuste de modelo volumétrico e desenvolvimento de fator de forma para plantios de Eucalyptus grandis localizados no município de Rio Verde-GO. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 6, n. 11, p. 1-13, 2010.

OLIVEIRA, P. T. B. de. et al. Florística e Fitossociologia de Quatro Remanescentes Vegetacionais em Áreas de Serra no Cariri Paraibano. Revista Caatinga, Mossoró, v. 22, n. 4, p. 169-178, 2009.

REDE DE MANEJO FLORESTAL DA CAATINGA. Protocolo de Medições de Parcelas Permanentes. Recife: MMA; PNF; APNE, 2005. 28 p.

RODAL, M. J. N. et al. Estrutura da vegetação caducifólia espinhosa (Caatinga) de uma área do sertão central de Pernambuco. Revista Hoehnea, Água Funda, v. 35, n. 2, p. 209-217, 2008.

SAMPAIO, E. V. S. B. et al. Tree biomass estimation in regenerating areas of tropical dry vegetation in northeast Brazil. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 259, p. 1135-1140, 2010.

SANTANA, J. A. S.; SOUTO, J. S. Diversidade e estrutura fitossociológica da caatinga na Estação Ecológica do Seridó-RN. Revista de Biologia e Ciências da Terra, Campina Grande, v. 6, n. 2, p. 232-242, 2006.

SCOLFORO, J. R. et al. A. Obtenção de relações quantitativas para estimativa de volume do fuste em floresta estacional semidecídua Montana. Revista Cerne, Lavras, v. 1, n. 1, p. 123-134, 1994.

SILVA, J. A. A. et al. Modelagem volumétrica de Pinus elliottii Engelm., no Planalto do estado de santa Catarina. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 24, n. 1, p. 91-96, 2000.

SILVA, J. A. Fitossociologia e relações alométricas em caatinga nos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte. 2005. 93 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2005.

SOARES, C. P. B. et al. Dendrometria e inventário florestal. Viçosa: UFV, 2006. 276 p.

THAINES, F. et al. Equações para estimativa de volume de madeira para a região da bacia do Rio Ituxi, Lábrea, AM. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, v. 30, n. 64, p. 283-289, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE. Departamento de Ciências Atmosféricas. Dados Climatológicos do Estado da Paraíba. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2014.

VELOSO, H. P. et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 124 p.

ZAKIA, M. J. B. et al. Equações de Peso e volume para oito espécies lenhosas nativas do Seridó-RN. Natal: PNUD/FAO/IBAMA, 1992. v. 1.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509825152

Licença Creative Commons