EMPREGO DA ANÁLISE DISCRIMINANTE DE FISHER PARA CLASSIFICAR FISIONOMIAS FLORESTAIS NO BIOMA PAMPA

Ricardo V. Kilca, Solon Jonas Longhi, Gustavo Schwartz, Adriano M. Souza, Julio C. Wojciechowski

Resumo



http://dx.doi.org/10.5902/1980509820587

A análise discriminante de Fisher (ADF) busca realizar uma combinação linear das variáveis independentes com objetivo de maximizar a separação de grupos preditos em um espaço reduzido bidimensional e ainda permitir que novas observações sejam classificadas ou não dentro dos grupos conhecidos a priori. Empregou-se a ADF utilizando oito variáveis estruturais obtidas de inventários sistemáticos do componente arbóreo (DAP>10 cm) realizados em cinco tipos florestais (total de 5 ha) distintos no bioma Pampa do sul do Brasil. Posteriormente foram sorteadas 10 novas amostras provenientes das mesmas fitofisionomias para realizar a validação do modelo. A AD gerou quatro funções discriminantes (FDs), sendo que as duas primeiras funções desempenharam uma capacidade de 88,4% de habilidade para discriminação dos grupos: FD1 = 74,4% (autovalor FD1 = 33,99) e FD2 = 14% (autovalor FD2 = 6,34). Os atributos estruturais que estiveram mais relacionados com a FD1 foram riqueza de espécies, altura comercial e altura total. Em FD2 prevaleceu a área basal e o diâmetro máximo atingido pelo caule. As outras FDs e variáveis estruturais apresentaram menor capacidade de discriminação dos grupos. A AD classificou 100% dos casos nos respectivos grupos preditos, revelando a alta eficiência das variáveis discriminadoras escolhidas. As novas amostras também foram classificadas em seus respectivos grupos, porém, com pequeno grau de erro. O uso da AD para a classificação das florestas deveria ser incentivado porque o método é simples e os resultados são estatisticamente mais confiáveis do que outros métodos descritivos da estatística multivariada que são amplamente utilizados.


Palavras-chave


fisionomia florestal; estrutura arbórea; estatística multivariada; Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul.

Texto completo:

PDF

Referências


AIDE, T. M. et al. Forest regeneration in a chronosequence of tropical abandoned pastures: Implications for restoration ecology. Restoration Ecology, vol. 8, p. :328–338, 2000.

BROWN, M.T.; WICKER, L.R. 2000. Discriminant analysis, Chap. 8. In: TINSLEY, H. E. A.; BROWN, S, D. (Eds). Handbook of applied multivariate statistics and mathematical modelin. San Diego: Academic Press, 2000, p. 209-234.

CABRERA, A.L.; WILLINK, A. Biogeografía de América Latina, 1st edition. Washington DC: Secretaría General de la Organización de los Estados Americanos, 1973. 120 p.

DI MARCHI, T. C.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de mata ribeirinha no rio Camaquã, município de Cristal, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Sér Bot. Porto Alegre, v. 63, n. 2, p: 241-248. 2008.

DILLENBURG, L. R.; WAECHTER, J. L.; PORTO, M. L. Species composition and structure of a sandy coastal plain forest in northern Rio Grande do Sul, Brazil. In: SEELIGER, U. (Org). Coastal Plant Communities of Latin America. New York: Academic Press, p. 349-366. 1992.

DORNELES, L. P. P.; WAECHTER, J. L. Fitossociologia do componente arbóreo na floresta turfosa do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 18, n. 4, p: 815–824. 2004.

FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Forest Resources Assessment 1990: Survey of tropical forest cover and study of change processes. Rome: FAO. 1996.

HAIR, J.F. et al. Multivariate Data Analysis. 6nd ed. New Jersey: Prentice-Hall, 2006. 816 p.

HUBERTY, C. J.; OLEJNIK, S. Applied MANOVA and Discriminant Analysis .Hoboken, New Jersey: JohnWiley & Sons Inc., 2006. 488 p.

GUARIGUATA, M. R.; OSTERTAG, R. Neotropical secondary forest succession: changes in structural and functional characteristics. Forest Ecology and Management 148: 185-206. 2001.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Série Manuais Técnicos em Geociências - n. 1, Rio de Janeiro: IBGE, 1992. 92 p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa da vegetação do Brasil. Available in http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/ noticias/ noticia visualiza.php?id_ noticia=169&id_ pagina=1. Acessed 10 october 2004.

JURINITZ, C. F.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 26, n. 4, p: 475-487. 2003

KLECKA, W. R. Discriminant Analysis. In: NIE, N. H. et al. (Eds). Statistical Package for the Social Sciences. New York: McGraw-Hill, p. 434-467. 1975.

KLEIN, R. M. Aspectos dinâmicos da vegetação no sul do Brasil. Sellowia, Itajaí, v. 36, p: 5-54. 1984.

LEITE, P. F. Contribuição ao conhecimento fitoecológico do sul do Brasil. Ciência e Ambiente, Santa Maria, v. 24, p: 51-73. 2002.

LINDMAN, C. A. M. Vegetação do Rio Grande do Sul (Brasil Austral). Porto Alegre: Tipografia Universal, 1906. 356 p.

LOMBARDO, A. Flora Arborea y Arborescente del Uruguay. Montevideo: Consejo Departamental de Montevideo/Direccíon de Paseos Públicos, 1964.151 p.

LONGHI, S. J. Aspectos fitossociológicos de uma floresta natural de Astronium balansae Engl., no Rio Grande do Sul. Ciência Rural, Santa Maria, v. 17, n. 1-2, p: 49-61. 1987.

McELHINNY, C., GIBBONS, P., BRACK, C.; BAUHUS, J. Forest and woodland stand structural complexity: Its definition and measurement, Forest Ecology and Management, v. 218, p.: 1–24, 2005.

MANLY, B. F. J. Multivariate Statistical Methods: a Primer, 3rd ed. New York: Chapman & Hall, 2005. 215 p.

MARCHIORI, J. N. C.; LONGHI, S. J.; GALVÃO, F. Composição florística e estrutura do Parque de Inhanduvá no Rio Grande do Sul. Ciência Rural, Santa Maria, v. 15, n. 4, p: 319-334. 1984.

MARCHIORI, J. N. C.; LONGHI, S. J.; GALVÃO, F. Estrutura fitossociológica de uma associação natural de Parque Inhanduvá com Quebracho e Cina-cina, no Rio Grande do Sul. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 7, n. 1, p: 147-162. 1985.

OVERBECK, G. E. et al. Brazil’s neglected biome: The South Brazilian Campos. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, v. 9, p: 101-116. 2007.

RAMBO, B. A fisionomia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Selbach, 1956. 417 p.

RENCHER, A. C. Methods of Multivariate Analysis. New York: Wiley, 2002. 798 p.

RICHARDS, P. W. Tropical rain forest: an ecological study. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 1952. 450 p .

RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil, 2 ed. Rio de Janeiro: Ambito Cultural Edições Ltda, 1997. 747p.

SEMA/UFSM. Secretaria Estadual do Meio Ambiente/Universidade Federal de Santa Maria. 2002. Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Available in http://coralx.ufsm.br/ifcrs/. Acessed 20 february 2006.

THESSLER S. et al. Using k-NN and discriminant analyses to classify rain forest types in a Landsat TM image over northern Costa Rica. Remote Sensing of Environment, v. 112, n. 5, p: 2485-2494. 2008.

TORTORELLI, L. A. Maderas y bosques Argentinos. Buenos Aires: ACME, 1956. 910 p.

WAECHTER, J. L.; JARENKOW, J. A. Composição e estrutura do componente arbóreo nas matas turfosas do Taim, Rio Grande do Sul. Biotemas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p: 45-69. 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509820587

Licença Creative Commons