No espírito da música: para uma tese acerca da síntese trágica em Schopenhauer e Wagner

Luan Corrêa da Silva

Resumo


Em torno da discussão acerca da arte musical no pensamento de Schopenhauer, Wagner e Nietzsche, uma questão surge: qual a relação entre música e as demais artes? Em O mundo como vontade e representação a questão é colocada de forma germinal, e em Beethoven de Wagner é radicalizada: a partir do conceito de simpatia a experiência musical é pensada a partir de uma direção oposta daquela experienciada na contemplação estética do belo, e por isso somente explicável a partir do sublime. Curiosamente, é a partir do sublime que Schopenhauer explica a essência da tragédia, que talvez pudesse ser pensada, no intento de apresentar uma tese alternativa para o convívio entre as artes, como a arte que sintetiza a radicalidade de naturezas opostas das artes visuais e da música, como sua intersecção. Assim, preliminarmente à publicação de O nascimento da tragédia, temos aqui uma interessante chave interpretativa a ser investigada.

Palavras-chave


Música; Tragédia; Schopenhauer

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, F. M. Música epistolar: Nietzsche e Carl Fuchs. In: Cadernos Nietzsche 30, São Paulo: GEN, 2012.

BURNETT, H., O Beethoven-schrift: Richard Wagner tórico. In: Trans/Form/Ação, São Paulo, 32(1): 159-173, 2009.

COOPER, B. Beethoven: um compêndio. Rio de Janeiro, Zahar, 1996.

DIAS, R. A influência de Schopenhauer na filosofia da arte de Nietzsche em O nascimento da tragédia. In: Cadernos Nietzsche 3, p. 07-21, 1997

HÜBSCHER, A. Schopenhauer und Wagner. Jb (37) 1956.

LÓPEZ, H. J. P. A la búsqueda del genuino origen arcaico de la tragedia. La filología amiga del wagnerismo nietzscheano. Il Saggiatore Musicale, Anno VII, nº 1, Florença, Leo S. Olschki, 2000.

NIETZSCHE, F. O nascimento da Tragédia ou helenismo e pessimismo. Trad. de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SAFRANSKI, R. Schopenhauer: e os Anos Mais Selvagens da Filosofia. Trad. Willian Lagos. São Paulo: Geração editorial, 2011.

SCHOPENHAUER, A. Arthur Schopenhauers sämtliche Werke. Hrsg. von Paul Deussen. Munique: R. Piper, 1942.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação, 1º tomo; Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

WAGNER, R. Beethoven. Trad. Anna Hartmann Cavalcanti. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

ZÖLLER, G. A música como vontade e representação. Trad. Mário Videira. In: Cadernos de Filosofia Alemã 16, p. 55-80. São Paulo: FFLCH-USP, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378634027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.