A HERMENÊUTICA JURÍDICA EM HANS KELSEN E A CRIMINALIZAÇÃO DA HOMOFOBIA E DA TRANSFOBIA

Samuel Mendonça, Luiz Felipe Mendes Juliano

Resumo


A presente pesquisa tem como objeto de estudo o julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a criminalização da homofobia e da transfobia, sendo feita uma análise desse caso a partir da hermenêutica jurídica em Hans Kelsen. Para essa empreitada, o método é a pesquisa bibliográfica. O primeiro momento dessa pesquisa constitui-se de revisão de literatura em bases nacionais e internacionais sobre o tema. Além disso, também é contemplado o estudo de livros de Kelsen e de seus principais comentadores nacionais, em especial, Fábio Ulhoa Coelho e Tercio Sampaio Ferraz Junior. Já o outro momento da pesquisa bibliográfica se dá com a análise jurisprudencial, o estudo de caso, focalizando no referido julgamento em particular. Com a análise de todos esses materiais, é possível formular a pergunta que ensejou a investigação: há elementos da hermenêutica jurídica em Kelsen que expliquem o julgamento do Supremo Tribunal Federal acerca da criminalização da homofobia e da transfobia? Então, tomando por base os textos analisados, permite-se apontar, enquanto resultados obtidos, uma resposta positiva.


Palavras-chave


Hans Kelsen; Hermenêutica Jurídica; Homofobia; Supremo Tribunal Federal; Transfobia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Decreto Lei nº 2.848/40, de 1940. Código Penal. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 07 dez. 1940. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 7.716/89, de 1989. Define crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 jan. 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7716.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão nº 26. Partido Popular Socialista. Relator: Ministro Celso de Mello. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4515053. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão da decisão que permitiu a retificação do nome civil independentemente de cirurgia de transgenitalização. Ação Direta de Inconstitucionalidade. 4.275. Procuradoria Geral da República. Relator para o acórdão: Ministro Edson Fachin. 07 de março de 2019. Disponível em: http://stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28ADI%24%2ESCLA%2E+E+4275%2ENUME%2E%29+OU+%28ADI%2EACMS%2E+ADJ2+4275%2EACMS%2E%29&base=baseAcordaos&url=http://tinyurl.com/aju5rhv. Acesso em 12 de jul. de 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão da decisão que reconheceu a união homoafetiva. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 132. Governador do Estado do Rio de Janeiro. Relator: Ministro Ayres Britto. 05 de maio de 2011. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=628633. Acesso em 12 de jul. de 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão da decisão que reconheceu a união homoafetiva Ação Direta de Inconstitucionalidade 4.277. Procuradoria Geral da República. Relator: Ministro Ayres Britto. 05 de maio de 2011. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=628635. Acesso em 12 de jul. de 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão da denegação de Habeas Corpus para a concessão de liberdade ao paciente Siegfried Ellwanger, acusado pelo crime de racismo. Habeas Corpus 82.424/RS. Siegfried Ellwanger Castan. Relator para o acórdão: Ministro Maurício Corrêa. 17 de setembro de 2003. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/geral/verPdfPaginado.asp?id=79052&tipo=AC&descricao=Inteiro%20Teor%20HC%20/%2082424. Acesso em 12 de jul. de 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Mandado de Injunção 4733. Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros – ABGLT. Relator: Ministro Edson Fachin. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4239576. Acesso em 13 de jul. de 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Voto do Relator, Ministro Celso de Mello. Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão nº 26. Partido Popular Socialista. Relator: Ministro Celso de Mello. 20 de fevereiro de 2019. Disponível em: https://www.conjur.com.br/dl/leia-voto-ministro-celso-mello2.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Voto do Ministro Ricardo Lewandoski. Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão nº 26. Partido Popular Socialista. Relator: Ministro Celso de Mello. 13 de junho de 2019. Disponível em: https://www.conjur.com.br/dl/legislativo-tipificar-crime-defende.pdf. Acesso em 12 jul. 2019.

CARVALHO, Salo de; DUARTE, Evandro Piza. Criminologia do Preconceito: racismo e homofobia nas Ciências Criminais. São Paulo: Saraiva, 2017.

COELHO, Fábio Ulhoa. Para entender Kelsen. São Paulo: Saraiva, 2012.

FERRAZ JR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

GASPAR, Renata Alvares; MENDONÇA, Samuel. O DIPR – Direito Internacional Privado e a Educação Jurídica: um diálogo essencial. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, RS, v. 13, n. 1, p. 1-19, maio 2018. ISSN 1981-3694. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistadireito/article/view/27249. Acesso em: 14 jul. 2019.

GRAU, Eros Roberto. Por que tenho medo dos juízes: (a interpretação/aplicação do direito e os princípios). 9. ed. refundida do ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo, Malheiros, 2018.

KELSEN, Hans. Teoria geral das normas. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1986.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

KELSEN, Hans. O que é a justiça? São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MENDONCA, Samuel; ADAID, Felipe Alves Pereira. Tendências teóricas sobre o Ensino Jurídico entre 2004 e 2014: busca pela formação crítica. Rev. Direito GV, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 818-846, set. 2018. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/2317-6172201831. Acesso em 13 de jul. de 2019.

POSNER, Richard A. How judges think. Cambridge, Massachusetts, London: Harvard University Press, 2008.

SGARBI, Adrian. O mundo de Kelsen. São Paulo: Marcial Pons, 2019.

STRECK, Lenio Luiz. O que é isto - decido conforme minha consciência? 5. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; BATISTA, Nilo. Direito penal brasileiro: teoria geral do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2003, v. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1981369439078

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)