INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO SOCIAL NAS RELAÇÕES MORFOMÉTRICAS DE Araucaria angustifolia

Emanuel Arnoni Costa, César Augusto Guimarães Finger, Frederico Dimas Fleig

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509821116

As relações morfométrias permitem descrever dimensões das árvores sem o prévio conhecimento da idade, auxilia no planejamento florestal e na execução de atividades silviculturais, principalmente quando se deseja tornar sustentável o uso das florestas. Com esse propósito, o objetivo do presente estudo foi modelar e comparar as relações morfométricas de árvores de araucária que crescem em posição social dominante, codominante e dominada em remanescente florestal nativo, localizado no município de Lages - SC. Um total de 294 árvores distribuídas em classes de DAP foi selecionado intencionalmente no interior da floresta. De cada árvore foi medido o DAP, altura total, altura do fuste, diâmetro de copa sob oito raios, bem como a classificação quanto à posição social. Modelos de regressão linear simples e múltipla foram empregados para descrever a relação h/d, proporção de copa e formal de copa em função do diâmetro a altura do peito na forma simples, quadrática, cúbica, inversa e logarítmica. A análise de covariância com variáveis dummy para descrever a posição social foram usadas para testar o paralelismo e inclinação das regressões indicando a necessidade ou não do emprego de regressões independentes. Os resultados indicaram que, mesmo com grande variabilidade na forma e dimensão das copas decorrente do processo de crescimento e de competição, as relações morfométricas de araucária podem ser estimadas com precisão por modelos de regressão. A relação h/d, proporção de copa e formal de copa pode ser descrita por modelo individual para posição social dominante, codominante e dominada, ou alternativamente por modelo único, com a utilização de variáveis dummy que diferenciam o estrato dominado no modelo de relação h/d e de formal de copa. Para a proporção de copa existe diferença de dimensões das árvores dos três estratos sociais, sendo necessário utilizar uma variável de classificação dummy para cada caso ou os modelos individuais.


Palavras-chave


modelagem; paralelismo; inclinação; relações interdimensionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, E. The principles of forest yield study. Oxford: Pergamon Press, 1970. 506 p.

BECHTOLD, W. A. Crown-diameter prediction models for 87 species of stand-grown trees in the eastern United States. Southern Journal of Applied Forestry, Washington, v. 27, p. 269 - 278, 2003.

BURGER, H.B. Zuwachs in zwei hiebsreifen Fichtenbeständen. Mitt. Schweiz. Anst. F. forstl. Vers. Wesen, v. 21, p. 147 - 176, 1939.

COIMBRA, J. L. M. et al. Esperanças matemáticas dos quadrados médios: uma análise essencial. Ciência Rural. Santa Maria, v. 36, n. 6, p. 1730 - 1738, 2006.

COLE, W. G.; LORIMER C. G. Predicting tree growth from crown variables in managed Northern hardwood stands, Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 67, p. 159 - 175, 1994.

COSTA, E. A.; FINGER, C. A. G.; CUNHA, T. A. Influência da posição social e do número de raios na estimativa da área de copa em Araucária. Revista Floresta, v.43, n. 3, p. 429 – 438, jul./set, 2013.

CUNHA, T. A.; FINGER, C. A. G.; SCHNEIDER, P. R. Linear mixed model to describe the basal area increment for individual credo (Cedrela odorata L.) trees in Occidental Amazon, Brazil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 3, p. 461 - 470, jul. - set., 2013.

DURLO, M. A. Relações morfométricas para Cabralea canjerana (Well.) Mart. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 141 - 150, jun. 2001.

DURLO, M. A. Zuwachsuntersuchungen und Einzelbaumwachstums-modelle für Cabralea canjerana, cedrela fissilis und Cordia trichotoma in sekundären Laubmischwälder Südbrasiliens. 1996. 175 p. Dissertation. Institut für Waldwachstumsforschung. Universität für Bodenkultur, Wien, 1996.

DURLO, M. A.; DENARDI, L. Morfometria de Cabralea canjerana, em mata secundária nativa do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 55 - 66, nov.1998.

DURLO, M. A.; SUTILI, F.J.; DENARDI, L. Modelagem da copa de Cedrela fissilis Vellozo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 79 - 89, dez. 2004.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999. 412 p.

EPAGRI. Dados e Informações Biofísicas da Unidade de Planejamento Regional Planalto Sul Catarinense – UPR 3, Florianópolis, 2002. 70 p.

FREUND, R. J.; LITTELL, R.C. SAS for linear models: a guide to the ANOVA and GLM Precedures. SAS INSTITUTE INC., Cary, NC, 1981. 226 p.

GETZIN, S. et al. Scale-dependent competition at the stand level assessed from crown areas. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 255, p. 2478 - 2485, 2008.

GILL, S.J.; BIGING, G. S.; MURPHY, E. C. Modeling conifer tree crown radius and estimating canopy cover. Forest Ecology and Manegement, Amsterdam, v. 126, p. 405 - 416, 2000.

HASENAUER, H. Dimensional relationships of open-grown trees in Austria. Forest Ecology and Management, v. 96, p. 197 - 206, 1997.

HASENAUER, H.; MONSERUD, R. A. A crown ratio model for Austrian forests. Forest Ecology and Manegement, v. 84, p. 49 - 60, 1996.

HESS, A. F. et. al. Proposta de manejo de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze utilizando o quociente de Liocourt e análise de incremento, em propriendade rural no Município de Lages, SC. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 30, n. 64, p. 337 - 345, Nov./dez. 2010.

MATTOS, R. B. Produtividade e incremento de cabralea canjerana (Vell.) Mart., Cedrela fissilis Vell. e Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. Ex Steud., em floresta nativa no Rio Grande do Sul. 2007. 105f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

MCINTOSH, A. C. S.; GRAY, A. N.; GARMAN, S. L. Estimating canopy cover from standard Forest Inventory Measurements in Western Oregon. Forest Science, Bethesda, v. 58, p. 154 - 167, 2012.

MITSCHERLICH, G. Wald, Wachstum und Umwelt. Eine Einführung in die ökologischen Grundlagen des Waldwachstums. Erster Band: Form und Wachstum von Baum und Bestand. II Auflage. Frankfurt am Main: J,D. Sauerländer’s Verlag, 1978. 144 p.

MONSERUD, R.; STERBA, H. A. A basal area increment model for individual trees growing in even-and-uneven-aged forest stands in Austria. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 80, p. 57 - 80, 1996.

NOGUEIRA, A. C. Reação do crescimento radial da Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze em florestas naturais que sofreram corte seletivo. 1989, 107 p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1989.

NUTTO, L. Manejo do crescimento diamétrico de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze. baseado na árvore individual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 9 - 25, 2001.

NUTTO, L.; SPATHELF, P. Modelagem da desrama natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze. Revista Floresta, v. 33, n. 3, p. 295 - 309, 2003.

PADOIN, V.; FINGER, C. A. G. Relações entre as dimensões da copa e a altura das árvores dominantes em povoamentos de Pinus taeda L. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 1, p. 95 - 105, 2010.

PUKKALA, T.; LÄHDE, E.; LAIHO, O. Growth and yield models for uneven-sized forest stands in Finland. Forest Ecology and Management, v. 258, p. 207 - 216, 2009.

REITZ, R.; KLEIN, R. M. Flora ilustrada catarinense: Araucariáceas. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1966. 63 p.

ROMAN, M.; BRESSAN, D. A.; DURLO, M. A. Variáveis morfométricas e relações interdimensionais para Cordia trichotoma (Vell.) Arráb. Ex Steud. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 19, n. 4, p. 473 - 480, out. - dez., 2009.

RUSSELL, M.B.; WEISKITTEL, A.R. Maximum and largest crown width equations for 15 tree species in Maine. Northern Journal of Applied Forestry, Bethesda, v. 28, p. 84 - 91, 2011.

SAS INSTITUTE INC. The SAS System for Microsoft Windows: release 9.1.2. Cary, 2004.

SCHNEIDER, P. R.; SCHNEIDER, P. S. P. Introdução ao manejo florestal. Santa Maria: FACOS UFSM, 2008. 566 p.

SCHNEIDER, P. R; SCHNEIDER, P. S. P.; SOUZA, C. A. M. Análise de regressão aplicada à Engenharia Florestal. 2º Ed. Santa Maria: UFSM, CEPEF, 2009. 236 p.

WEBER, V. P. et al. Diretrizes para desbaste de Pinus taeda L. em função da altura dominante. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 193 - 201, jan. - mar., 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509821116

Licença Creative Commons