Análise da mortalidade de Acacia mearnsii De Wild.

Paulo Renato Schneider, Fabiano de Oliveira Fortes, Luis Henrique da Silva Souza, Alessandro Dal’Col Lúcio, César Augusto Guimarães Finger, Paulo Sérgio Pigatto Schneider

Resumo


A mortalidade de povoamentos de Acacia mearnsii De Wild. foi estudada tomando por base parcelas permanentes estratificadas em diferentes espaçamentos e sítios. Os resultados permitiram concluir que a probabilidade de mortalidade (PM) pode ser estimada por meio de uma função probabilística em relação ao inverso do diâmetro à altura do peito (d) e da idade (t): PM = {1+ EXP(-9,5593 . d-1 + 104,9543 . t-1)}-1. Mediante a correlação de Pearson, verificou-se uma alta associação entre a taxa de mortalidade com a idade, diâmetro médio, altura média, altura dominante, área basal, volume e espaço vital. Constatou-se que a mortalidade está diretamente relacionada com a idade, qualidade do sítio e espaço vital em determinada fase de crescimento das árvores no povoamento.


Palavras-chave


espaçamento; função de probabilidade; acácia-negra

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, E. Waldertragskunde. Muenchen: BLV Verlagsgessellschaft, 1961. 435p.

AVERY, T.E.; BURKHART, H.E. Forest measurements. 4.ed. Boston: McGraw-Hill, 1994. 400p.

BUCHMAN, R. G.; PEDERSON, S. P.; WALTERS, N.R. A tree survival model with application to species of the Great Lakes region. Can. Jor. For. Res., v.13, p.601-608, 1983.

BURKHART, H. E. Estimating growth and mortality. Virginia: Virginia Polytechnic Institute and State University, 1974. 15p.

HAMILTON, D. A. A logistic model of mortality in thinned and unthinned mixed conifer stands of northern Idaho. For. Sci, v.32, p.989-1000. 1986.

HAMILTON, D. A. Event probabilities estimated by regression. USDA For. Serv. Intermt. Res. Stn. Res. Pap. INT-152. 1974. 18p.

HIGA, R.C.V.; DEDECEK, R. A. Acácia-negra. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1999. 2p (Instrução Tecnica,5).

LEE, Y. L. Predicting mortality for even-aged stands of lodgepole pine. The Forestry chronicle, Ottawa, v. 47, n.1 p.29-32, 1971.

LEMOS, R. C. et al. Levantamento de reconhecimento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Recife: Ministério da Agricultura, Departamento de Pesquisas Agropecuárias, Divisão de Pesquisas Pedológicas, 1973. 431 p. (Boletim Técnico, 30).

MONSERUD, R. A.; REHFELDT, G. E. Genetic and environmental components of variation of site index in inland Douglas-fir. For. Sci., v.36, n.1, p.1-9, 1990.

MONSERUD, R. A.; STERBA, H. Modeling individual tree mortality for Austrian forest species. Forest Ecology and Management, v.113, p.109-123, 1998.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 34p.

OLIVEIRA, H. A. Acácia-negra e tanino no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Tipografia Mercantil, 1960. v.1.

OLIVEIRA, H. A. Acácia-negra e tanino no Rio Grande do Sul.. Canoas: La Salle, 1968. v.2

RENNOLS, K.; PEACE, A. Flow models of mortality and yield for unthinned forest stands. Forestry, Oxford, v.1, p-47-58, 1986.

SANQUETTA, C. R. Fundamentos biométricos dos modelos de simulação florestal. Curitiba: Ed. UFPR, 1996. 49 p.

SCHNEIDER, P.R.; FINGER, C.A.G.; SCHNEIDER, P.S.P.; FLEIG, F.D. Subsídios para o manejo da acácia-negra, Acacia mearnsii De Wild. Santa Maria: CEPEF/FATEC/UFSM, 2000. 71p.

SHERRY, S. P. The Black Wattle (Acacia mearnsii). Pietermorizburg: University of Natal Press, 1971. 402p.

SHERRY, S. P. The effect of stands density and site upon the yield and profitability of wattle plantations. Rep. Wattle Res. Inst., p.39-45, 1966.

SAS. STATISTICAL analysis system. North Carolina: Institute Inc., 1996. (versão 6.0).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981831

Licença Creative Commons